Artefatos de Couro de Ipirá: potencial de Indicação Geográfica no território da Bacia do Jacuípe – Bahia

Bartolomeu das Neves Marques, Camila Santos Bulcão, Ângela Maria Ferreira Lima, Jerisnaldo Matos Lopes, Marcelo Santana Silva

Resumo


Este trabalho tem como objetivos identificar e apresentar as características que o município de Ipirá reúne para um registro de Indicação Geográfica (IG), na forma de Indicação de Procedência (IP), dos seus artefatos de couro, considerando os aspectos históricos e econômicos associados a essa produção. A metodologia adotou uma abordagem qualitativa, com pesquisa bibliográfica e consultas a sites especializados como fontes secundárias. O saber-fazer é uma característica singular e expressiva na localidade, que a distingue da produção de outros territórios e representa um potencial para a sua certificação junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial, a partir da estruturação da cadeia produtiva com estabelecimento de governança para organização dos produtores e demais stakeholders. Concluiu-se que a produção de artefatos de couro de Ipirá tem grande potencial para Indicação Geográfica na modalidade de Indicação de Procedência (IP), podendo gerar benefícios que vão além da melhoria das condições econômicas da população.


Palavras-chave


Artefatos de couro; Indicação Geográfica; Ipirá.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDI – AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Relatório de acompanhamento setorial: indústria do couro. 2011. Disponível em: http://www.eco.unicamp.br/Neit/images/stories/arquivos/Relatorios_NEIT/Industria-de-Couro-marco-de-2011.pdf. Acesso em: 21 mar. 2019.

BELLETTI, Giovanni; MARESCOTTI, Andrea; TOUZARD, Jean-Marc. Geographical Indications, Public Goods, and Sustainable Development: The Roles of Actors’ Strategies and Public Policies. In: WORLD DEVELOPMENT, Volume 98, October 2017, Pages 45-57. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0305750X15001138. Acesso em: 19 mar. 2019.

BRASIL, Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996 (Código de Propriedade Industrial). Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9279.htm. Acesso em: 4 abr. 2019.

CABORONGA NOTÍCIAS. Associação Ipirá Couro se reúne hoje para discutir a criação do Galpão Industrial e Feira do Couro. 2018. Disponível em: https://caboronganoticias.com.br/associacao-ipira-couro-se-reune-hoje-para-discutir-criacao-de-galpao-industrial-e-feira-do-couro/. Acesso em: 6 abr. 2019.

CUNHA, Camila Biral Vieira da. Indicações Geográficas: regulamentação nacional e compromissos internacionais. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito)- Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2135/tde-03072012-132746/pt-br.php. Acesso em: 1º abr. 2019.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Cadeia produtiva do couro bovino: oportunidades e desafios. 2005. Disponível: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/326317/1/Cadeiaprodutivadocouro2.pdf. Acesso em: 9 abr. 2019.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/ipira/panorama. Acesso em: 21 mar. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. 2019. Guia básico de indicação geográfica. 20 mar. 2019a. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica. Acesso em: 21 mar. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. 2018. Instrução Normativa, n. 95, de 28 de dezembro de 2018a. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/arquivos/IN952018.pdf. Acesso em: 1º abr. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. INPI disponibiliza regulamentos de uso de indicações geográficas. 2018b. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/noticias/inpi-disponibiliza-regulamentos-de-uso-de-indicacoes-geograficas. Acesso em: 01 abr. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Novas normas para Indicações Geográficas entram em vigor. 2019b. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/noticias/novas-normas-para-indicacoes-geograficas-entram-em-vigor. Acesso em: 30 set. 2019.

IPIRÁ. (Prefeitura Municipal). [2019]. Disponível em: https://ipira.ba.gov.br/. Acesso em: 19 mar. 2019.

MAIORKI, G. J.; DALLABRIDA, V. R. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. Interações, Campo Grande, v. 16, n. 1, p. 13-25, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/inter/v16n1/1518-7012-inter-16-01-0013.pdf. Acesso em: 6 mar. 2019.

NEILSON, Jeffrey; WRIGHT, Josephine; AKLIMAWATI, Lya. Geographical indications and value capture in the Indonesia coffee sector. Journal of Rural Studies, [S.l.], v. 59, April 2018, p. 35-48. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0743016717304588. Acesso em: 6 abr. 2019.

PIRES, Silvio R. I. Gestão da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management): conceitos, estratégias, práticas e casos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA. Governo da Bahia inaugura Fábrica Escola do Couro, em Ipirá. 2018. Disponível em: http://www.educacao.ba.gov.br/noticias/governo-da-bahia-inaugura-fabrica-escola-do-couro-em-ipira. Acesso em: 6 abr. 2019.

SEPLAN/BA – SECRETARIA DO PLANEJAMENTO DO ESTADO DA BAHIA. Política Territorial. 2016. Disponível em: http://www.seplan.ba.gov.br/arquivos/File/politica-territorial/PUBLICACOES_TERRITORIAIS/Planos-Territoriais-de-Desenvolvimento-Sustentavel-PTDS/2018/Proposta_FINAL_do_PTDSS__Versao_140817.pdf. Acesso em: 1º abr. 2019.

SEBRAE/BA – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Estudo de Mercado Indústria: couro e calçados. 2017. Disponível em: https://m.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/BA/Anexos/Couro%20e%20cal%C3%A7ados%20na%20Bahia.pdf. Acesso em: 21 mar. 2019.

SEBRAE – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. O que é indicação geográfica. 2017. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/entenda-o-conceito-de-indicacao-geografica,5a8e438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD. Acesso em: 6 mar. 2019.

SEBRAE/MT – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. O que é indicação geográfica: Infográfico de mercado. 2018. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/MT/BIS/10-indicacao-geografica.pdf. Acesso em: 6 mar. 2019.

SEBRAE/ES – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Painel de Estratégias de valorização de produtos a partir da origem e da qualidade (SEBRAE/ES) do III Seminário Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas. 2018. Disponível em: https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2018/08/Sebrae-ES.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

SEI – SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Territórios de Identidade: Mapas Temáticos. 2013. Disponível em: http://www.sei.ba.gov.br/images/informacoes_por/territorio/indicadores_tematicos/pdf/TI_PARTICIPACAO_PIB_4V0M_2013_SEI_29112016.pdf. Acesso em: 6 abr. 2019.

SOUZA, Wesley Cerqueira. A indicação geográfica dos artefatos de couro em Ipirá/Bahia: instrumento possível de desenvolvimento territorial. 2016. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/20997. Acesso em: 6 mar. 2019.

VIEIRA, A. C. P. et al. A Indicação Geográfica como instrumento para o desenvolvimento de uma região: caso indicação de procedência do “Vales da Uva Goethe” – SC. PIDCC, Aracaju, ano III, edição n. 5, p. 407-425, fev. 2014. Disponível em: http://pidcc.com.br/artigos/052014/17052014.pdf. Acesso em: 4 abr. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i5%20Especial.31018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)