ANÁLISE DO PROCESSO DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DE UMA UNIVERSIDADE SOB A ÓTICA DOS SISTEMAS LEAN

Jaime Roberto Pohlmann, Ana Paula Matei, Sabrina da Rosa Pojo, José Luis Duarte Ribeiro

Resumo


Este artigo apresenta uma análise do processo de transferência de tecnologia da academia para o setor produtivo sob a ótica dos sistemas lean. O objetivo consiste em identificar oportunidades de melhoria nos mecanismos de aproximação entre universidade e sociedade. A análise foi realizada no Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) da UFRGS. Para esta avaliação, foram utilizados métodos e ferramentas adaptados dos Sistemas Lean. Foi construído um Mapa de Fluxo de Valor de todo o processo de transferência tecnológica. O processo foi organizado em cinco fases ou etapas possíveis: (i) geração de resultados de pesquisa aplicada e formação de alunos, (ii) proteção por propriedade intelectual, (iii) geração de empresas nascentes, (iv) aproximação visando uma transferência, e (v) formalização de contrato de transferência de tecnologia. O foco do estudo baseia-se na identificação dos diferentes mecanismos de aproximação entre estes atores e sua eficiência em termos de efetivação da transferência.


Texto completo:

PDF

Referências


Al-Shehri, A., Ebrahim, M. A., Shafeek, H., Soliman, M. F., & Abdel-Aziz, M. H. (2013). Bridging the Gap between University and Industry: Efforts Made at Faculty of Engineering–Rabigh-Saudi Arabia. In 2013 International Conference on Advanced ICT and Education (ICAICTE-13). Atlantis Press.

Brasil (2004) Lei 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União - Seção 1 - 3/12/2004, Página 2 (Publicação Original), Diário Oficial da União - Seção 1 - 16/3/2005, Página 1 (Retificação)

Chapple, W., Lockett, A., Siegel, D., & Wright, M. (2005). Assessing the relative performance of UK university technology transfer offices: parametric and non-parametric evidence. Research Policy, 34(3), 369-384.

D’Este, P., & Patel, P. (2007). University–industry linkages in the UK: What are the factors underlying the variety of interactions with industry?. Research policy, 36(9), 1295-1313.

De Negri, F., & Squeff, F. D. H. S. (2016). O mapeamento da infraestrutura científica e tecnológica no brasil 1, 2.

De Negri, F., Cavalcante, L. R., & Alves, P. F. (2013). Relações universidade-empresa no Brasil: o papel da infraestrutura pública de pesquisa.

Ghinato, P. (2017) Lean Office: Lean em Funções Administrativas (Apostila de aula), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Porto Alegre: UFRGS

Gupta, S., Sharma, M., & Sunder M, V. (2016). Lean services: a systematic review. International Journal of Productivity and Performance Management, 65(8), 1025-1056.

Hines, P., Holweg, M., & Rich, N. (2004). Learning to evolve: a review of contemporary lean thinking. International journal of operations & production management, 24(10), 994-1011.

Jones, D. T., & Womack, J. P. (2004). Enxergando o todo: mapeando o fluxo de valor estendido. Lean Institute Brasil.

Liker, J. (2004) The Toyota Way: 14 Management Principles from the World's Greatest Manufacturer. New York: McGraw-Hill

Markman, G. D., Siegel, D. S., & Wright, M. (2008). Research and technology commercialization. Journal of Management Studies, 45(8), 1401-1423.

May, M. (2007) Toyota: A formula da inovação. Rio de Janeiro: Editora Campus

Mowery, D. C., Nelson, R. R., Sampat, B. N., & Ziedonis, A. A. (2001). The growth of patenting and licensing by US universities: an assessment of the effects of the Bayh–Dole act of 1980. Research policy, 30(1), 99-119.

Owen-Smith, J., & Powell, W. W. (2001). To patent or not: Faculty decisions and institutional success at technology transfer. The Journal of Technology Transfer, 26(1-2), 99-114.

Rother, M., Shook, J. (2003). Aprendendo a enxergar. São Paulo: Lean Institute Brasil

Siegel, D. S., Waldman, D. A., Atwater, L. E., & Link, A. N. (2003). Commercial knowledge transfers from universities to firms: improving the effectiveness of university–industry collaboration. The Journal of High Technology Management Research, 14(1), 111-133.

Tapping, D., & Shuker, T. (2010). Lean office: gerenciamento do fluxo de valor para áreas administrativas-8 passos para planejar, mapear e sustentar melhorias Lean nas áreas administrativas. São Paulo: Editora Leopardo.

Thursby, J. G., & Kemp, S. (2002). Growth and productive efficiency of university intellectual property licensing. Research policy, 31(1), 109-124.

Thursby, J., Fuller, A. W., & Thursby, M. (2009). US faculty patenting: Inside and outside the university. Research Policy, 38(1), 14-25.

Womack, J. P., & Jones, D. T. (1997). Lean thinking—banish waste and create wealth in your corporation. Journal of the Operational Research Society, 48(11), 1148-1148.

Womack, J. P., Jones, D. T., & Ross, D. (2004) A Máquina que Mudou o Mundo: baseado no estudo do Massachusetts Institute of Technology sobre o futuro do automóvel. Rio de Janeiro: Elsevier, 5ª Ed.

Zawislak, P. A., & Dalmarco, G. (2011). The silent run: new issues and outcomes for university-industry relations in Brazil. Journal of technology management & innovation, 6(2), 66-82.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i5.26980

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)