TENDÊNCIAS NO MERCADO EM TECNOLOGIAS PARA ERRADICAÇÃO DO AEDES AEGYPTI, SOB ENFOQUE DE PATENTE

Janio Rodrigo Santos, Carlos Augusto de Jesus, Paulo José Lima Juiz

Resumo


As arboviroses transmitidas pelo Aedes aegypti tem se constituído um grande obstáculo para a saúde pública no mundo. Assim, o presente artigo objetiva identificar tendências de mercado e previsão de novas tecnologias para controle ou erradicação do Aedes aegypti, e para alcançar essa premissa, a prospecção foi realizada na base de dados do Orbit Intelligence, cuja palavra chave: “Aedes aegypti”, deveria estar no titulo e resumo, mapeando noventa e oito patentes ativas, com sessenta e três publicações entre 2011 a 2015, cujos responsáveis variam entre instituições privadas e Universidades, e as tecnologias pertencentes às sessões Y, A, C da classificação CPC. No decurso da prospecção, ficou evidente que o mercado está priorizando a substituição do controle químico tradicional por tecnologias menos agressivas e que o Brasil é um potencial polo consumidor.

 UPRO


Referências


ALLAN, A..S & KLINE, D.L. 1995. Evaluation of organic infusions and synthetic compounds mediating oviposition in Aedes albopictus and Aedes aegypti (Diptera: Culicidae). J Chem Ecol. Ed. 21, p. 1847-1860.

BATES, M. 1949. The natural History of Mosquitoes. New York: The Macmillan

BERNIER, U.R.; KLINE, D.l.; POSEY, K.H.; BOOTH, M.M.; YOST, R.A. & BARNARD, D.R. 2003. Synergistic attraction of aedes aegypti (l.) tobinary blends of l-lacticacid and acetone, dichloromethane, ordimethyldisulfide. Journal of medical entomology. Ed.40, p. 53-65

BRAGA, I.A.; VALLE, D. 2007. Aedes aegypti: inseticidas, mecanismos de ação e resistência. Epidemiol. Serv. Saúde, vol 16, p.279-293.

CHRISTOPHERS, S. 1960. Aedes aegypti (L.) The yellow fever mosquito. Its life history, bionomics and structure.. Cambridge, UK: The University Press; 739 p.

Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde Pública. Disponível em: http://www.moscamed.org.br/20, 12/projeto-aedes/1/1Acesso em: 20/02/2017.

Company. V, p. 379.

CONSOLI, R.A.G.B. & LOURENÇO-DE-OLIVEIRA, R. 1994. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Rio de Janeiro, Fiocruz. p. 228.

COSTA, J.G.M.; RODRIGUES, ANGÉLICO F.F.G.; SILVA, E.C. M.R,; MOTA M.L.; SANTOS, N.K.A.; CARDOSO, A.L.H.; LEMOS T.L.G. 2005. Estudo químico-biológico dos óleos essenciais de Hyptismartiusii, Lippiasidoidese Syzigium aromaticumfrente às larvas do Aedes aegypti. Revista Brasileira de Farmacognosia, ed.15, p, 304-309.

CRUZ, C. A. B.; SILVA, A. L.; MENESES T. S C.; RIBEIRO, M.J. B.; SANTOS. M. J. C. 2016. Inovações produzidas na região norte: um mapeamento da propriedade intelectual através do instituto nacional de propriedade industrial (INPI). Revista GEINTEC. ed. 6, p.3515-3526.

DICKEL, D.G.; SILVEIRA, O.F.; SILVEIRA, J.C.M.; JAHN, S.L. 2015. A gestão tecnológica como diferencial competitivo no mercado cervejeiro: prospecção tecnológica aplicada a cervejas com baixo teor calórico – light. Revista GEINTEC, ed. 5, p. 2082-2093

EDMAN, J.D.; SCOTT, T.W.; COSTERO, A.; MORRISON, A.C.; HARRINGTON, L. C,; CLARK, G. G. 1998. Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) movement influenced by availability of oviposition sites. J Med Entomol; ed.35. p. 578-583.

FURTADO, R.F.; LIMA, M. G.A, NETO, M. A,; . BEZERRA, J. N.S,; SILVA, M. G. V. 2005. Atividade Larvicida de Óleos Essenciais Contra A2edes aegypti L. (Diptera: Culicidae). Neotropical Entomologyvol ed.34, p. 843-847

HARRINGTON, L.C, EDMAN, JD, SCOTT, TW. Why do female sAedes aegypti (Diptera: Culicidae) feed preferentially and frequentlyon human blood. J. Med. Entomol. 2001; ed. 38: p. 411-422.

KUPFER, D. A.; TIGRE, P. B. 2004 Modelo SENAI de Prospecção: Documento Metodológico. Prospecção Tecnológica”. Montevideo. Oit/Cinterfor.

LIMA, Camara TN. Arboviroses emergentes e novos desafios para a saúde pública no Brasil. Ver. Saúde Pública. 2016:50:36. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v50/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872016050006791.pdf. Acessado em: 28 de junho de 2018.

MELO-SANTOS, Maria Alice V. Aedes aegypti (diptera:culicidae): estudos populacionais e estratégias integradas para controle vetorial em municípios da região metropolitana do recife, no período de 2001 a 2007. 2008. Dissertação (Doutorado em Saúde Pública) - Centro de Pesquisas Aggeu, Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz. Pernambuco.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para a prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Ministério da Saúde; Fundação Nacional de Saúde. Dengue: instruções para pessoal de combate ao vetor: manual de normas técnicas 3 ed. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, Ministério da Saúde; 2015

Ministério da Saúde; Fundação Nacional de Saúde. Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD). Brasilia: Ministério da Saúde; 2002.

Ministério da saúde; Secretaria de vigilância em saúde – boletim epidemiológico. Disponível: http://portalms.saude.gov.br/boletins-epidemiologicos. Acessado em 28 de junho de 2018.

OLIVEIRA, M. M. M.; QUENTAL, C. M. 2012. A prospecção tecnológica como ferramenta de planejamento estratégico para a construção do futuro do Instituto Oswaldo Cruz. R. Inova. Saúde, ed. 6, p.50-61.

ORBIT INTELLIGENCE, Questel Orbit, inc 1970 Disponível em: https://www32.orbit. com/?locale=en&ticket=ae6805c2-076c-4e8e-b089-a08da9d4e557&embedded=false#Patent RegularAdvancedSearchPage. Acessado em: 09 de junho de 2018.

PINHEIRO, F. P.; CORBER, S. J. 1997. Global Situationof Dengue and dengue Haemorrhagicfever, and its Emergence in the Americas. World Health Statistics Quarterly Rapport Trimestriel de statistiquesanitaires Mondiales, Geneve, ed.50. p. 161-169.

REITER, P. 2007. Oviposition, dispersal, and survival in Aedes aegypti: Implications for the efficacy of controls strategies. Vector Borne ZoonoticDis. ed 7. P. 261- 273.

RESENDE, M.C.; SILVA, I.M.; EIRAS, A.E. 2010. Avaliação da operacionalidade da armadilha MosquiTRAP no monitoramento de Aedes aegypti. Epidemiol. Serv. Saúde, vol. 19, p. 329-338

RUSSELL, P. K. D. et al.1969. Mosquito vectorsof dengue viruses in South vietnam. American Journalof Tropical Medicine andHygiene, Baltimore, ed, p. 455-459.

SEIBOTH, T. R.; SERVAT, M. E.; JHAN, S.L.; GODOY, L. P.; POLACINSKI, E. 2014. Mapeamento tecnológico do etanol de sorgo e tecnologias correlatas sob o enfoque dos pedidos de patentes. 4 Semana internacional de engenharia. Horizontina. Rio grande do sul.

SILVA, J.S.; MARIANO, Z.F.; SCOPEL, I. A dengue no Brasil e as políticas de combate ao Aedes aegypti: da tentativa de erradicação as políticas de controle. Hygeia 3(6): pg.163-175, Jun/2008.

ZAHIRI, N. & MANFRED, E. 1998. Oviposition attraction and repellency of Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) to waters from conspecific larvae subject to crowding, confinement, starvation, orinfection.. J MedEntomol; ed, 35. p.782-787.

ZARA, A. L. S.; SANTOS, S. M.; OLIVEIRA, E. S. F.; CARVALHO, R. G.; COELHO, G. E. 2016. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiol. Serv. Saúde ,ed. 25, p.391-404.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v11i0.27232

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)