PROPRIEDADE INDUSTRIAL EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE DOS DEPÓSITO DE MARCAS EM ALAGOAS

Andreia RodriguesFerreira Baro, José Francisco Oliveira de Amorim

Resumo


Neste artigo propõe-se mostrar os aspectos relevantes acerca do registro de marcas no Brasil e, em especial, o panorama alagoano. O objetivo central deste é analisar os dados que permeiam os pedidos de registro de marca no estado de Alagoas e questões sobre competitividade das organizações e o papel fundamental da marca para o desenvolvimento da empresa e do ambiente em que ela está inserida. Para desenvolvimento da pesquisa foram utilizados como materiais dos mais diversos tipos, tais como relatórios estatísticos, manuais de procedimentos, textos legais e obras voltadas ao tema, após a análise da conjuntura nacional e regional, realizou-se análise dos mesmos com a finalidade de demonstrar os aspectos acima mencionados. Ao fim, torna-se perceptível o avanço na proteção de marcas em Alagoas, dado os investimentos e ações do mercado, tornando clara a ideia de competitividade, onde a marca é utilizada como parâmetro fundamental acima da simples proteção.

.

 

Palavras-chave: Marca. Propriedade Industrial. Alagoas.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE MARKETING (American Marketing Association – AMA). Disponível em: https://www.ama.org/AboutAMA/Pages/Definition-of-Marketing.aspx Acesso em 01 de junho de 2018.

BRASIL. LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. LEI DA PROPRIEDADE INTELECTUAL (LPI) - Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Brasília, DF, Maio, 1996. Disponível em: . Acesso em: 18 de junho de 2018.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v.1

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE: Número de empresas e outras organizações - Unidades (2006 – 2016). Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/comercio/9016-estatisticas-do-cadastro-central-de-empresas.html?=&t=series-historicas Acesso em 01 de julho de 2018.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA.. Produto Interno Bruto dos Municípios. 2015. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/por-cidade-estado-estatisticas.html?t=destaques&c=2700300 Acesso em: 10 de junho de 2018.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Indicadores de Propriedade Industrial (2000-2012). Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/sobre/estatisticas/arquivos/publicacoes/indicadores-de-propriedade-industrial-2000_2012.pdf/view Acesso em 26 de junho de 2018.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL .Manual De Marcas. 2ª edição, 2017. INPI – Disponível em: http://manualdemarcas.inpi.gov.br/projects/manual/wiki/PDF Acesso em: 06 de junho de 2018.

KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing: a bíblia do marketing. Tradução Mônica Rosenberg. São Paulo: Pearson, 2006.

LINDSTROM, Martin. Brand sense: a marca multissensorial. Tradução Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Bookman, 2007

MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de Marketing – Uma orientação aplicada. Editora: Bookman. São Paulo: SP, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i1.27280

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)