A evolução do capital intelectual do IFBA no período: 2009-2018

ZUNEIA JESUS BARROS REIS, ELIAS RAMOS DE SOUZA, NUBIA MOURA RIBEIRO

Resumo


As instituições públicas brasileiras de ensino e pesquisa têm implementado políticas de incentivo à produção do conhecimento, com especial destaque para a composição do seu capital intelectual, visando contribuir com o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico e social do país. Em particular, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, criados em 2008, têm o intuito de realizar pesquisas aplicadas, estimulando o desenvolvimento de soluções técnicas e tecnológicas, estendendo seus benefícios à comunidade. O objetivo do presente estudo é analisar a evolução da qualificação do corpo docente e possível reflexo no panorama da produção científica e tecnológica do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), no período compreendido entre 2009 a 2018. Para tanto, foi realizado um levantamento na base Web Of Science e nos relatórios de gestão do IFBA. Metodologicamente essa pesquisa é de natureza quantitativa, do tipo descritiva, efetivada por meio de um estudo de caso. Os resultados da pesquisa permitiram concluir que houve uma evolução positiva na formação do capital humano, bem como no aumento da produtividade do conhecimento científico. Entretanto, registra-se uma acentuada queda da produtividade tecnológica institucional, evidenciada, sobretudo pela diminuição de registros ou depósitos de produtos tecnológicos no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).


Palavras-chave


Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, Capital Intelectual, Produção Científica e Tecnológica.

Texto completo:

PDF

Referências


BONTIS, Nick. Assessing knowledge assets: a reiew of the models used to measure intelectual capital. International Journal of Management Reviews, v. 3, n. 1, p. 41 – 60, 2001.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 dez. 2008. Seção 1, p. 01. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Ato2007_2010/2008/ Lei/L11892.htm.Acesso em: 10 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 jan. 2016. Disponível em: http:/www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13243.htm. Acesso em: 10 fev. 2019.

EDVINSSON, Leif; MALONE, Michel S. Capital Intelectual. Tradução de Roberto Galman. São Paulo: Makron Books, 1998. Disponível em: http://capitalintelectual.egc.ufsc.br/wp-content/uploads/2016/05/1997-Edvinsson-e-Malone.pdf. Acesso em: 20 fev. 2019.

INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA. Relatório de gestão institucional 2013. Salvador, BA: IFBA, 2013. Disponível em: http://portal.ifba.edu.br/proap/transparencia-arquivos/relatorios-de-gestao-do-ifba/2013-relatorio-de-gestao-institucional.pdf/view. Acesso em: 05 jan. 2019.

INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA. Relatório de gestão institucional 2015. Salvador, BA: IFBA, 2015. Disponível em: http://portal.ifba.edu.br/proap/transparencia-arquivos/relatorios-de-gestao-do-ifba/2015-relatorio-de-gestao-institucional.pdf/view. Acesso em: 06 fev. 2019.

INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA. Relatório de gestão institucional 2016. Salvador, BA: IFBA, 2016. Disponível em: http://portal.ifba.edu.br/proap/transparencia-arquivos/relatorios-de-gestao-do-ifba/2016-relatorio-de-gestao-institucional.pdf/view. Acesso em: 06 fev. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Ranking dos Depositantes Residentes de Patentes de Invenção (PI), 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2019.

LEMOS, Alisson Ferreira de; SARAIVA, Myrella Marques. Práticas de gestão do conhecimento atreladas à aprendizagem organizacional: um estudo de caso. Revista Gestão em Foco, Amparo/SP, ed. 10, 2018. Disponível em: http://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018/06/018_PRÁTICAS_DE_GESTÃO_DO_CONHECIMENTO.pdf. Acesso em: 10 jan. 2019

NAHAPIET, J., GOSHAL, S. Social captal, intellectual capital, and the organization advantage. Academy of Management Review, v. 23, n. 2, p. 242 – 266, 1998.

PERUCCHI, Valmira; MUELLER, Suzana Pinheiro Machado. Produção de conhecimento científico e tecnológico nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: uma investigação sobre a sua natureza e aplicação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 21, n. 1, p. 134-151, jan./mar. 2016. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/2503/1716. Acesso em 10 jan. 2019.

RAMOS DE SOUZA, E.; RIBEIRO, N. M. A Produção Científica do Instituto Federal da Bahia em Revistas de Alto Impacto. In: FARTES, Vera; MOREIRA, Virlene Cardoso (Org.). Cem Anos de Educação Profissional no Brasil - História e Memória do Instituto Federal da Bahia (1909 -2009). 1a.ed.Salvador: EDUFBA, 2009. p. 125-139.

POLANYI, Michael. Personal Knowledge: towards a post-critical philosophy. London: Routledge & Kegan Paul Ltd., 1958.

POLANY, Michael. Tacit knowing: its bearing on some problems of philosophy. Reviews of Modern Physics, v. 34, n. 4, p. 601-616, 1962.

STEWART, Thomas A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i4.30469

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)