Empreendedor cultural: uma identidade rejeitada?

Fernando Antonio Prado Gimenez

Resumo


Neste texto discorro sobre o empreendedorismo cultural com base em textos de periódicos científicos. O campo de estudos do empreendedorismo cultural é recente e está em seus estágios iniciais de formação. Um aspecto central do campo é a identidade empreendedora e sua aceitação para designar um empreendedor que lida com duas lógicas de ação, a artística e a de negócios. Esta identidade parece sofrer certa resistência por parte daqueles que operam nesse campo. Utilizo dados estatísticos sobre Microempreendedores Individuais na economia da cultura brasileira para evidenciar que esta identidade tem sido assumida, pelos menos formalmente, de forma crescente no campo da cultura. Por fim, concluo o texto apontando para o ponto de tensão central do empreendedorismo cultural e para sua adoção como um termo que auxilie os estudiosos do empreendedorismo a designar uma forma específica de empreender.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/pcr.v11i1.24410


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional.