MAPEAMENTO TECNOLÓGICO E CIENTÍFICO DE NOVAS COMPOSIÇÕES INIBIDORAS DE CORROSÃO

Williams Raphael Morais, Jaceguai Soares da Silva, Gleybhson Felipe dos Santos Alves, Karolina Bertulino da Silva, Carmem Lúcia De Paiva E Silva Zanta, Josealdo Tonholo

Resumo


A corrosão pode ser definida como sendo a deterioração que ocorre quando um material (normalmente um metal) reage com seu ambiente, levando à perda de suas propriedades. Processos corrosivos causam grandes problemas nas mais variadas atividades, como por exemplo, nas indústrias química e petrolífera, nos meios de transportes e de comunicação, na odontologia, na medicina e em obras de arte como monumentos e esculturas. Nesse intuito, o presente artigo objetivou realizar um levantamento dos tipos de inibidores de corrosão, as suas aplicabilidades, principais substâncias e/ou materiais aplicados com essa finalidade. Assim, foram efetuadas buscas em bases de natureza tecnológica e em bases de produção científica. Em relação à classificação internacional, International Patent Classification (IPC), foram recuperados 20 códigos distintos. O estudo realizado mostrou que os estudos sobre inibidores de corrosão têm crescido com o passar dos anos, principalmente nos últimos 10 anos.


Palavras-chave


Corrosão; Inibidor; Aço.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDAL, E.; Corrosion and Protection, 1a. ed., Springer-Verlag: London, 2003.

CRAIG, J. R.; O'CONNER, D. S.; AHLSKOG, J. J. Economic of Bridge Deck. Protection Methods Malerials Performance, p. 32-4, 1982.

GENTIL, V. Corrosão, 6 ed., Rio de janeiro, ED. LTC, 2011. 584p.

INPI. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Classificação de patentes. 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. PIB recua 3,6% em 2016 e fecha ano em R$ 6,3 trilhões. Disponível em: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias.html?view=noticia&id=1&idnoticia=3384&busca=1&t=pib-recua-3-6-2016-fecha-ano-r-trilhões. Acesso em: 10 mai. 2017.

LATIPAT, via European Patent Office (ESPACENET). 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

MARTINS, J. I. F. P. A CORROSÃO: a outra perspectiva de abordagem. Corros. Prot. Mater., v. 31, n. 2/4, p.59, 2012.

MEDEIROS, M. H. F.; MONTEIRO, E. B.; CARNEIRO, F. P.; JR BARKOKÉBAS, B. Utilização do nitrito de sódio como inibidor de corrosão em estruturas de concreto armado sujeitas a ação dos íons cloretos. Revista Engenharia Civil (Universidade do Minho), v. 15, p. 19-28, 2002.

NUNES, L. P.; LOBO, A. C. O. Pintura industrial na proteção anticorrosiva. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1990.

PATENT INSPIRATION. 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2018.

POPOOLA, L. T.; ALHAJI, S. G.; LATINWO, G.; GUTTI, B.; BALOGUN, A. S. Corrosion problems during oil and gas production and its mitigation. International Journal of Industrial Chemistry, v. 2013, 15 p., 2013.

RANI, B. E. A.; BASU, B. B. J.; Green inhibitors for corrosion protection of metals and alloys: Na Overview. International Journal of Corrosion, v. 2012, p. 1-15, 2012.

SASTRI, V. S. Green Corrosion Inhibitors: Theory and Practice. 1 ed. Wiley, 2011. 328 p.

SCIELO. 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

SCOPUS. 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

VALLIAPAN, M. Our “Iron Pillar” Way to Resolve Corrosion Management. Chemical Engineering World, v. 64, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i5.27327

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)