COMO AS ORGANIZAÇÕES DE FOMENTO A PESQUISA E A INOVAÇÃO TEM APOIADO A CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA? UMA ANÁLISE DOS EDITAIS FEDERAIS DE APOIO A TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NO BRASIL

Edilson Araújo Pires, Rafael Andrade, Cristina M. Quintella

Resumo


A Lei 10.973/2004 estabeleceu a obrigatoriedade de se criar Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) nas Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil e, consequentemente, gerou o aumento de patentes das universidades no Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Mas, são poucos os NITs bem estruturados que executam com eficiência as atividades propostas pela lei. Um mecanismo utilizado pelo governo para auxiliar na estruturação dos NITs foi a publicação de Editais. O objetivo do presente artigo foi investigar quais os Editais publicados pelas organizações federais para apoiar os NITs. Através de um estudo exploratório, foram identificados cinco Editais, de duas organizações: Financiadora de Estudos e Projetos e; Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Juntos, os Editais somaram R$ 37 milhões, destinados ao apoio de projetos de todas as regiões do Brasil. No entanto, não existe uma política permanente de apoio aos NITs, pois, em quinze anos, se lançou um Edital a cada três anos.


Texto completo:

PDF

Referências


BANCO MUNDIAL. GDP (current US$) Brazil: World Bank national accounts data, and OECD National Accounts data files. Disponível em: . Acessado em: 19 jul. 2017.

BERBEGAL-MIRABENTA, J; GARCÍA, B, J. L. S.; RIBEIRO-SORIANOC, D.E. University-industry partnerships for the provision of R&D services. Journal of Business Research, v. 68, n. 7, jul., 2015, p. 1407-1413. Disponível em: . Acessado em: 30 jan. 2016.

BERTHA, S. L. Academic research: policies and practice. Journal of Ethnopharmacology, v. 51, n. 1–3, p. 59-73, 1996. Disponível em . Aacessado em: 17 mar. 2017

BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, DF: Congresso Nacional. Atos do Poder Legislativo, DOU, n. 232 de 03.12.2004.

CHAPPLE, W. et al. (2005). Assessing the relative performance of U.K. university technology transfer offices: parametric and non-parametric evidence. Research Policy, 34(3), 369-384. Disponível em: . Acessado em: 30 jan. 2016.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO (CNPq): Relatório de Gestão Institucional, 2004, CNPq. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

______. Chamadas Públicas: Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 92/2013 - Apoio à Implantação e Capacitação de Núcleos de Inovação Tecnológica. Disponível em: . Acessado em: 02 jul 2016.

COUPÉ, T. Science Is Golden: Academic RD and University Patents. Journal of Technology Transfer, v. 28, n. 1, p. 31, 2003. Disponível em . Aacessado em: 21 dez. 2016

ETZKOWITZ, H. The new visible hand: an assisted linear model of science and innovation policy. Science and public policy. v.33, n. 5, p. 310-320, 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2017.

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP). Chamada Pública MCT/Finep/Ação Transversal – PRO-Inova - 01/2008. Disponível em: . Acessado em: 03 jul. 2016.

FRIEDMAN, J.; SILBERMAN, J. University Technology Transfer: Do Incentives, Management, and Location Matter? Journal of Technology Transfer, v. 28, n. 1, p. 17, 2003. Disponível em . Acessado em: 29 jan. 2017.

MINISTÉRIO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA (MCT). Programa Tecnologia Industrial Básica e Serviços Tecnológicos para a Inovação e Competitividade. Ministério da Ciência e Tecnologia, Brasília,2001. Disponível em: . Acessado em: 18 jul. 2017.

MINISTÉRIO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI). Política de Propriedade Intelectual Das Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil: Relatório FORMICT 2014. Brasília: MCTI, 2015.Disponívle em: . Acessado em: 20 set. 2016.

OWEN-SMITH, J. Dockets, deals, and sagas: Commensuration and the rationalization of experience in university Licensing. Social Studies of Science, v. 35, n. 1, p. 69-97, 2005. Disponível em . Acessado em: 29 jan. 2017

QUINTELLA et. al. 10 Anos da Estratégia de Estado para Consolidação do Sistema Nacional de Inovação Brasileiro: Contribuição dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NTIs). In: Proc. XVI Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão de Tecnologia - ALTEC 2015. Brasil: Porto Alegre, 2015

RASMUSSEN, E. Models for university technology transfer operation: patent agency and 2g. International Journal of Technology Transfer and Commercialisation, v. 5, n. 4, p. 291-307, 2006. Disponível em: . Acesso em: 02. Abr.2017

REDE DE NITS E EMPREENDEDORISMO (NITPAR). Disponível em: . Acessado em: 02 dez. 2016.

REDE DE NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO NORDESTE (Rede NIT NE). Disponível em: . Acessado em: 02 dez 2016.

REDE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO RIO DE JANEIRO (REDETEC), Disponível em: . Acessado em: 02 dez 2016.

REDE INOVA SÃO PAULO. Disponível em: . Acessado em: 02 dez 2016.

REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL (RMPI). Disponível em: . Acessado em: 02 dez 2016.

SIEGEL, D. S. et al. Commercial knowledge transfers from universities to firms: improving the effectiveness of university–industry collaboration. The Journal of High Technology Management Research, v. 14, n. 1, p. 111-133, 2003. Disponível em . Acessado em: 29 jan. 2017.

TOLEDO, P. T. M. A Gestão da Inovação em Universidades: evolução, modelos e propostas para instituições brasileiras: 2015, 441f. Tese (Doutorado), Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociência, Campinas, SP, 2015. Disponível em: . Acessado em: 20 dez. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS (UFAL). Eventos: rede de propriedade Intelectual de Alagoas. Disponível em: . Acessado em: 02 dez. 2016.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Região Centro-Oeste busca difusão da inovação através de Rede de NIT’s, 2009. Disponível em: . Acessado em: 03 dez 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS). Rede Gaúcha de Propriedade Intelectual. Disponível em: . Acessado em: 02 dez 2016.

WECKOWSKA, D. M. Learning in university technology transfer offices: transactions-focused and relations-focused approaches to commercialization of academic research. Technovation, v.41-42, p.62-74, jul/Ago, 2015. Disponível em: . Acessado em: 07 fev. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i3.23221

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)