ANÁLISE DOS FLUXOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS: CASOS DE SUCESSO

Fabrício Dos Santos Simões, Wagna Piler Carvalho dos Santos

Resumo


Transferência do conhecimento gerado na academia para a sociedade tem um papel fundamental no desenvolvimento social e econômico de uma nação. As universidades públicas devem possuir mecanismos efetivos para disponibilizarem as tecnologias ao mercado rompendo o gargalo da prateleira tecnológica. Inegavelmente há desafios tanto para quem transmite como para quem recepciona a transferência. Este artigo teve o objetivo de analisar o processo de transferência de tecnologia adotado por duas universidades brasileiras (Unicamp e UnB). Utilizou-se o método de estudo qualitativo de natureza descritiva baseada em pesquisa documental e bibliográfica. Os resultados sugerem que a aproximação entre a indústria e a universidade é fundamental para ampliar os indicadores de Transferência de Tecnologia nas universidades. Ainda se percebe que investimentos contínuos no setor de pessoal que trabalha com inovação, adoção de fluxogramas objetivos e gestão da inovação contribuem positivamente para alcançar bons resultados em Transferência de Tecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Ética a Nicômacos. Trad. Mário da Gama Kury. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1985. Disponível em:https://pt.scribd.com/document/351216804/Aristoteles-Etica-a-Nicomacos-Trad-Mario-Da-Gama-Kury-Ed-UnB-OCR>.Acesso em: 01 jul.2018.

BARBOSA, D. B. A disciplina dos contratos de Transferência de Tecnologia. (P. realizada no X. S. N. da Propriedade, Ed.). Anais. 2006.Disponível em:. Acesso em: 27 jun. 2018.

BENEDETTI, M. H. A atuação dos núcleos de inovação tecnológica na transferência de tecnologia em um modelo de inovação aberta. In: XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2010, São Carlos. Anaiseletrônicos da Associação Brasileira de Engenharia de Produção. Rio de Janeiro: ABEPRO, 2010. Disponível em: . Acesso em: 27mai. 2018.

BARDAN, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. Disponível em:. Acesso em: 26 jun. 2018.

BOZEMAN, B. (2000). Technology transfer and public policy: a review of research and theory. Research Policy, 29(4/5), 627-655. Disponível em:.Acesso em: 26 jun. 2018.

BORSATTO, R. S.; BERGAMASCO, S. M. P.; BIANCHINI, V. Transferência de tecnologia ou compartilhamento de conhecimentos?:desvendando o papel da Embrapa no desenvolvimento rural / Ricardo Serra Borsatto, Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco, Valter Bianchini. – Brasília, DF: Embrapa, 2017. Disponível em:. Acesso em: 28 jun. 2018.

BRASIL. Lei n. 8.661, de 2 de junho de 1993. Dispõe sobre os incentivos fiscais para a capacitação tecnológica da indústria e da agropecuária e dá outras providências.Revogada pela Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005. Disponível em. Acesso em: 26 jun.2018.

BRASIL. Lei n.10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2018.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 85, de 26 de fevereiro de 2015.

Altera e adiciona dispositivos na Constituição Federal para atualizar o tratamento das atividades de ciência, tecnologia e inovação.Disponível em Acesso em: 26 jun. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2018.

BRASIL. Decreto 9.283, de 7 de fevereiro de 2018. Para estabelecer medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, com vistas à capacitação tecnológica, ao alcance da autonomia tecnológica e ao desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional. Disponível em:. Acesso em: 28 jun. 2018.

BRUNEEL, J.; D’ESTE, P.; SALTER, 2010. Investigating the factors that diminish the barriers to university-industry collaboration.ResearchPolicy, v.39,n.7, p.858–868,2010. Disponível em:. Acesso em: 25 jun. 2018.

BUENO, A; TORKOMIAN, A. L. V. Índices de licenciamento e de comercialização de tecnologias para núcleos de inovação tecnológica baseados em boas práticas internacionais.Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 23, n. 51, p. 95-107, jan./abr., 2018. ISSN 1518-2924. Doi: 10.5007/1518-2924.2018v23n51p95. Disponível em:. Acesso em: 28 jun. 2018.

CHURCHIL, G.; PETER, J. Marketing: criando valor para clientes. São Paulo: Saraiva, 2000. 649p. Disponível em:. Acesso em: 28 jun. 2018.

CURI, C.; DARAIO, C.; LLERENA, P. (2012). University technology transfer: how (in)efficient are French universities? Cambridge Journal of Economics. https://doi.org/10.1093/cje/bes020. Disponível em:. Acesso em: 25 jun. 2018.

DEBACKERE, K.; VEUGELERS, R. The role of academic technology transfer organizations in improving industry science.Research Policy, p. 321-342, 2005. Disponível em:. Acesso em 24 jun.2018.

DIAS, A. A.; PORTO, G. S. Gestão de transferência de tecnologia na inova Unicamp. Revista de administração contemporânea. Curitiba, v. 17, n. 3, p. 263-284, jun., 2013. Disponível em:. Acesso em: 23jun. 2018.

DIAS, A. A.; PORTO, G. S. Como as universidades públicas brasileiras transferem tecnologia? In: XV Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão de Tecnologia, 2013, Porto. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

DIAS, A. A.; PORTO, G. S. Como a USP transfere tecnologia?. Organ. Soc., Salvador, v. 21, n. 70, p. 489-507, set. 2014. Disponível em:.Acesso em: 22 jun. 2018.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from national systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university-industry-government relations. Research Policy, 2000, v. 29, pp.1009-123. Disponível em:. Acesso em: 23 jun. 2018.

ETZKOWITZI H.; ZHOUII, C. Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Print version ISSN 0103-4014 On-line version ISSN 1806-9592. Estudos Avançados. v.31, n. 90, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-40142017.3190003.

FREEMAN, C. 1995. The ‘National System of Innovation’ in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, 1995, v. 19, pp. 5-24. Disponível em: Acesso em: 29 jun. 2018.

FERREIRA, C.L.D.; GHESTI, G.F.; BRAGA, P.R.S. Desafios para o processo de transferência de tecnologia na Universidade de Brasília. Cad. Prospec., Salvador, v. 10, n. 3, p. 341-355, jul./set.2017. D.O.I.: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i3.22148. Disponível em:. Acesso em: 21 jun. 2018.

GAMA, G. J. et al. Triagem de Tecnologias – Ferramenta para a construção e gestão de um portfólio tecnológico robusto em inovação e transferência de tecnologia. Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 239-258, jun. 2013. ISSN 2237-0722. Disponível em:. Acessoem: 16 mai. 2018.

GARNICA, L. A.; TORKOMIAN, A. L. V. Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gest. Prod., São Carlos , v. 16, n. 4, p. 624-638, dez. 2009. Disponível em: Acesso em: 28 jun. 2018.

GIL, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4ª ed.). São Paulo: Atlas. Disponível em:. Acesso em: 21 jun. 2018.

HANSEN, M.T.; BIRKINSHAW, J. The innovation value chain. Harvard Business Review, v.85, n.6, p.121-130, July 2007.Disponível em: Acesso em: 24 jun. 2018.

HEISEY, P. W.; ADELMAN, S. W. (2011). Research expedintures, technology transfer activity, and university licensing revenue.Journal of Technology Transfer, 36(1), 38-60. doi: 10.1007/s10961-009-9129-z. Disponível em: Acesso em: 23 jun. 2018.

LIMA, I. A. Estrutura dereferênciaparaatransferênciade tecnologianoâmbitodacooperaçãouniversidade-empresa:estudodecaso no

CEFET-PR. mai2004.Tese(Doutorado) - ProgramadePós-Graduaçãoem EngenhariadeProdução,UniversidadeFederaldeSantaCatarina,Florianópolis,SC, mai 2004. Disponível em:. Acesso em: 26 jun. 2018.

LINK, A. N., SCOTT, J. T. Opening the ivory tower's door: An analysis of the determinants of the formation of U.S. university spin-off companies.Research Policy, v. 34, n. 7, p. 1106-1112, 2005. Disponível em:. Acesso em: 22 jun. 2018.

MATIAS-PEREIRA, J. A gestão do sistema de proteção à propriedade intelectual no Brasil é consistente?. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 45, n. 3, Jun. 2011. Disponível em:

SILVA, C. G.; MELO, L. C. P. Ciência, tecnologia e inovação: desafio para a sociedade brasileira - livro verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia / Academia Brasileira de Ciências. 2001. 250p:il;23cm.ISBN:85-88063-03-4. Disponível em:. Acesso em: 20 jun. 2018.

NDONZUAU,F.N.;PIRNAY,F.;SURLEMONT,B.A stage model of academic spin-off creation.v.22,n.5,p.281–289,2002.Disponível em:.Acesso em: 21 jun. 2018.

NELSEN, L. (2009). Technology transfer from universities: how it works (at MIT and worldwide).Recuperado de:. Acesso em: 28 mai. 2018.

PHILPOTT,K.The entrepreneurial university: Examining the underlying academic tensions. Elsevier,v.31,n.4,p.161–170,2011. Disponível em:. Acesso em: 29 mai. 2018.

QUINTELLA, C. M.; TORRES, E. A. Política De Propriedade Intelectual E Transferência De Tecnologia Nas Universidades: Uma Perspectiva Do Nit Da Universidade Federal Do Recôncavo Da Bahia.HOLOS, Ano31,Vol. 6. DOI: 10.15628/holos.2015.3600. Disponível em:. Acesso em: 29 mai. 2018.

QUINTELLA, C. M.; TORRES, E. A. Gestão e Comercialização de Tecnologia. In: RUSSO, S.L.; SILVA, G. F.; NUNES, M. A. S. (Orgs). Capacitação em Inovação Tecnológica para Empresários. São Cristovão, SE. Editora UFS, 2012.

REISMAN, A. Transfer of technologies: a cross-disciplinary taxonomy.Omega, v. 33, p. 189-202, 2005.Disponível em:. Acesso em: 24 jun. 2018.

RESENDE, David N.;GIBSON,David.; JARRETT, J.BTP—Best Transfer Practices. A tool for qualitative analysis of tech-transfer offices: A cross cultural analysis.V.33,n.1,p.2–12,2013.Disponível em:. Acesso em: 21 jun. 2018.

RICHARDSON, R. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas (3° ed.). São Paulo: Atla.

RITTER, M. E. S; TORKOMIAN, A. L. V.Technology transfer and innovation: The role of the Brazilian TTOs.International Journal of Technology Management & Sustainable Development. TMSD 12 (1) pp. 89–111 Intellect Limited 2013.Disponível em:. Acesso em: 29 jun. 2018.

RITTER, M. E. S; TORKOMIAN, A. L. V; SOARES, T. J.C.C. The Innovation Law, the creation of technology transfer offices and their impact on the Brazilian innovation landscape.M15_University Technology Transfer_C15.indd 337.2015. Recuperado de:. Acesso em: 29 jun. 2018.

ROGERS, E.M. Diffusion of innovations. Free Press. 1995. 245p. Disponível em: https://teddykw2.files.wordpress.com/2012/07/everett-m-rogers-diffusion-of-innovations.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2018.

ROSS, David. Aristóteles. Lisboa: Dom Quixote, 1987.

SILVA, L. C. S. Processo de transferência de tecnologia entre universidade-indústria por intermédio dos núcleos de inovação tecnológica / Luan Carlos Santos Silva. Ponta Grossa, 2013.Disponívelem Acesso em 26 de jun. 2018.

SOARES, T. J.C.C; TORKOMIAN, A. L.V; NAGANO, M. S; MOREIRA, F. G.P.O sistema de inovação brasileiro: uma análise crítica e reflexões.OCTOBER 2016, VOL. 41 Nº 10 0378-1844/14/07/495-07. Disponível em:

SOARES-41-10.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2018.

STAKE, R. The Case study method in social inquiry. Educational Researcher, v.7, n. 2, p. 5- 9, 1978.

______. A arte da investigação com estudos de caso. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009. (Originalmente publicado em 1995).

STEVENS, A.; TONEGUZZO, F.; BOSTROM, D. (2005). AUTM U.S. Association of University Technology Managers.Recuperado de:. Acesso em 27 jun. 2018.

SUZART, V. P. A importância dos contratos de transferência de tecnologia no âmbito das instituições de ciência e tecnologia: relacionamento entre a instituição e seus parceiros, vantagem econômica e seu reflexo na sociedade, Salvador, UFBA, 2015. Tese de Mestrado. Disponível em:.

SZAPIRO, M. H. S. et al. Avanços e limitações da política de inovação brasileira na última década: Uma análise exploratória.Revista Espacios, v. 37, p. 2016.

SWAMIDASS, P. M.; VULASA, V. (2009). Why university inventions rarely produce income? Bottlenecks in university technology transfer.The Journal of Technology Transfer, 34(4), 343-363. doi: 10.1007/s10961-008-9097-8. Disponível em:. Acesso em: 29 mai. 2018.

TAKAHASHI, V. P. Transferência de conhecimento tecnológico: estudo de múltiplos casos na indústria farmacêutica. Gest. Prod., São Carlos, v. 12, n. 2, p. 255-269, ago. 2005.

TORKOMIAN, A.L.V; AMADEI, J. R. P.As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas.Ci. Inf., Brasília, v. 38, n. 2, p. 9-18, maio/ago. 2009. Disponível em:. Acesso em 28 jun. 2018.

TORKOMIAN, A.L.V; GARNICA, L. A. Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo.Gest. Prod., São Carlos, v. 16, n. 4, p. 624-638, out.-dez. 2009. Disponível em:. Acesso em: 29 jun. 2018.

TIDD, J.; BESSANT, J. Gestão da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2015. Disponível em:.Acesso em: 05 jun. 2018.

UNIVERSIDADE DE CAMPINAS. Resolução n. 51 de 2003. Cria a Agência de Inovação da UNICAMP. Disponível em:

https://www.inova.unicamp.br/legislacao/>. Acesso em: 27 jun. 2018.

UNIVERSIDADE DE BRASILIA – UNB. Resolução n. 005, de 26 de novembro de 1998.Dispõe sobre a proteção e a alocação de direitos de propriedade intelectual. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

UNIVERSIDADE DE BRASILIA – UNB. Resolução n. 882, de 26 de novembro de 1998. Dispõe sobre a proteção e a alocação de direitos de propriedade intelectual. Disponível em: . Acesso em: 23jun. 2018.

UNIVERSIDADE DE BRASILIA – UNB. NUPITEC.Resultados de Patentes de 1999 a 2018. Disponível em:. Acesso em: 27 jun. 2018.

VAN R. C. Sete respostas que você precisa saber dar sobre inovação. In:

TERRA, J.C.C Inovação: quebrando paradigmas para vencer. São Paulo: Saraiva, 2007. Cap. 5, p. 55-64.

ZAMMAR, Gilberto. Interação universidade-indústria: um modelo para transferência de tecnologia. / Gilberto Zammar. 2017. 140 f. : il. ; 30 cm. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2017. Disponível em:. Acesso em: 28 jun. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v11i3.27128

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)