A Relação entre o Regulamento de Uso das Indicações Geográficas e o Conhecimento Tradicional: o caso do guaraná envolvendo os territórios de Maués e da Terra Indígena Andirá-Marau

Igor Schumann Seabra Martins, Alexandre Guimarães Vasconcellos

Resumo


Analisam-se neste artigo os casos relacionados à indicação de procedência “Maués” e ao pedido de registro da denominação de origem “Terra Indígena Andirá-Maraú”, ambas para guaraná, e discute-se o papel estratégico do regulamento de uso da indicação geográfica na preservação das práticas produtivas e tradições da coletividade. Utilizou-se pesquisa documental envolvendo os processos administrativos dessas indicações geográficas no INPI. Verificou-se que o regulamento de uso é estratégico para a coletividade que utiliza a indicação geográfica, pois tem relação direta com a identidade e tipicidade do produto, valorizando suas principais características e a estreita ligação com a origem geográfica. No caso da indicação de procedência “Maués”, o Consórcio dos Produtores Sateré-Mawé verificou que o regulamento de uso não teria serventia especial para preservar e valorizar as formas de produção tradicional de sua coletividade, principalmente os métodos de produção agroflorestal do guaraná, o que motivou um pedido próprio de registro de denominação de origem.


Palavras-chave


Indicação Geográfica; Conhecimento Tradicional; Guaraná

Texto completo:

PDF

Referências


BELAS, C. A. O Conceito de Patrimônio Imaterial e a Prática dos Inventários Culturais. In: BARROS, B. S. et al. (org.). Proteção aos Conhecimentos das Sociedades Tradicionais. Pará: Museu Paraense Emílio Goeldi, Centro Universitário do Pará, 2007. p. 265-280.

BERTOLDI, M. R.; SPOSATO, K. B. Instrumentos de Proteção dos Conhecimentos Tradicionais Associados à Biodiversidade. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, [S.l.], v. 12, n. 12, p. 75-93, julho-dezembro de 2012.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Lei da Propriedade Industrial Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 maio 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9279.htm. Acesso em: 28 jun. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.123, de 20 de maio de 2015. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 de maio 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13123.htm. Acesso em: 4 jul. 2018.

CERDAN, C. Indicações Geográficas e estratégias de desenvolvimento territorial. In: NIEDERLE, P. A. (org.). Indicações Geográficas: Qualidade e origem nos mercados alimentares. Rio Grande do Sul: Editora UFRGS, 2013. p. 125-150.

FÁVERO, K. C. Indicações geográficas como instrumento de proteção dos conhecimentos tradicionais. In: VIEIRA, A. C. P.; BRUCH, K. L. (org.). Indicação Geográfica, Signos Coletivos e Desenvolvimento. São Paulo: IBPI. 2015. p. 131-149.

FERNANDES, L. R. R. M. V.; PEDREIRA, R. B. A Proteção no Brasil das Indicações Geográficas nacionais no período 1997-2011. In: NIEDERLE, P. A. (org.). Indicações Geográficas: qualidade e origem nos mercados alimentares. Rio Grande do Sul: Editora UFRGS, 2013. p. 227-243.

FRICKMANN, F. S. S.; VASCONCELLOS, A. G. Awakening the biodiversity potential trough ST&I investiments in the sector of amazonian biotechlology. Journal of Technology Management & Innovation, [S.l.], Special Issue ALTEC, v. 8, 2013.

GARCÉS, C. L. L. Proteção aos Conhecimentos das Sociedades Tradicionais: Tendências e Perspectivas. In: BARROS, B. S. et al. (org.). Proteção aos Conhecimentos das Sociedades Tradicionais. Pará: Museu Paraense Emílio Goeldi, Centro Universitário do Pará. 2007. p. 71-84.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Guia básico de indicação geográfica, 2019a. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/guia-basico-de-indicacao-geografica. Acesso em: 7 ago. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Instrução Normativa n. 25, de 21 de agosto de 2013. Revista da Propriedade Industrial. Rio de Janeiro, Seção I, n. 2.230, 1º outubro 2013. Disponível em: http://revistas.inpi.gov.br/rpi/. Acesso em: 2 jul. 2018.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Instrução Normativa n. 95, de 28 de dezembro de 2018. Revista da Propriedade Industrial. Rio de Janeiro, Seção I, n. 2.504, 2 janeiro 2019b. Disponível em: http://revistas.inpi.gov.br/rpi/. Acesso em: 7 ago. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Processo Administrativo para o Reconhecimento da Denominação de Origem “Terra Indígena Andirá-Marau”. 2016.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Processo Administrativo para o Reconhecimento da Indicação de Procedência “Maués”. 2015.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Revista da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, Seção IV, n. 2.454, 16 janeiro 2018. Disponível em: http://revistas.inpi.gov.br/rpi/. Acesso em: 2 jul. 2018.

IPHAN – INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. O Iphan. 2019a. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/872. Acesso em: 5 fev. 2019.

IPHAN – INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Perguntas Frequentes sobre CTA. 2019b. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/849/. Acesso em: 5 fev. 2019.

NIEDERLE, P. A.; MASCARENHAS, G. C. C.; WILKINSON, J. Governança e Institucionalização das Indicações Geográficas no Brasil. RESR, Piracicaba, v. 55, n. 1, p. 85-102, jan.-mar. 2017.

OMPI – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL. Conhecimentos tradicionais e propriedade intelectual. Nota informativa, 2016. Disponível em: http://www.wipo.int/edocs/pubdocs/pt/wipo_pub_tk_1.pdf. Acesso em: 28 jun. 2018.

SANTILLI, J. Patrimônio Imaterial e Direitos Intelectuais Coletivos. In: BARROS, B. S. et al. (org.). Proteção aos Conhecimentos das Sociedades Tradicionais. Pará: Museu Paraense Emílio Goeldi, Centro Universitário do Pará. 2007. p. 119-138.

SILVA, A. C. B. et al. Aliança guaraná de maués: a cadeia de valor do guaraná de Maués. Manaus: IDESAM, 2018.

SOUZA, E. S. As práticas tradicionais e a introdução das inovações tecnológicas no cultivo do guaraná (Paullinia cupana var. sorbilis) junto aos produtores de Maués/AM – Brasil. 2016. 66 f. Dissertação (Mestrado em Educação Agrícola) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, 2016.

SOUZA, K.; LOCATELLI, L. Proteção Jurídica dos Conhecimentos Tradicionais pelo Instituto das Indicações Geográficas. Revista de Direito, Inovação, Propriedade Intelectual e Concorrência, Minas Gerais, v. 1, n. 2, p. 42-59, jul.-dez. 2015.

VALENTE, M. E. R. et al. Indicação Geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, Santa Maria, v. 42, n. 3, p. 551-558, mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cr/v42n3/a7712cr5407.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

VALENTE, M. E. R.; PEREZ, R.; FERNANDES, L. R. R. M. V. O processo de reconhecimento das indicações geográficas de alimentos e bebidas brasileiras: regulamento de uso, delimitação da área e diferenciação do produto. Ciência Rural, Santa Maria, v. 43, n. 7, p. 1.330-1.336, jul. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cr/v43n7/a18113cr2012-0405.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v13i1.29829

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)