INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA AS UVAS FINAS DE MESA DE MARIALVA NO NOROESTE PARANAENSE

Weliton Monteiro Perdomo, Rejane Sartori, Pedro Fonseca Camargo

Resumo


O objetivo deste artigo é expor acerca do processo de qualificação da Indicação Geográfica (IG) de Marialva para produção de uvas finas de mesa. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa e exploratória, pautada em pesquisa documental e de campo, empregando-se entrevista não estruturada. Os resultados evidenciam que o Município de Marialva obteve o registro de IG a partir de uma iniciativa do Sebrae Paraná Regional Noroeste. Contou com atuação de diversos outros atores, como produtores rurais, universidades e demais entidades. Trata-se de um processo complexo, pois o fato da uva ser produzida na região não garante o uso do selo distintivo, que deve ser atestada por profissionais, certificando que constitui peculiaridade quanto à produção. Ademais, ressalta-se a necessidade de estratégias de comunicação a serem utilizadas pelos municípios que possuem o reconhecimento da IG, propiciando maior renda para o produtor e movimentando positivamente a economia local.


Palavras-chave


Propriedade Intelectual; Indicação Geográfica; Uva de Marialva

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ana C. S.; SERRA, Elpídio. O papel da colônia japonesa, da Emater e do governo municipal na implantação e fortalecimento da viticultura no município de Marialva – PR. Revista Campo-Território, Uberlândia, v.7, n. 13, p. 291-305, fev. 2012.

ALMEIDA, Ana C. S.; SERRA, Elpídio. A Viticultura em Marialva/PR – A Utilização de Mão de Obra Familiar na Cadeia de Produção da Uva. Geoingá: Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Maringá, v. 5, n. 1, p. 3-17, 2013.

ASSOCIAÇÃO DE FRUTICULTORES DO NOROESTE DO PARANÁ. Manual de aplicação do selo de Indicação de Procedência - Marialva. Marialva, 2015.

ASSOCIAÇÃO NORTE PARANAENSE DE ESTUDOS EM FRUTICULTURA. Relatório – 2015. Aumento da Competitividade da Aglomeração Produtiva da Uva Fina de Mesa em Marialva: Projeto Nova Uva. Marialva: 2015.

BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2018.

CÂMARA MUNICIPAL DE MARIALVA. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2017.

CRESWELL, J. W. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

GODOY, A. S. Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 3, n. 2, p. 81-89, mai./ago. 2005.

GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estimação da Matriz Insumo-Produto Utilizando Dados Preliminares das Contas Nacionais: Aplicação e Análise de Indicadores Econômicos para o Brasil em 2005. Economia & Tecnologia, v.6, n. 23, 2010, p.53-62.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades – Censo agropecuário. 2015a. Disponível em: . Acesso em julho de 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades: Marialva/PR. 2015b. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Instrução Normativa n. 25 de 21 de agosto de 2013. Estabelece as condições para o Registro das Indicações Geográficas. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Guia básico de indicação geográfica. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2017.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Cadernos Municipais. 2009. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

LAGES, Vinícius; LAGARES, Léa; BRAGA, Christiano. Valorização de Produtos com Diferencial de Qualidade e Identidade: Indicações Geográficas e Certificações para Competitividade nos Negócios. Brasília: Sebrae, 2005.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: Procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto, relatório, publicações e trabalhos científicos. 7.ed. São Paulo: Atlas: 2011.

MARINS, Maíra Freixinho; CABRAL, Daniele Hervé Quaranta. O Papel da Indicação Geográfica como Propulsor da Inovação e do Desenvolvimento Local: Caso Vale dos Vinhedos. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 2, p. 406-414, abr./jun. 2015.

NIEDERLE, Paulo André. O mercado vitivinícola e a reorganização do sistema de indicações geográficas na região do Languedoc, França. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 14, n. 2, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIALVA. Abertura da colheita da uva acontece hoje em Marialva. Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2018.

RAIS. Relação Anual de Informações Sociais. Disponível em . Acesso em: 10 jul. 2017.

VALENTE, Maria Emília Rodrigues et al. Indicação geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, v. 42, n. 3, 2012.

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. Gráficos Municipais referentes ao Valor Bruto da Produção Rural 2016 no Núcleo Regional de Maringá. VBP/2016. Setembro, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

TRIVIÑOS, A. N. da S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2008.

VIEIRA, A.C.; BUAINAIN, A.M. Aplicação da Propriedade Intelectual no Agronegócio. In: PLAZA, C.M.C.A. et al (Eds.). Propriedade Intelectual na Agricultura. Belo Horizonte: Fórum, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v11i4.27132

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)