MAPEAMENTO TECNOLÓGICO DA COPAÍBA: ANÁLISE PROSPECTIVA NO BRASIL E NO MUNDO

Lidiane Oliveira Araujo, Mariana Chaves Antenor, Juliana Santos Andrade, Renata Farias Fernandes, Sarah Monteiro Galdino, Martonio Mendes Leitão Barros Filho

Resumo


A aplicação de plantas medicinais na cura de enfermidades é amplamente difundida no Brasil. A copaíba (Copaifera) é uma dessas plantas, utilizada para o tratamento de ferimentos. Nessa perspectiva, o presente estudo tem como objetivo realizar uma análise prospectiva das patentes de copaíba depositadas no Brasil e no exterior, levando em consideração os principais depositantes e a distribuição setorial das tecnologias, em uma evolução temporal de 20 anos (1996 a 2016). Utilizou-se, para a realização da prospecção, o sistema de base de dados patentários Questel Orbit, fazendo uso da palavra-chave copaíba nos campos de busca “título”, “resumo” e “reivindicações”. Em seguida, localizou-se 188 publicações no mundo relacionadas à Copaíba, sendo que a maioria dos depósitos é classificada na subseção A61K (Preparações para fins médicos, dentários e cosméticos), tendo o Brasil e os Estados Unidos da América, respectivamente, como os países que têm o maior número de família de patentes.

Texto completo:

PDF

Referências


AXONAL, Consultoria Tecnológica Ltda. A empresa Questel Orbit, Inc. 2017. Disponivel em: < https://www.orbit.com/?nocache=1501275967191#PatentEasySearchPage>. Acesso em maio. 2017.

BRASIL. Lei nº 13.123, de 20 de maio de 2015. Regulamenta o inciso II do § 1o e o § 4o do art. 225 da Constituição Federal, o Artigo 1, a alínea j do Artigo 8, a alínea c do Artigo 10, o Artigo 15 e os §§ 3o e 4o do Artigo 16 da Convenção sobre Diversidade Biológica, promulgada pelo Decreto no 2.519, de 16 de março de 1998; dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, sobre a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado e sobre a repartição de benefícios para conservação e uso sustentável da biodiversidade; revoga a Medida Provisória no 2.186-16, de 23 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13123.htm>. Acesso em: 02 de agosto de 2017.

CAPES. Portal de Periódicos – Copaíba. 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 de junho de 2017.

IBGE. Tabela 289 – Quantidade produzida e valor da produção na extração vegetal, por tipo extrativo. Disponível em: . Acesso em: 18 de julho de 2017.

LIMA, Thaisi Leal Mesquita de; DANTAS, Thomas Kefas de Souza; GUIMARÃES, Patricia Borba Vilar. O Novo Marco Legal da Biodiversidade e a Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON TECHNOLOGICAL INNOVATION, 2015, Sergipe. Anais... Sergipe: Encontro Nordestino de Etnobiologia e Etnoecologia, 2015, vol. 3, n.1, p. 387-393. Disponível em: < http://www.portalmites.com.br/conferences/index.php/ENEE/Isti2015/paper/viewFile/386/254>. Acesso em: 02 de agosto de 2017.

MONTES, LV; BROSEGHINI, LP; ANDREATTA, FS; SANT’ANNA, MES.; NEVES, VM; SILVA, AG. Evidências para o uso da óleo-resina de copaíba na cicatrização de ferida – uma revisão sistemática. Natureza on line 7 (2): p.61- 67, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 de julho de 2017.

NIT UEMA. Siglas de organizações e países. Disponível em: . Acesso em: 28 de julho de 2017.

PIERI, F.A.; MUSSI, M.C.; MOREIRA, M.A.S. Óleo de copaíba (Copaifera sp.): histórico, extração, aplicações industriais e propriedades medicinais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.11, n.4, p.470, 2009. Disponível em:. Acesso em: 18 de julho de 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v11i1.23225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)