A Importância de uma Ampla Interação entre Universidades e os Habitats de Inovação

Bruno Teixeira Maldonado, Marcelo Farid Pereira

Resumo


Como instituições voltadas ao ensino e à pesquisa, as universidades possuem um papel fundamental na criação e no desenvolvimento do conhecimento e da tecnologia necessários para as atividades de inovação. Em vista da importância desses elementos para o desenvolvimento socioeconômico, torna-se essencial a interação entre a universidade e o setor empresarial. Entretanto, dada as suas especificidades e as naturezas diferentes de cada um, observa-se uma série de obstáculos para o desenvolvimento dessa interação. O objetivo deste artigo é averiguar como é possível superar tais obstáculos no atual contexto do sistema de inovação nacional, sustentado pelo estudo bibliográfico do tema, do modelo da tríplice hélice e dos habitats de inovação. O estudo, ao fim, enfatizou a importância dos habitats de inovação para dar suporte a essa interação e promover a interação dos agentes da tríplice hélice, suprindo as lacunas institucionais existentes entre estes para efetivar um ambiente de inovação.



Palavras-chave


Tríplice Hélice. Universidades. Habitats de inovação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Eduardo da Motta. Sistema nacional de inovação no Brasil: uma análise introdutória a partir de dados disponíveis sobre a ciência e a tecnologia. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 56-72, 1996.

AMIGO, Fernanda Vargas; GUZMÁN, Sócrates Jacobo Moquete. Incubadoras de empresas de base tecnológica como política de fomento à geração de inovação e riqueza na microrregião Ilhéus-Itabuna. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 11, Edição Especial, p.359-374, abr.-jun. 2018.

AROCENA, R.; SUTZ, J. Innovation Systems and Developing Countries. DRUID Working Paper, Dinamarca, n. 2-5, 2002. Disponível em: https://ideas.repec.org/p/aal/abbswp/02-05.html. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Lei n 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 de dezembro de 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.973.htm. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei n. 6.815, de 19 de agosto de 1980, a Lei n. 8.666, de 21 de junho de 1993, a Lei n. 12.462, de 4 de agosto de 2011, a Lei n. 8.745, de 9 de dezembro de 1993, a Lei n. 8.958, de 20 de dezembro de 1994, a Lei n. 8.010, de 29 de março de 1990, a Lei n. 8.032, de 12 de abril de 1990, e a Lei n. 12.772, de 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional n. 85, de 26 de fevereiro de 2015. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 de janeiro de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm. Acesso em: 21 jul. 2019.

CASSIOLATO, José Eduardo. A economia do conhecimento e as novas políticas industriais e tecnológicas. In: LASTRES, Helena Maria Martins; ALBAGLI, Sarita (org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999. p. 164-90.

CHAMPENOIS, Claire; ETZKOWITZ, Henry. From boundary line to boundary space: The creation of hybrid organizations as a Triple Helix micro-foundation. Technovation, Holanda, v. 76-77, p.28-39, 2018.

CLOSS, Lisiane; FERREIRA, Gabriela Cardozo. Transferência de Tecnologia Universidade-Empresa: uma revisão das publicações científicas brasileiras no período 2005-2009. Gest. Prod., São Carlos, v. 19, n. 2, p. 419-432, 2012.

CUNHA, Bruno Queiroz. Uma análise da construção da agenda de inovação no setor público a partir de experiências internacionais precursoras. In: CAVALCANTE, Pedro et al. Inovação no setor público: teoria, tendências e casos no Brasil. Brasília: Enap: Ipea, 2017. p. 43-58.

DE NEGRI, Fernanda. Novos caminhos para a inovação no Brasil. Washington (EUA): Editora Wilson Center, 2018.

DE NEGRI, Fernanda. Por uma nova geração de políticas públicas de inovação no Brasil. In: TURCHI, Lenita Maria; DE MORAES, José Mauro (org.). Políticas de apoio à inovação tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: Ipea. 2017.p. 25-46.

ETZKOWITZ, Henry; ZHOU, Chunyan. Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, São Paulo, v.31, n.90, p.23-48, 2017.

FAIAD, Michele Mamede et al. Sistema Nacional de Inovação: uma Análise dos Sistemas na Alemanha e no Brasil. Navus – Revista de Gestão e Tecnologia, Santa Catarina, v. 6, p. 6-25, 2016.

FELDEN, Érico Pereira Gomes; MACHADO JÚNIOR, José Eduardo; TEIXEIRA, Clarissa Stefani. Habitats de inovação de Florianópolis: os ambientes que transformam o ecossistema de inovação e empreendedorismo. 2. ed. São Paulo: Perse, 2019. v. 2. 106p.

FELIPE, Ednilson Silva. Schumpeter, os Neoschumpeterianos e as Instituições: o conceito e o papel numa economia dinâmica e globalizada. In: XII CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA ECONÔMICA E 13ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE HISTÓRIA DE EMPRESAS. 2017. Rio de Janeiro. Anais[...] Rio de Janeiro: UFF/ABPHE, 2017.

FERREIRA, Camila Lisdália Dantas. A hélice tríplice e a universidade de Brasília: as atividades de transferência de tecnologia conduzidas pelo núcleo de inovação tecnológica. 2018. 119f. Dissertação (Mestrado em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação) – Universidade de Brasília, Profnit, Brasília, 2018.

FINEP – FINACIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Manual de Oslo: diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3. ed. Brasília, DF: FINEP, 2005. Disponível em: http://download.finep.gov.br/imprensa/manual_de_oslo.pdff. Acesso em: 26 maio 2019.

GIMENEZ, Ana Maria Nunes; BONACELLI, Maria Beatriz Machado; CARNEIRO, Ana Maria. A Universidade em um contexto de mudanças: integrando ciência, tecnologia e inovação. Revista de Propriedade Intelectual – Direito Contemporâneo e Constituição, São Paulo, v. 10, p. 115-133, 2016.

IPIRANGA, Ana Silvia Rocha; HORA, Priscilla Corrêa. O tipo de pesquisa e a cooperação universidade, empresa e governo: uma análise na rede nordeste de biotecnologia. Organizações & Sociedade, Bahia, v. 19, p. 17-34, 2012.

JOHNSON, Björn; LUNDVALL, Bengt Åke. Promoting Innovation Systems as a Response to the Globalising Learning Economy. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS E NOVAS POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO. 2000. Rio de Janeiro. Nota Técnica n. 4, Rio de Janeiro: Redesist, 2000.

MACHADO, Andréia de Bem; SILVA, Andreza Regina Lopes da; CATAPAN, Araci Hack. Bibliometria sobre concepção de habitats de inovação. Navus – Revista de Gestão e Tecnologia, Santa Catarina, v. 6, p. 88-96, 2016.

MANSANO, Fernanda Helen. Avaliação das incubadoras de empresas de base tecnológica do Paraná a partir de um modelo proposto. 2016. 100f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

MANSANO, Fernanda Helen; PEREIRA, Marcelo Farid. Business incubators as support mechanisms for the economic development: Case of Maringa's Technology Incubator. International Journal of Innovation, São Paulo, v. 4, p. 23-32, 2016.

MANSANO, Fernanda Helen; PEREIRA, Marcelo Farid; PARRE, José Luis. Classificação das Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica do Paraná utilizando a análise fatorial. In: 26 CONFERÊNCIA ANPROTEC, 2016, Fortaleza. Anais[...]Fortaleza: ANPROTEC, 2016, p. 50-75.

MARCOVITCH, J. A cooperação da universidade moderna com o setor empresarial. Revista de Administração, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 13-17, 1999.

OSINSKI, Marilei et al. A Presença dos Papéis Organizacionais da Tríplice Hélice em um Núcleo de Inovação Tecnológica da Região Sul do Brasil. In: VIII CONGRESSO INTERNACIONAL DE CONHECIMENTO E INOVAÇÃO, GUADALAJARA, México, 2018. Anais[...]Guadalajara (México): ciKi, 2018.

PRESTES, Gabriel Prestes et al. Inovação no Brasil e sua Relação com a Tríplice Hélice Universidade. In: XVII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO, Caxias do Sul, 2017. Anais[...] Caxias do Sul: UCS, 2017.

SARTORI, Viviane. In Hab-Read-IHR: metodologia de leitura de entorno para habitats de inovação. 2007. 489 f. Tese (Doutorado Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (ECG), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

TEIXEIRA, C. S.et al. Habitats de Inovação: alinhamento conceitual. Perse Editora, 2016. Disponível em: http://via.ufsc.br/download-habitats-de-inovacao/. Acesso em: 27 jul. 2019.

TERRA, Edson Azevedo Filho et al. O modelo da tripla hélice e o desenvolvimento regional: um estudo de caso sobre o setor metalmecânico em Campos dos Goytacazes, RJ. Linkscienceplace – Interdisciplinary Scientific Journal, Rio de Janeiro, v. 5, p. 1-17, 2018.

TURCHI, Lenita Maria; ARCURI, Marcos. Interação Institutos Públicos de Pesquisa e empresas: Avaliação das parcerias. In: TURCHI, Lenita Maria; DE MORAIS, José Mauro (org.). Políticas de apoio à inovação tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: Ipea, 2017. p. 81-112.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v13i1.32745

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)