INOVAÇÕES DESENVOLVIDAS EM UNIVERSIDADES - A TRÍPLICE HÉLICE ATUANDO NO MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE COMBUSTÍVEIS

Sthefania Fernandes Silva, Lenise Souza Cardoso de Andrade, Alysson Ferreira da Silva, Carlos Alexandre Camargo de Abreu

Resumo


A busca incessante do setor produtivo por inovações tem intensificado a procura por novas formas de gerar tecnologia, encontrando nas pesquisas realizadas nas universidades e centros de pesquisa um meio perspicaz de atingir esse objetivo. Essa necessidade fez a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis buscar métodos mais eficientes para realização das análises de conformidade de combustíveis e por isso, existem várias pesquisas e estudos voltados para essa área. Diante disso, partindo da análise do conceito tríplice hélice, das relações universidade-empresa e exemplos do transbordamento da produção científica bem sucedidas nas universidades do Brasil e do mundo, esse artigo analisa a importância do estímulo à inovação e economia do mercado de combustíveis brasileiro a partir do transbordamento de pesquisas científicas que visam o desenvolvimento e aperfeiçoamento do métodos analíticos de combustíveis.


Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Lei do petróleo completa 20 anos. 2017. Disponível em: . Acesso: 03 abr. 2018.

ARRUDA; A. Empresa graduada na Incamp lança tecnologia no InovaCampinas. Portal Unicamp. 13 jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2018.

BALDINI, J. P. e BORGONHONI, P. As relações universidade-empresa no Brasil: surgimento e tipologias. In: CADERNO DE ADMINISTRAÇÃO. V. 15, N.2, p. 29-38, JUL/DEZ. 2007.

D’AVILA; J. C., BILESSIMO; S. M. S., TRIERWEILLER; A. C., ESTEVES; P. C. L., SILVA; S. M. In:VII CIKI – Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação, setembro/2017, Foz do Iguaçu/PR. A TRÍPLICE HÉLICE COMO FATOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SOB A ÓTICA DE ESPECIALISTAS.

ERENO; D. Conhecimento no mercado, empresas recorrem a universidades para lançar produtos

mais competitivos. Revista Pesquisa FAPESP. Edição 209, jul. 2013.

ETZKOWITZ; H, ZHOU; C. Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. [S1]: Artigo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

GARCIA, M. Os obstáculos para a inovação no Brasil. GGN O jornal de todos os Brasis, Brasil, abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2018.

GIRARDI; B. A., OLIVA; A. M., ANDRADE; A. R. GIRARDI; B. O. O Desenvolvimento de Inovações através da Interação Universidade-indústria e os Resultados Positivos Dessa Parceria. In: XI Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia – SEGeT, 2014.

GUBIANI, J. Modelo para diagnosticar a influência do capital intelectual no potencial de inovação nas universidades. 2011. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2011.

GUERRA; P. V., GOMES; D. T, CHENG; L. C. Universidade Empreendedora: o caso do Programa de Incentivo à Inovação. 2011. In: XXXV encontro da ANPAD - ENANPAD 2011.

INTERNATIONAL INSTITUTE FOR MANAGEMENT DEVELOPMENT) E FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC). Relatório de Análise de Competitividade 2018: Sem as reformas necessárias, Brasil se mantém entre os países menos competitivos do mundo. Nova Lima - Mg: International Institute For Management Development, 2018. 11 p. Disponível em: . Acesso: 28 mai. 2018

LIMA, Alexandre de Souza. O Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis - PMQC. 5. ed. Rio de Janeiro: Centro de Documentação e Informação da ANP, 2012.

MELO; D. R. A. Relação universidade-empresa no Brasil: o papel da academia em redes de coinvenção. Tese (Doutorado em administração), Universidade Federal da Bahia, UFBa, Salvador, 2012.

MENDES, G. Detecção de adulterações em gasolina e previsão de parâmetros físico-químicos a partir de curvas de destilação associadas a ferramentas quimiométricas. 2012. Tese (Doutorado Ciências - Química.). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, 2012.

PEREIRA, J; KRUGLIANSKAS, I. Gestão de inovação: a lei de inovação tecnológica como ferramenta de apoio às políticas industrial e tecnológica do Brasil. [S.1]: Artigo, 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2018.

SANCHES, E. A.; BARBALHO, S. C. M. Lei do bem no Brasil: Evolução Histórica, efeitos e o futuro. [S.1]: Artigo, 2016. Disponível em: .Acesso em: 30 mai. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i2.27295

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)