DISSEMINAÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO ESTRATÉGIA PARA POLÍTICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: O CASO DO SISTEMA PERNAMBUCANO DE INOVAÇÃO (SPIn)

Eduardo Andrade Bemfica, ANDRÉ MARQUES CAVALCANTI

Resumo


A disseminação do conhecimento em Propriedade Intelectual (PI) entre todos os atores que compõem o Sistema Regional de Inovação (SRI) é essencial para a promoção de uma cultura dentro dos negócios inovadores. Este trabalho busca propor ações de disseminação do conhecimento em PI para as instituições que compõem o Sistema Pernambucano de Inovação (SPIn) mapeadas no documento Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação para Pernambuco 2017 – 2022 (ECT&I-PE). A metodologia utilizada foi uma abordagem qualitativa, de caráter descritivo, considerando as dimensões dos sistemas regionais de inovação discutidas por Souza Júnior (2014): científica, tecnológica, intermediação, capacitação e gestão empresarial, financiamento e governança, agrupando-se às instituições do SPIn dentro de cada uma das dimensões. Como resultado, foram realinhados aos seis eixos estratégicos do documento que nortearam as propostas para o fomento de políticas públicas destinadas à inovação por meio da disseminação do conhecimento em PI junto ao SPIn. 


Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM-BORHER, M. B. O management do intangível. Revista Propriedade e Ética, ano

, n. 2, mar./abr. 2008.

AMORIM-BORHER, M. B., ÁVILA, J.; CASTRO, A. C.; CHAMAS, C. I.; PAULINO, S. Ensino e pesquisa em propriedade intelectual no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, v. 6,n. 2, p.281-310, jul./dez. 2007.

AUTIO, E. Evaluation of RTD in regional systems of innovation. European Planning Studies, v. 6, n. 2, pp. 131-140, 1998.

BARBOSA, D. B. Uma introdução à propriedade intelectual - Patentes. Rio de Janeiro, Ed. Lumen Juris, 2010.

BOLETIM DE INDICADORES DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO – ATIVIDADES DE PATENTEAMENTO NO BRASIL E NO ESTADO DE PERNAMBUCO. Disponível em: http://www.secti.pe.gov.br/wp-content/uploads/2016/03/Boletim_Patentes.pdf > Acesso em: 07 de dezembro de 2017.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Sistemas de Inovação e Desenvolvimento: as implicações de Política. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, pp. 34-45, 2005.

CASSIOLATO, J.E., ZUCOLOTO, G.F. - Desenvolvimento tecnológico por empresas estrangeiras no Brasil e na Coreia do Sul. Rio de Janeiro, 2014. Revista da Economia Contemporânea, v. 18, n.2.

COOKE, P.; URANGA, M. G.; ETXEBARRIA, G. Regional systems of innovation: an evolutionary perspective. Environment and Planning A, v.30, p.1563–1584, 1998.

COOKE, P. Regionally asymmetric knowledge capabilities and open innovation: Exploring ‘Globalisation 2’—A new model of industry organisation. Research Policy, v. 34, n. 8, pp. 1128-1149, 2005.

DOLOREUX, D. What we should know about regional systems of innovation. Technology in Society, v. 24, n. 3, pp. 243-263, 2002.

DOLOREUX, D.; PARTO, S. Regional innovation systems: current discourse and unresolved issues. Technology in Society, v. 27, p. 133-153, 2005.

DRAHOS, P. Global property rights in information: the story of TRIPS at the GATT Prometheus, v. 13, n. 1, 1995.

DUBEUX, R. R. Inovação no Brasil e na Coréia do Sul. Curitiba, Ed. Juruá, 2010.

ESTRATÉGIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA PERNAMBUCO (ECT&I-PE) 2017-2022. Disponível em: Acesso em: 20 de março. 2018.

FREEMAN, C. Technology policy and economic performance - lessons from Japan. London: Frances Pinter, 1987

GANDELMAN, M. Poder e Conhecimento na Economia Global. Rio de janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2004.

GUIMARÃES, A. C. O papel do Instituto Nacional da Propriedade Industrial no processo de capacitação em propriedade intelectual no Brasil de 2004 a 2011. Rio de Janeiro, 2013.

KIM, L. Da imitação à inovação – A dinâmica do aprendizado tecnológico da Coréia. Campinas, Ed. UNICAMP, 2005

LIMA, M. C.; FERREIRA, J.; FERNANDES, AC. A Dimensão Regional do Sistema Brasileiro de Inovação. Nota Técnica. CGGE. Rio Janeiro, 2007

LUNDVALL, B.A (1992). National innovation systems:towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter.

MAHROUM, S.; ALSALEH, Y. Towards a functional framework for measuring national innovation efficacy. Technovation, v. 33, n. 10, pp. 320-332, 2013.

MENDES, L. M., BOHER, B.A. O ensino da propriedade intelectual: mapeando as academias da rede global. Revista Brasileira de Inovação, Campinas (SP), 11 (2), p.399-432

NELSON, R. The Oxford Handbook of Innovation. Londres, Oxford Business Press, p. 209-239, 2005.

NIELSEN, H. Universities in Regional Systems of Innovation: Has the Rural Research Center in Höfn Enhanced the Interaction between the University and Local Actors?. Master’s thesis. CIRCLE, Lund University, 2010.

OGIYA, T. Intellectual Property Basic Atc and IP Human Resource Development. JPO, 2016.

SHERWOOD, R. M. Propriedade Intelectual e Desenvolvimento Econômico. São Paulo, Ed. Edusp, 1992.

SUN, J. C.; BAEZ, B. Intellectual Property in the information Age: Knowledge as Commodity and Its Legal Implication for Higher Education. ASHE Hiher Education Report, v. 34, n.4, 2009.

TAKAGI, Y.; ALLMAN, L.; SINJELA, M. A. Teaching of Intellectual Property. New York, Cambridge University Press, 2008.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY OFFICE – WIPO. Disponível em: < https://www3.wipo.int/ipstats/ipslinechart> Acesso em: 19 junho de 2018.

WORLD INTELLECTUAL 2011 – THE CHANGING FACE OF INNOVATION. Disponível:www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/intproperty/.../wipo_pub_944_2011.pdf> Acesso em 15 de junho de 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i1.27222

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)