A Indústria de Telessaúde como uma Oportunidade para o Desenvolvimento Econômico na Saúde Pública Brasileira

Angélica Baptista Silva, Gisele Cruz de Mendonça

Resumo


Nas últimas décadas observa-se um aumento da aplicação das tecnologias da informação e da comunicação nas variadas áreas da assistência à saúde. Faz-se importante conhecer o cenário da proteção intelectual deste setor tecnológico. Para tanto foi realizada a revisão da literatura de patente em telessaúde – em particular, a videoconferência. O cenário mundial de proteção por patente se apresenta em franco crescimento. Quanto às empresas, verifica-se a predominância da presença das multinacionais, no Brasil. A série temporal denota crescimento de depósitos na mesma época de altos investimentos públicos em telessaúde no Sistema Único de Saúde. Os resultados da análise no cenário internacional evidenciaram que há poucos depósitos no Brasil, o que denota a impossibilidade de a indústria local reproduzir a tecnologia. A aliança entre empresas brasileiras e universidades, com os gestores do setor saúde emerge como possível caminho estratégico para o desenvolvimento tecnológico e a inovação, através do qual o poder de compra do Estado induziria a indústria local.


Palavras-chave


Telesaúde, Patentes. Desenvolvimento.

Texto completo:

PDF

Referências


ATKINSON, A. et al. Top Incomes in the Long Run of History. Journal of Economic Literature, v. 49, n 1, p. 3–71, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1257/jel.49.1.3. Acesso em: 20 jul. 2018.

BARBOSA, A. F. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos estabelecimentos de saúde brasileiros: TIC Saúde 2015. Comitê Gestor da Internet no Brasil, São Paulo, 2016. Disponível em: http://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/tic_saude_2015_livro_eletronico.pdf. Acesso em: 10 mar. 2017.

BERGQUIST, K. et al. Identifying and Ranking the World’s Largest Clusters of Inventive Activity. Economic Research Working Paper, 34. World Intellectual Property Organization. Genebra, 2017. Disponível em: http://www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/wipo_pub_econstat_wp_34.pdf. Acesso em: 01 jul. 2018.

CAVALCANTE, R. et al. Panorama de definição e implementação da Política Nacional de Informação e Informática em Saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 31, p. 960–970, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00095014. Acesso em: 15 maio 2017.

CHIBBER, Vivek. Locked in Place: State-building and Late Industrialization in India. Princeton University Press, 2003. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=hNxM_pR9UX4C. Acesso em: 07 set. 2017.

COMMUNITIES, S. O. E. Oslo Manual: Guía para la recogida e interpretación de datos sobre innovación. Tragsa, 3a edición, 2007.

COOKE, Philip. Regional Innovation Systems, Clusters, and the Knowledge Economy. Industrial and Corporate Change, v. 10, n. 4, p. 945–974, 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1093/icc/10.4.945. Acesso em: 12 abr. 2017.

COSTA, L. S. et al. Health Care Innovation from a Territorial Perspective: A Call for a New Approach. Revista de Saúde Pública, v. 46, p. 59-67, 2012.

CUNHA, F. J. A. P.; LIMA, G. L. Q.; OLIVEIRA, L. A. F. A gestão de documentos e a política brasileira de informação e informática em saúde. 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/123456789/3052. Acesso em: 23 jun. 2018.

CUNHA, F. J. A. P.; LIMA, G. L. Q.; OLIVEIRA, L. A. F. A gestão de documentos e a política brasileira de informação e informática em saúde. In: Anais [...] XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Pós-Graduação em Ciência da Informação, 2015, Salvador: XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Pós-Graduação em Ciência da Informação, 2015.

DE MENDONÇA, G. C. Implementação da política nacional de ciência tecnologia e inovação em saúde no segmento de produtos oncológicos sob a ótica da capacidade de coordenação do estado brasileiro. 2016. 290 p. Tese (Doutorado em Políticas Públicas estratégia e Desenvolvimento) – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

EVANS, Peter B. The capability enhancing developmental state: concepts and national trajectories. In: KIM, E. M.; KIM, P.H. (ed.). The South Korean Development Experience. Londres, 2014. p. 83–110.

GALLOUJ, F.; FARIDAH, D. The Handbook of Innovation and Services: A Multi-disciplinary Perspective. Edward Elgar Publishing, 2011. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=r8dY6UJ979sC. Acesso em: 22 mar. 2018.

HERSH, W. R., et al. Telemedicine for the Medicare Population: Pediatric, Obstetric, and Clinician-Indirect Home Interventions. Evidence Report/Technology Assessment (Summary), n. 24, s. Agosto, p. 1–32, 2001.

TANG, I. I. P; MERWE, H.; TANNOCK, Q. Emerging patent thickets and standards in the medical devices and telehealth space. Cambridge IP. 2011.

JUNIOR, A. E. et al. II Plano Diretor Para o Desenvolvimento Da Informação e Tecnologia de Informação em Saúde 2013-2017. 2014. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2015/06/GT_informacao_plano-diretor.pdf. Acesso em: 05 ago. 2018.

MALERBA, F., NELSON, R. Learning and catching up in different sectoral systems: evidence from six industries. Industrial and Corporate Change, n. 20, v. 6, p. 1645–75, 2011.

MALERBA, Franco. Sectoral systems of innovation and production. Innovation Systems, n. 31, v. 2, p. 247–264, 2002.

NELSON, Richard. What Enables Rapid Economic Progress: What Are the Needed Institutions? Research Policy, n. 37, v. 1, p. 1–11, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.respol.2007.10.008. Acesso em: 13 out. 2017.

PORTER, Alain L et al. Technology futures analysis: Toward integration of the field and new methods. Technological Forecasting and Social Change, n. 71, v. 3, p. 287–303, 2004.

SANTOS AMPARO, K. et al. Estudo de caso utilizando mapeamento de prospecção tecnológica como principal ferramenta de busca científica. Perspectivas em Ciência da Informação, n. 17, v. 4, p. 195–209, 2012.

SCHUMPETER, J. A. Capitalism, Socialism and Democracy. Taylor & Francis, 1950. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=i4HO8pqaM4wC&dq. Acesso em: 29 abr. 2018.

SEN, A. Resources, Values and Development. Harvard University Press, 1997. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=YGLB96M7eOoC. Acesso em: 03 out. 2017.

SILVA, A. B., MORAES, I. H. S. 2012. O caso da Rede Universitária de Telemedicina: análise da entrada da telessaúde na agenda política brasileira. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 22, n. 3, p. 1.211-1.235, 2012.

SILVA, A. B. Telessaúde no Brasil: Conceitos e Aplicações. 2014. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=0nfgDQAAQBAJ. Acesso em: 01 fev. 2018.

VALENTIM, M. L. P., MOLINA, L. G. Prospecção e monitoramento informacional no processo de inteligência competitiva. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 9, n. 1, p. 59–77, 2004.

WHO- WORLD HEALTH ORGANIZATION, ITU - International Telecommunication Union. Pacote de Ferramentas da Estratégia Nacional de Saúde. Genebra. 2012. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/75211/13/9789248548468_por.pdf?ua=1. Acesso em: 1º jul. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i5%20Especial.32216

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)