Análise do P&D Brasileiro com Uso da Nanotecnologia em Medicamentos para Uso Humano: pesquisas, tecnologias e produtos

Tiago Giuriatti, Manuel Adalberto Alfaro De Prá, Fernando Richartz, Eduardo Luiz Gasnhar Moreira

Resumo


Este trabalho teve como objetivo analisar a dinâmica de relações entre Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs) e empresas brasileiras acerca de pesquisas envolvendo nanotecnologia com aplicação ao desenvolvimento de medicamentos para uso em seres humanos. Especificamente, buscou-se apresentar o processo de inovação promovido pela nanotecnologia nas pesquisas de origem brasileira, por meio do levantamento de linhas de pesquisas, depósitos de patentes, tecnologias desenvolvidas, transferências desses conhecimentos, ensaios clínicos em andamento e concluídos, os quais resultaram, em produtos de origem nacional. Observou-se que as empresas brasileiras, em termos de depósitos de patentes, apresentam números incipientes, embora um número expressivo desses depósitos seja oriundo de parceria com ICTs brasileiras. Em especial, algumas empresas brasileiras realizaram ensaios clínicos com parcerias de ICTs, resultando no desenvolvimento de produtos de origem brasileira.


Palavras-chave


Inovação; Prospecção; Informação Tecnológica; Patente.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDI – AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Relatório nanotecnologia na área da saúde: mercado, segurança e regulação. Janeiro de 2013. Disponível em: http://www.abdi.com.br/Estudo/relatorio-nanote cnologia.pdf. Acesso em: 9 set. 2017.

ANVISA – AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Consulta de Ensaios Clínicos Autorizados pela Anvisa. 2018. Disponível em: http://www7.anvisa.gov.br/Datavisa/Consulta_Comunicados/Consulta_CE_Autorizados.asp. Acesso em: 13 jul. 2018.

ALENCAR M. S. M.; ANTUNES A. M. S. Análise de patentes pela classificação em nanotecnologia e sua aplicação em fármacos. In: ANTUNES A. M. S.; MAGALHÃES J. L. Patenteamento e Prospecção Tecnológica no Setor Farmacêutico. Rio de Janeiro: Interciência, 2008. p. 159-180.

ARONSON, J. K. Something new every day: defining innovation and innovativeness in drug therapy. The Journal of Ambulatory Care Management, [S.l.], v. 31, n. 1, p. 65-68, jan.-mar. 2008. Disponível em: https://journals.lww.com/ambulatorycaremanagement/pages/articleviewer.aspx?year=2008&issue=01000&article=00011&type=abstract. Acesso em: 23 abr. 2018.

ABIPTI – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE PESQUISA TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO. Pesquisa brasileira desenvolve vacina via oral contra a hepatite B. 2015. Disponível em: http://www.agenciacti. com.br/agencia-flat/?p=2356. Acesso em: 25 set. 2018.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (BNDES). Ensaios clínicos no Brasil: competitividade internacional e desafios. Brasília, 2012. Disponível em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/bitstr eam/1408/1504/2/A%20set.36_Ensaios%20cl%C3%ADnicos%20no%20Brasil.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

CAIXETA, A. V.; BINSFELD, P. C. Nanomedicamentos e Nanocarreadores de drogas para o uso terapêutico de Câncer. Goiás: Programa de Pós-Graduação em Vigilância Sanitária, 2013. Disponível em: http://www.cpgls.pucgoias.edu.br/8mostra/Artigos/SAUDE%20E%20BIOLOGICAS/Nanomedicamentos%20e%20Nanocarreadores%20de%20drogas%20para%20o%20uso%20terap%C3%AAutico%20de%20C%C3%A2ncer.pdf. Acesso em: 15 dez. 2017.

CGEE – CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. II Workshop Nanotecnologias: da ciência ao mundo dos negócios, Relatório Final. Brasília, 2012. Disponível em: https://www.cgee.org.br/documents/10195/734063/Relat%C3%B3rio+Final_formatado_8336.pdf/3d65079b-2c78-4ce5-b0d2-5aa2a26d1c03?version=1.0. Acesso em: 12 out. 2018.

CNANO-UFRGS – CENTRO DE NANOCIÊNCIA E NANOTECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Homepage. [2018]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/cnano/. Acesso em: 10 set. 2018.

CLINICAL TRIALS. ENSAIOS CLÍNICOS. 2018. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/. Acesso em: 25 set. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIÊNTIFICO E TECNOLÓGICO (CNPQ). Linhas de pesquisa. 2018. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/web/dgp/glossario ;jsessionid=4GJ7sqZjPJwSoRgU4BjU0rYq.undefined?p_p_id=54_INSTANCE_QoMcDQ9EVoSc&p_p_lifecycle=0&p_p_state=normal&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_54_INSTANCE_QoMcDQ9EVoSc_struts_action=%2Fwiki_display%2Fview&_54_INSTANCE_QoMcDQ9EVoSc_nodeName=Main&_54_INSTANCE_QoMcDQ9EVoSc_title=Linhas+de+pesquisa. Acesso em: 9 ago. 2018.

DA SILVA, K. et al. Domínios Tecnológicos das Patentes Acadêmicas no Brasil: Interação dos Inventores Acadêmicos nos Pedidos de Patentespela Via Pct 2002-2012, 2015. In: CONGRESSO LATINO-IBEROAMERICANO DE GESTÃO DA TECNOLOGIA, 16., 2015, Porto Alegre. Anais [...] Porto Alegre: ALTEC, 2015. Disponível em: http://altec2015.nitec.co/altec/papers/913.pdf. Acesso em: 10 maio 2018.

DIMER, F. A. et al. Impactos da Nanotecnologia na Saúde: Produção de Medicamentos. Química Nova, [S.l.], v. 36, n. 10, 2013. Disponível em: http://quimicanova.sbq.org.br /detalhe_artigo.asp?id=3046. Acesso em: 11 dez. 2017.

EUROFARMA. Eurofarma, em parceria com PUCRS, licencia patentes para desenvolver medicamento inovador à base de resveratrol. [2008]. Disponível em: https://www.eurofarma.com.br/release/eurofarma-em-parceria-com-pucrs-licencia-patentes-para-desenvolver-medicamento-inovador-a-base-de-resveratrol/. Acesso em: 15 set. 2018.

EVERS, P. Nanotechnology in Medical Applications: The Global Market. BccResearch, [S.l.], September 2015. Disponível em: https://www.bccresearch.com/market-research/healthcare/nanotechnology-medical-applications-market-hlc069c.html. Acesso em: 7 set. 2017.

EVIDENCE. Dossiê Científico Biolipideo. 2012. Disponível em: https://issuu.com/grupoevidence4/docs/dossie_biolip__deo_b2_. Acesso em: 10 out. 2018.

FAIYAZUDDIN, U. A. Md. Patented Nanopharmaceuticals: A Hope for Patent Expired Formulations. OMICS Internacional Intel Prop Rights, [S.l.], v. 2, n. 2, p. e104, fev. 2014. ISSN: 2375-4516. Disponível em: https://www.omicsonline.org/open-access/patented-nanopharmaceuticals-a-hope-for-patent-expired-formulations-ipr.1000e104.php?aid=23933. Acesso em: 7 set. 2017. DOI: https://doi.org/10.4172/2375-4516.1000e104 .

GOMES, R. et al. O novo cenário de concorrência na indústria farmacêutica brasileira. Complexo Industrial da Saúde. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, v. 39, p. 97-134, 2014. Disponível em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/4541. Acesso em: 24 out. 2018.

GONÇALVES, H. A. Manual de metodologia da pesquisa cientifica. 2. ed. São Paulo: Avercamp, 2014.

INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (INCT). Homepage. 2018. Disponível em: http://inct.cnpq.br/web/inct-nanobiofar/resultados/. Acesso em: 4 dez. 2018.

KAITIN, K. I. Deconstructing the Drug Development Process: the New Face of Innovation. Clin Pharmacol Ther, [S.l.], v. 87, n. 3, p. 356-361, feb. 2010. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2953249/. Acesso em: 10 abr. 2018.

LIU, C.; CONSTANTINIDES, P. C.; LI, Y. Research and development in drug innovation: reflections from the 2013 bioeconomy conference in China, lessons learned and future perspectives. Acta Pharm Sin B, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 112-199, 18 feb. 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4590300/. Acesso em: 28 nov. 2018.

MARTINS, D. Brasil realiza poucos testes clínicos de medicamentos em humanos. Folha de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2017/04/1878809-brasil-realiza-poucos-testes-clinicos-de-medicamentos-em-humanos.shtml. Acesso em: 5 out. 2018.

MCTIC – MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Ações e Programas PPA 2012-2015. [2015]. Disponível em: http://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/arquivos/Programas_Acoes_e_Unidades_Responsaveis.xls. Acesso em: 9 set. 2017.

MPDG – MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO. Relatório Anual de Avaliação 2016-2019. [2016]. Disponível em: http://www.planejamento.gov.br/secretarias/upload/arquivo/spi-1/ppa-2016-2019/rel_anual_de_avaliacao_ppa_2016_2019_volume_i.pdf. Acesso em: 9 set. 2017.

MIGUEL, S. Pesquisa em humanos no Brasil poderá avançar com nova legislação. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA), 2016. Disponível em: http://www.iea.usp.br/noticias/pesquisa-em-humanos-no-brasil-podera-avancar-com-nova-legislacao. Acesso em: 9 out. 2018.

PFEIFER, M. O. A vez das moléculas hightech. Interfarma, [S.l.], 2015. Disponível em: https://www.interfarma.org.br/noticias/738. Acesso em: 31 set. 2018.

PORTAL DE NANOTECNOLOGIA BRASILEIRO (NANOCOM). Incrementa lança primeiro fármaco brasileiro desenvolvido com nanotecnologia. 2007. Disponível em: http://nanocom.com.br/inovacao/incrementa-lanca-primeiro-far maco-brasileiro-desenvolvido-com-nanotecnologia/. Acesso em: 8 ago. 2018.

SANT'ANNA, L. S.; ALENCAR, M. S. M.; FERREIRA, A. P. Patenteamento em Nanotecnologia no Brasil: desenvolvimento, potencialidades e reflexões para o meio ambiente e a saúde humana. Química Nova, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 348-353, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0100-40422013000200024. Acesso em: 2 set. 2017.

STATNANO. Informações e estatísticas sobre ciência, tecnologia e indústria baseadas em nanotecnologia. 2018. Disponível em: http://statnano.com. Acesso em: 10 set. 2018.

VASCONCELOS, Y. Inovação em fármacos. Revista FAPESP, [S.l.], Edição 238, dez. 2015. Disponível em: http://revista pesquisa.fapesp.br/2015/12/15/moleculas-inovadoras/?cat=tecnologia. Acesso em: 21 set. 2018.

VASCONCELOS, Y. Inovação em fármacos. Revista FAPESP, [S.l.], Edição 260, out. 2017. Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br/2017/10/25/inovacao-em-farmacos/. Acesso em: 21 set. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v13i1.31806

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)