Ensino da arte no limiar da censura: uma defesa da autonomia da educação estética em Vigotski

Luana Maribele Wedekin

Resumo


Este artigo parte da obra “A Educação Estética” de Vigotski para analisar uma experiência de formação continuada de professores em agosto de 2017 na qual surgiu a questão da censura sugerida por professores à mediação educativa da exposição de gravuras “Lasar Segall, Poesia da Linha e do Corte”, no SESC/Bauru. Apresenta-se as premissas fundamentais da educação estética para Vigotski, descreve-se o cenário de sistemática censura à literatura na Rússia/URSS, para então discorrer sobre o episódio de censura aos temas da prostituição e nudez na exposição de Segall, localizando-o no recente cenário de criminalização da arte no Brasil. Vigotski aponta para a premissa polissêmica da arte, ressaltando a percepção estética como ativa e criativa, salvaguardando a autonomia da educação estética e recusando qualquer subordinação à moral.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/pcr.v11i1.26503


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional.