PROCESSO DE PEDIDO e PROJETO DE PEDIOD DE INDICAÇÕES GEOEGRÀFICAS. MENOS BUROCRACIA E MAIS ESTRATÉGIA.

Alessandro Aveni

Resumo


O trabalho faz parte da pesquisa pós-doutoral do autor e desenvolve uma definição do processo que o NIT local deve executar para apoiar o pedido de criação da Indicação Geográfica - IG. Ao contrário da literatura encontrada, a criação de uma IG, não é somente um processo burocrático, técnico e legal, ligado a proteção da propriedade industrial. Avaliando propostas de várias agencias nacionais, o resultado da pesquisa aponta ao fato que para desenvolver o pedido de uma IG deve existir uma estratégia da associação e redes de stakeholders locais para apoiar o processo. Estes atores e exigências devem ser incorporadas na definição do processo de pedido. O processo assim não se limita a predisposição de documentação como apontado em diversos casos. O fluxograma apresentado como resultado do atual artigo  pode servir para melhorar os processos de intervenção de um NIT de base universitária em relação ao pedido e para apoiar a criação de IG no seu território.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL Lei da Propriedade Industrial, nº 9279/96;

BRASIL Lei da Inovação: Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Disponível em http://www.planalto.gov.br. Acessado em 22/09/2011.

BRASIL Lei da Propriedade Industrial, nº 9279/96;

BRASIL Lei da Inovação: Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Disponível em http://www.planalto.gov.br. Acessado em 22/09/2011.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à Propriedade Industrial. Brasília, 1996.

BRASIL. Presidência da República. Medida Provisória n. 2.186-16, de 23 de agosto de 2001.

INPI. Resolução INPI nº 75/00 28/11/2000 Procedimento para registrar uma indicação geográfica.

INPI. Instrução Normativa nº 25, de 21 de agosto de 2013. Estabelece as condições para o Registro das Indicações Geográficas. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2018

LAKATOS, EVA MARIA; MARCONI, MARINA DE ANDRADE (2003). Fundamentos de metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Atlas.

MONNI SALVATORE E SPAVENTA ALESSANDRO (2009), Cluster e distretti tecnologici: modelli e politiche, in Argomenti, n.26 2009, pp. 71–98.

LAGE CELSO LUIZ SALGUEIRO, BARBOSA PATRÍCIA MARIA DA SILVA FERNANDES LUCIA REGINA RANGEL DE MORAES VALENTE (2013) Quais são as indicações geográficas brasileiras? RBPG, Brasília, v. 10, n. 20, p.317 - 347, julho de 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i3.27068

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)