PROPOSTA DE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL PARA UMA ACELERADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA

AMÉRICO LEONARDO DE CARLOS BIFF, MARCELO FARID PEREIRA

Resumo


As aceleradoras são organizações focadas na alavancagem de empresas de base tecnológica, principalmente negócios escalonáveis. Porém há pouco referencial quanto a sua estruturação e hierarquia. A razão dessa escassez se dá por serem organizações recentes, a primeira surgiu nos Estado Unidos em 2005, no Brasil somente em 2008. Desse modo o presente estudo teve por objetivo desenvolver uma proposta de estrutura organizacional para uma aceleradora de empresas de base tecnológica. A metodologia adotada foi a pesquisa referencial bibliográfica acerca de assuntos chaves, como: habitats de inovação; modelos de estruturas organizacionais. Afim de compor o conhecimento necessário para confecção da proposta da estrutura organizacional. O resultado foi a proposta de estrutura organizacional para uma aceleradora de empresas de base tecnológica, com base no modelo de estrutura organizacional em equipe. O modelo proposto servirá de base orientativa para estruturação de novas aceleradoras, ou mesmo adequação das já existentes.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA, J. D. A importância de uma aceleradora para uma startup. 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2017.

ANPROTEC. Anprotec e Abraii consolidam fusão. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2017.

ANPROTEC. O QUE É UMA ACELERADORA?. 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2017.

ARANHA, J. A. S. Mecanismos de geração de empreendimentos inovadores [Recurso eletrônico on-line]: mudança na organização e na dinâmica dos ambientes e o surgimento de novos atores. – Brasília, DF: ANPROTEC, Série Tendências, 2016. 28 p. Disponível em: . Acesso em 15 jun. 2017.

BUSCHMANN, A.; MEYER, B.; SCHEWE, G. Factor State In Innovative Ecosystems: A Comparison Between Brazil and Germany. International Journal of Innovation, v. 4, n. 2, p. 198-207, 2016. Disponível em: . Acesso em 03 mai. 2018.

CARNEIRO, M. R.; FULANI, T. Z.; DA COSTA, E. M. Práticas e mecanismos de compartilhamento de conhecimento em um programa de aceleração de STARTUPS. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, v. 7, n. 2, p. 113-123, 2017. Disponível em: . Acesso em 14 jun. 2017.

CBO – Classificação Brasileira de Ocupações: CBO – 2010 – 3ª ed. Brasília: MTE, SPPE, 2010.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia cientifica. – 6. ed. – São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CHIAVENATO, I. Comportamento organizacional. 2. ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. – 9. ed. rev. e atual. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA – CNI. Pequenas e médias empresas inovadoras e STARTUPS. Confederação Nacional da Indústria, Instituto Euvaldo Lodi. – Brasília: CNI, 2016. 86 p.: il. Disponível em: . Acesso em 25 jun. 2017.

DEPINÉ, A.; TEIXEIRA, C. S. Habitats de inovação: conceito e prática / Ágatha Depiné; Clarissa Stefani Teixeira, organizadoras – São Paulo: Perse. 294p. v.1: il. 2018. Disponível em: . Acesso em 21 jun. 2018.

ETZKOWITZ, H.; ZHOU, C. Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, v. 31, n. 90, p. 23-48, 2017. Disponível em: . Acesso em 08 jun. 2018.

FLOR, C. S. et al. As aceleradoras brasileiras: levantamento para identificação do foco, atuação e distribuição territorial. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, v. 3, n. 2, p. 77-96, 2018. Disponível em: ou . Acesso em: 25 mai. 2017.

FLÔR, C. S.; TEIXEIRA, C. S. Caracterização das aceleradoras do Estado de Santa Catarina. In: Anais: 1º Congresso Nacional de Inovação e Tecnologia. São Bento do Sul, SC. 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2017.

GOMES, E. M.; MORGADO, A. Compêndio de administração: Administração Pública e Privada de A a Z. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. 434 p.

HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. E. Administração estratégica: competitividade e globalização. [Tradução All Tasks]. 5. reimpr. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

LACOMBE, F. J. M.; HEILBORN, G. L. J. Administração: princípios e tendências. – 2. ed. rev. e atualizada. – São Paulo: Saraiva, 2008.

LARA, A. P. Um modelo conceitual para apoiar atividades de corporate venture capital e geração de novos negócios inovadores por meio de programas de aceleração corporativa. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento – ECG. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2017. 209 p. Disponível em: . Acesso em 22 jun. 2018.

MATTOS, J. R. L. de; GUIMARÃES, L. dos S. Gestão da tecnologia e inovação: uma abordagem prática. – 2. ed. – 3. tiragem 2014 – São Paulo: Saraiva, 2012.

OLIVEIRA, J. S. Habitats de inovação. 2015. 26 f. Trabalho de Conclusão de Curso. Jornalismo - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Disponível em:. Acesso em: 31 mai. 2017.

PERONI, B. O Futuro das Aceleradoras (se é que tem um). 30 de março de 2016. Disponível em . Acesso em: 13 de maio de 2017.

PERONI, B. O.; OLIVEIRA, I. C. Cartilhas de capital empreendedor: aceleradoras de negócios. Bruno Oliva Peroni, Igor Czermainski de Oliveira. – Brasília: Sebrae, 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2017.

PIETROSKI, E. F. et al. Habitats de inovação tecnológica. In: Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte de Educação Tecnológica. 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2017.

SARTORI, V. In Hab-Read-IHR: Metodologia de leitura de entorno para habitats de inovação. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento – ECG. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2017. 489 p. Disponível em: . Acesso em 07 nov. 2017.

SCHERMERHORN JR., J. R. Administração. Tradução Mário Persona. – Rio de Janeiro: LTC, 2007.

SEBRAE- Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Entenda a diferença entre incubadora e aceleradora. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

SPINOSA, L. M.; SCHLEMM, M. M.; REIS, R. S. Brazilian innovation ecosystems in perspective: some challenges for stakeholders. Revista Brasileira de Estratégia, v. 8, n. 3, p. 386, 2015. Disponível em: . Acesso em 07 mai. 2018.

VASCONCELLOS, E.; HEMSLEY, J. R. Estrutura das Organizações: estruturas tradicionais, estruturas para inovação, estrutura matricial. 5. reimpr. 4. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i2.27336

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)