ESTUDO PROSPECTIVO SOBRE SISTEMA DE CONTROLE E ACELERAÇÃO EM ELEVADORES

Gisele Cristina Borges, Ana Carolina Nerva Blumm, Eduardo Henrique da Silva Figueiredo Matos, Carolyne Caetano Gonçalves, Wina Eleana Lages Pereira, Roosevelt Tomé Silva Filho, Paulo Gustavo Barboni Dantas Nascimento, Adriana Regina Martin

Resumo


O presente estudo pretende mostrar por meio da prospecção tecnológica uma análise comparativa e analítica de tecnologias que utilizam arquiteturas reconfiguráveis com sistemas de controle e aceleração para o controle do tráfego de usuários em elevadores comerciais, visando reduzir o tempo de espera de viagem dos usuários e diminuir o consumo de energia. Para esse levantamento, foram realizadas pesquisas na base de patentes Patentscope WIPO, consultas na base de artigos Web of Science, bem como uma análise de mercado e avaliação da maturidade tecnológica desse sistema de controle. A patente registrada no INPI pela Universidade de Brasília sob o nº PI 9500121-1, foi usada como objeto de estudo. Foram encontradas 662 patentes e 113 artigos através de buscas por palavras-chave, sugerindo que essa tecnologia está madura e, portanto, bem estabelecida no mercado, assim foram sugeridas novas aplicações para a tecnologia de forma a justificar a manutenção da patente, além de uma análise SWOT demonstrando os pontos fracos e fortes da tecnologia.  


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Emenda Constitucional nº 95, de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília, DF, 16 dez. 2016. Disponível em: . Acesso em 19 jun. 2018.

BRASIL. Lei Complementar nº 131, de 2009. Altera a redação da Lei de Responsabilidade Fiscal no que se refere à transparência da gestão fiscal. Brasília, DF, 27 mai. 2009. Disponível em: http://www.portaltransparencia.gov.br/. Acesso em 19 jun. 2018.

CABRAL, M. Brasileiro “pai” dos elevadores sem cabo: Sistema revolucionário, que transporta as cabines tanto na horizontal quanto na vertical, deve aumentar capacidade de transporte em até 50%.2016. Disponível em: . Acesso em: 23 de abr. 2018.

FERREIRA, A .A.; GUIMARÃES, E. R.; CONTADOR, J. C. Patente como instrumento competitivo e como fonte de informação tecnológica. Disponível em: . Acesso em: 30 de mai. 2018.

GALEMBECK, F. & ALMEIDA, W., Propriedade intelectual. Parcerias Estratégicas, n. 20, 2005.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL - INPI. Manual para o depositante de patentes.

LOBATO, A. A., A geração de patentes na Universidade Federal de Minas Gerais, Dissertação de mestrado em Ciências da Informação, Belo Horizonte, 2000.

MARTINS, Walter Hélio de Lima, Produção científica – publicação versus patente: o caso CPGEI-UTFPR, Ponta Grossa: [s.n.], 2010.

NATIONAL AERONAUTICS AND SPACE ADMINISTRATION, NASA: Technology Readiness Level - TLR. Agosto de 2017o pelp Oficial da NASA: Brian Dunbar . Acesso em: 23 de mai. 2018.

PORTAL SÃO FRANCISCO. Elevador, 2018. Disponível em: . Acesso em: 27 de abr. 2018.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION - WIPO - PATENTSCOPE . Acesso em: 06 de jun. 2018.

MITSUBISHI. Acesso em: 13 de junho de 2018.

HITACHI. Acesso em: 13 de junho de 2018.

AQUARIUS ENGINES. Acesso em: 15 de junho de 2018.

WEB OF SCIENCE [Base de dados – Internet]. Clarivate Analytics; 2018. Disponível em: Acesso em jun. 2018




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i3.27124

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)