ANÁLISE PROSPECTIVA DO ALGODÃO TRANSGÊNICO NO BRASIL

Thaíse Dantas de Almeida Xavier, Luiz Nunes Filho, Simone Silva dos Santos Lopes

Resumo


Os organismos transgênicos possuem grande importância para desenvolvimento econômico do País. Tratar essa temática implica em verificar as vantagens que uso de cultivares transgênicas representa, dentre estas, destaca-se a redução no número de aplicação de inseticidas. Logo, investiga-se cultivares registradas no Brasil com objetivo realizar uma prospecção tecnológica do panorama nacional de cultivares de algodão transgênico. Para tanto, utiliza-se a ferramenta de busca Cultivar Web para recuperação de dados relativos a cultivares registradas. Neste sentido, foi possível cruzar os dados da pesquisa com informações obtidas em pareceres técnicos da CTNBio, e artigos científicos. Através da análise, verificou-se que o número de cultivares transgênica registradas vem crescendo anualmente, demonstrando a possibilidade de se ter direitos exclusivos referentes a uma obtenção vegetal com evento transgênico, dando ao obtentor uma boa oportunidade de reaver seus custos e acumular as reservas necessárias para futuros investimentos.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BARROSO, P. A. V.; FREIRE, E. C.; AMARAL, J. A. B. do; SILVA, M. T. Zonas de exclusão de algodoeiros transgênicos para preservação de espécies de Gossypium nativas ou naturalizadas. Campina Grande: Embrapa Algodão, 2005. (Comunicado técnico, 242).

BENNETT, R.; MORSE, S.; ISMAEL, Y. The economic impact of genetically modified cotton on South African smallholders: yield, profit and health effects. The Journal of Development Studies, v.42, n.4, p.662-677, 2006.

BORÉM, A., FREIRE, E. C.; PENNA, J. C. V. E.; BARROSO, P. A. Considerations about cotton gene escape in Brazil. Crop Breeding and Pplied Biotechjnology. 2003.(in press).

CARVALHO, I. M.; SANTOS, F. S.; MACHADO, V. L. S.; AVIANI, D. de M.; PACHECO, L. G. A. Abordagem sobre Proteção e Registro de Cultivares. In: Fábio Gelape Faleiro; Austeclinio Lopes de Farias Neto; Walter Quadros Ribeiro Júnior (Org.). Pré melhoramento, melhoramento e pós-melhoramento: estratégias e desafios. 1ª. Ed. Brasília – DF: EMBRAPA, p.19 – 183. 2008.

CASTRO, B. S. de. A introdução no Brasil do algodão, milho e soja geneticamente modificados: coincidências reveladoras. In: Congresso BRASA IX, 2008, New Orleans. Anais... New Orleans: Tulane University, 2008.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 513/2005. Liberação comercial de algodão geneticamente modificado resistente às principais pragas da Ordem Lepidoptera. 2005. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 1521/2008. Liberação Comercial de algodão geneticamente modificado. 2008a. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 1598/2008. Liberação Comercial de algodão geneticamente modificado, algodão Roundup Ready, evento MON 1445. 2008b. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 1757/2009. Liberação Comercial de algodão geneticamente modificado. 2009a. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 1832/2009. Liberação Comercial de Algodão Geneticamente Modificado resistente a insetos. 2009b. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 2051/2009. Liberação Comercial de algodão geneticamente modificado. 2009c. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 2956/2011. Liberação Comercial de Algodão Geneticamente Modificado tolerante ao glifosato (2ª geração). 2011. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 3365/2012. Liberação Comercial – algodão MON15985 x MON88913. 2012a. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 3290/2012. Algodão geneticamente modificado tolerante ao herbicida glufosinato de amônio e ao herbicida glifosato denominado GlyTol x LibertyLink (GTxLL)– evento GHB614 x LLCotton25. 2012b. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 3286/2012. Liberação comercial de OGM. Algodão GlyTol x TwinLink (GHB614 x T304-40 x GHB119). 2012c. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Parecer Técnico nº 5400/2017. Algodão Glycol x TwenLink (GLT) x COT102 (GLTC), contendo os eventos GHB614 x T304-40 x GHB119 x COT102. 2017. Disponível em: Acesso em: 29 mai. 2018.

CULTIVAR WEB [Base de dados – Internet]. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; 2018. Disponível em: Acesso em: 16 mai.2018.

EMBRAPA. Algodão RF: BRS 371RF, BRS 370RF, BRS 369RF, BRS 368RF lançamentos. Brasília, DF: Embrapa, 2014.

FERREIRA FILHO, J. B. S., GAMEIRO, A. H.; CENTOLA, F. C. L.; BALLAMINUT, C. E. C. Avaliação econômica do algodão BOLLGARD no Brasil: Atualização para a safra 2002/2003. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 4., Goiânia, 2003. Anais... Campina Grande: Embrapa Algodão, 2003. 5p. CD-ROM.

GOMES, W. S.; BORÉM, A. Biotecnologia: novo paradigma do agronegócio brasileiro. Revista de Economia e Agronegócio, v. 11, n. 1, p. 115-136, 2013.

HORAK, M. J.; WOODRUM, C. L. Phenotypic and ecological observations of Roundup Ready flex cotton MON 88913 in U.S. field trials during 2002 for an assessment of equivalence and weed potential. Monsanto Technical Report, MSL 18876, 2003.

JAMES, C. Preview: global status of commercialized biotech/GM Crops. Ithaca: ISAAA Briefs, 2004. (ISAAA Briefs. 32).

MAGALHÃES, M. T. Q. de. Toxinas Cry: perspectivas para obtenção de algodão transgênico brasileiro. 2006. 81f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, 2006.

MALTY, J. S.; SIQUEIRA, J. O.; MOREIRA, F. M. S. Efeitos do glifosato sobre microorganismos simbiotróficos de soja, em meio de cultura e casa de vegetação. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 41, n. 2, p. 285-291, fev. 2006.

MOTA, A. A. R. Transgenia no Brasil: eventos autorizados e cultivares registradas. 2011. 124f. Monografia (Graduação em Agronomia e Medicina Veterinária). Universidade de Brasília, UNB, Brasília, 2011.

NODARI, R. O.; GUERRA, M. P. Avaliação de riscos ambientais de plantas transgênicas. Cadernos de Ciência &Tecnologia, Brasília, v.18, n.1, p.61-116, 2001.

RICHETTI, A.; MELO FILHO, G.A.; LAMAS, F.M.; STAUT, L.A.; FABRÍCIO, A.C. Estimativa do custo de produção de algodão, safra 2004/05, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Dourados: Embrapa Pecuária Oeste, 2004. 16p (Comunicado Técnico, 91).

SANTOS, R. L.; TORRES, J. B. Produção da Proteína Cry1Ac em algodão transgênico e controle de lagartas. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.5, n.4, p. 509-517, out-dez, 2010.

TELES, G. C.; FUCK, M. P. Pesquisa e desenvolvimento de cultivares: o perfil tecnológico da Cotonicultura Brasileira. Informe Gepec, v.20, n.1, p. 61-77, jan./jun., 2016.

USDA. Cotton: World Markets and Trade. 2018. Disponível em: Acesso em: 04 mai. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v11i3.27115

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)