PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA SOBRE A UTILIZAÇÃO DO STRYPHNODENDRON ADSTRINGENS (MART.) COVILLE (BARBATIMÃO)

Cristiane Araujo Nascimento, Tatiane Luciano Balliano, Denise Macêdo Silva, Renan Macêdo Silva, Karol Fireman Farias, Guilherme Benjamin Brandão Pitta

Resumo


O Stryphnodendron Adstringens (MART.) Coville é uma planta medicinal, popularmente conhecida como barbatimão e amplamente valorizada por suas propriedades medicinais devido a alta quantidade de taninos, assim como, de outros constituintes químicos. O presente trabalho teve por objetivo realizar uma prospecção tecnológica sobre a utilização do Stryphnodendron Adstringens (MART.) Coville (barbatimão). As buscas de patentes foram realizadas nos bancos de dados do INPI, EPO, USPTO e WIPO. Foram analisadas 18 patentes, das quais 88,8% eram pertencentes a seção A (IPC), referente as necessidades humanas. Os anos de 2003, 2006 e 2010 apresentaram o maior número de registros. O Brasil apresentou-se como o maior detentor de depósitos de patentes com 94,45% dos documentos. A partir do mapeamento tecnológico realizado neste estudo, foi possível observar que a presente espécie se apresenta como um favorável seguimento de mercado, principalmente, do ponto de vista farmacológico.


Texto completo:

PDF

Referências


BORGES FILHO, H. C.; FELFILI, J. M. Avaliação dos níveis de extrativismo da casca de barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville] no Distrito Federal, Brasil. Rev. Árvore, 2003, vol.27, n.5, pp.735-745.

BOCCHINO, L. O. et al. Propriedade Intelectual conceitos e procedimentos. Brasília: Advocacia-Geral da União, 2010. 316 p.

BRANDÃO, M. G. L.; COSENZA, G. P.; GRAEL, C. F. F.; NETTO JUNIOR, N. L.; MONTE-MÓR, R. L. M. Traditional uses of American plant species from the 1st edition of Brazilian Official Pharmacopoeia. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2009; 19(2):478-87.

ESPACENET [Base de dados – Internet]. European Patent Office; 2018. Disponível em: Acesso em 13 maio de 2018.

FERREIRA, E. C.; SILVA, J. L. L. As propriedades medicinais e bioquímicas da planta Stryphnodendron Adstringens “barbatimão”. Biológicas & Saúde, [S.l.], v. 3, n. 11, dez. 2013.

FIGUEREDO, C. A.; GURGEL, I. G. D.; GURGEL JUNIOR, G. D. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 381-400, 2014.

INPI [Base de dados – Internet]. Instituto Nacional da Propriedade Industrial; 2018. Disponível em: Acesso em 14 maio de 2018.

LIMA, C. R. O.; SOUZA, L. A.; HELOU, J. B.; ALMEIDA e SILVA, J.; CAETANO, L. B. Caracterização dos metabólitos secundários do barbatimão. Manual do Barbatimão. Goiânia: Kelps, 2010. cap.7, p.61-68.

LOPES, G. C. et al. Determinação quantitativa de taninos em três espécies de Stryphnodendron por cromatografia líquida de alta eficiência. Braz. J. Pharm. Sci., São Paulo , v. 45, n. 1, p. 135-143, Mar. 2009.

LOPES, G. C. et al. Influence of extracts of Stryphnodendron polyphyllum Mart. And Stryphnodendron obovatum Benth on the cicatrisation of cutaneous wounds in rats. J. Ethnophamacol. 2005. 99: 265-272;

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil - Nativas e Exóticas. Nova Odessa (SP): Instituto Plantarum, 2008. 544 p.

MACEDO, F. M. et al. Triagem Fitoquímica do Barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart) Coville]. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1166-1168 jul. 2007.

MELLO, J. C. P.; PETEREIT, F.; NAHRSTEDT, A. Prorobinetinidins from Stryphnodendron adstringens. Phytochemistry, Oxford, v. 42, n. 3, p. 857-862 (6), jun. 1996.

SANTOS, S. C. et al. Tannin composition of barbatimão species. Fitoterapia, Amsterdan, v. 73, p. 292-299, 2002.

SANTOS, P. V.; SEBASTIANI, R. Plantas medicinais utilizadas por uma comunidade universitária no Município de São Paulo, SP. Revista do Instituto de Ciências da Saúde, São Paulo, 2011; 29(1): 11-5.

SILVA, M.D.P.; MARINI, F.S.; MELO, R.S. Levantamento de plantas medicinais cultivadas no município de Solânea, agreste paraibano: reconhecimento e valorização do saber tradicional. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v.17, n.4, supl. II, p.881-890, 2015.

TAKARNIA, C. H.; DOBEREINER, J.; PEIXOTO, P. V. Plantas Tóxicas do Brasil. Rio de Janeiro: HELIANTHUS, 2000. 320 p.

USPTO [Base de dados – Internet]. United States Patent and Trademark Office's; 2018. Disponível em: Acesso em 143 maio de 2018.

WIPO [Base de dados – Internet]. World Intellectual Property Organization; 2018. Disponível em: Acesso em 14 maio de 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i2.27311

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)