POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO: LIMITES E POSSIBILIDADES

Adriana D'Agostini, Mauro Titton

Resumo


P { margin-bottom: 0.21cm; direction: ltr; color: rgb(0, 0, 0); }P.western { font-family: "Liberation Serif","Times New Roman",serif; font-size: 12pt; }P.cjk { font-family: "WenQuanYi Micro Hei"; font-size: 12pt; }P.ctl { font-family: "Lohit Hindi"; font-size: 12pt; }A:link { }

Este artigo pretende tratar de forma crítica a política de formação de professores para o campo. Duas dimensões serão trabalhadas: a das possibilidades pedagógicas que se apresentam para formação de professores e a dos limites e o aprisionamento destas possibilidades nas políticas públicas para a educação do campo. Avalia-se que a atual política de formação de professores está pautada na aceleração, flexibilização e barateamento da formação profissional, repercutindo nas possibilidades de qualificação do trabalho docente, especialmente nas escolas do campo.

Palavras-chave: Formação de professores, políticas públicas, educação do campo.


Palavras-chave


Formação de professores, políticas públicas, educação do campo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v6i1.10218

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.