INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS: AGREGAÇÃO DE VALOR DA RENDA DE BILRO DE SAUBARA

Valdir Silva Conceição, Angela Machado Rocha

Resumo


O objetivo é analisar a possibilidade de geração de valor da renda de bilro de Saubara através do registro de Indicação Geográfica (IG), verificando a evolução da importância dada ao tema, assim como debater a importância fundamental e estratégica da IG como um dos instrumentos geradores de valor e os seus aspectos mercadológicos, o que proporciona um diferencial competitivo para o produto no mercado nacional e internacional. A implantação de uma IG valoriza o produto e/ou serviço, o patrimônio cultural, o território, a diversidade, a identidade e a tradição da cultura local, a propriedade intelectual e a ancestralidade com o saber-fazer, padroniza o produto, garante a qualidade, capacita a mão de obra entre outros benefícios para a comunidade. A pesquisa vai ser do tipo empírico e de caráter qualitativo, utilizando como método a pesquisa bibliográfica, a revisão da literatura sobre a renda de bilro, o município de Saubara e a IG e os benefícios agregados advindos do registro de uma IG para as rendeiras e para o território no qual se encontra inserido.

Palavras-chave


Renda de Bilro; Saubara; Indicação Geográfica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBINO, J.; CARLS, S. Indicações Geográficas de serviços: polêmicas do porto digital. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 3, p. 587-594, jul./set. 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2018.

AMORIM, M. C. Arte Brasil: Maria do Carmo Amorim. 2010. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=VZim0fH5Ioo. Acesso em: 10 mar. 2018.

BARROS, J. S. Ponto de Cultura: Saubara em Movimento. Catálogo. Bahia, 78 p. Disponível em: . Acesso em 10 fev. 2018.

BRASIL. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Instrução Normativa n. 25, 21 de agosto de 2013. Estabelece as condições para o registro das indicações geográficas. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2018.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em 02 jun. 2018.

______. Lei nº 9.279, 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2018.

______. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Guia para a solicitação de registro de indicação geográfica para produtos agropecuários. 2008. Disponível em: . Acesso em 29 jun. 2018.

______. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Portaria SCS/MDIC nº 29, 05 de outubro de 2010. Estabelece a base conceitual do artesanato brasileiro para padronizar e estabelecer os parâmetros de atuação do Programa de Artesanato Brasileiro – PAB em todo o território nacional. Secretaria de Comércio e Serviços. MDIC. Diário Oficial da União, n. 192, seção 1, 06 de out. 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

BRUSSI, J. D. E. Da “renda roubada” à renda exportada: a produção e a comercialização da renda de bilros em dois contextos cearenses. 2009. 145 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Universidade Brasília, Brasília, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2018.

CALDAS, F. Artesãos de Maragogipinho e Saubara vão buscar selo de qualidade para seus produtos com apoio da UFBA e governo estadual. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2018

CERDAN, C. M. T. et al. Indicação geográfica de produtos agropecuários: importância histórica e atual. In: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; organização Luiz Otávio Pimentel – 4ª ed. – Florianópolis: MAPA, Florianópolis: FUNJAB, 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

DUPIM, L. C. O. Indicações Geográficas. 2012. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2018.

JESUS, R. S.; PROST, C. Importância da atividade artesanal de mariscagem para as populações nos municípios de Madre de Deus e Saubara, Bahia. GEOSUP – Espaço e Tempo, São Paulo; n. 30, p. 123-137, 2011. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

LEAHY, R. C. Flor da Maré: a (re)configuração da renda de bilros por Márcia Ganem. 2012. 151 f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade). Universidade Federal da Bahia – UFBA. Salvador, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2018.

MARANHÃO, C. J. de A. Indicação Geográfica: Possibilidades do queijo colonial produzido a partir do leite cru na região de Chapecó/SC. 2015, 113 f. Dissertação (Mestrado Administração) – Universidade do Oeste de Santa Catarina, Chapecó, 2015. Disponível em:< http://www.unoesc.edu.br/images/uploads/mestrado/Charlson_Maranhao.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2018.

NASCIMENTO, J. S. et al. Indicações Geográficas: agregação de valor aos produtos brasileiros e maranhenses. Revista GEINTEC. São Cristóvão; v. 2, n. 4, p.353-364, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2018.

OMPI - Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI). DL 101P BR - Geographical Indications-IG-4Va. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2018.

REZENDE, A. A. et al. Considerações sobre as potenciais indicações geográficas do Sudoeste da Bahia. Revista de Política Agrícola. Brasília – DF, ano XXIV, n. 4, p. 18-31, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

SILVA, D. B. P. Educação, resistências e tradição oral: a transmissão de saberes pela oralidade de matriz africana nas culturas populares, povos e comunidades tradicionais. 2017. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade de Brasília, UNB, Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2018.

VALENTE, A. M. Estudo da potencialidade de registro de indicação geográfica a produção de cacau no município de Medicilândia/PA. 2012, 120 f. Dissertação (Mestrado em Gestão dos Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

VELLOSO, C. Q.. Indicação geográfica e desenvolvimento territorial sustentável: a atuação dos atores sociais nas dinâmicas de desenvolvimento territorial a partir da ligação do produto ao território (um estudo de caso em Urussanga, SC). 2008, 168 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) Centro de Ciências Agrárias – Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i1.27251

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)