EXPERIÊNCIAS SOBRE O PROCESSO DE COOPERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA: ESTUDO DE CASO NO INTERIOR DO PARANÁ

Leandro Rafael de Abreu, Marcos Roberto Kuhl

Resumo


O objetivo deste estudo consiste em analisar o processo de cooperação para inovação entre universidade e empresa, a partir da perspectiva dos envolvidos, pesquisadores e representantes das empresas. O estudo limitou-se aos projetos vinculados a uma instituição de ensino superior do Paraná. Verificou-se a necessidade de adaptação de modelos encontrados para o caso proposto, sendo assim, foi elaborado um modelo que inclui aspectos de estudos sobre cooperação, de forma a melhorar a compreensão do fenômeno estudado. Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem qualitativa e estratégia estudo de caso, com coleta de dados por meio de entrevistas semiestruturadas com três representantes de empresas e três pesquisadores, participantes de projetos de cooperação U-E, e também com o gestor da agência/núcleo de inovação, responsável pelos três processos. Dados documentais, baseados nos registros da cooperação, termos de convênio, contratos de cooperação, projetos de pesquisa dos pesquisadores, entre outros, também foram analisados. Os principais resultados obtidos indicam que aspectos como acesso a recursos, custo e capacitação, permeiam todo processo de cooperação U-E; que a possibilidade de gerar contribuição significativa para a sociedade em termos econômicos, sociais e ambientais é relevante para ambos os atores; que a maioria dos aspectos apontados pelos entrevistados é coerente com aqueles identificados na literatura. Como contribuição relevante do estudo, considera-se a proposição de um novo modelo de análise da cooperação U-E, a partir da perspectiva de três fases.

Palavras-chave


Inovação; Cooperação U-E; Interação U-E; Colaboração U-E

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA NETO, R. C. D. (2004). A construção do conceito de gestão do conhecimento: práticas organizacionais, garantias literárias e o fenômeno social. Reuna, v. 9, n. 2, p. 57-74, Belo Horizonte.

ARAÚJO, V. DE C.; MASCARINI, S.; SANTOS, E. G. DOS; COSTA, A. R. (2015). A influência das percepções de benefícios, resultados e dificuldades dos grupos de pesquisa sobre as interações com empresas. Revista Brasileira de Inovação, v. 14, jan.-jun. p. 77-104, Campinas.

AXELROD, R. (2011). Launching “the evolution of cooperation”. Journal of Theoretical Biology. v. 299, p. 21-24.

BENEDETTI, M. H.; TORKOMIAN, A. L. V. (2010). Uma análise da influência da cooperação universidade-empresa sobre a inovação tecnológica. Revista Gestão da Produção, v. 17, n. 4, p. 145-158, São Carlos.

BONACCORSI, A., PICCALUGA, A. (1994). A theoretical framework for the evaluation of university-industry relationships. R&D Management, v. 24, n. 3, p. 229-240.

CAMARGO FILHO, N. L. DE; LIMA, J. J. DE M.; MENDINA, H. J. C. (2014). Mapeamento do estudo acadêmico contemporâneo em cooperação entre 2000 e 2013. Revista Brasileira de Gestão e Inovação. Caxias do Sul.

COSTA, P. R. DE; PORTO, G. S.; FELDHAUS, D. (2010). Gestão da cooperação empresa universidade: o caso de uma multinacional brasileira. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 1, p. 100. Curitiba.

ETZKOWITZ, H.; PETERS, L. S. (1991). Profiting from knowledge: organizational innovations and the revolution of academics norms. v. 29, n. 2, pp. 133-166, Summer: Minerva.

FELLER, I.; AILES, C. P.; ROESSNER, J. D. (2002). Impacts of research universities on technological innovation in industry: evidence from engineering research centers. Research Policy, v. 31, p. 457-474.

FREEMAN, C. (1987). Technology policy and economic performance: a lesson from Japan London: Pinter.

IACONO, A.; ALMEIDA, C. A. S. DE; NAGANO, M. S. (2011). Interação e cooperação de empresas incubadas de base tecnológica: uma análise diante do novo paradigma de inovação. Revista de Administração Pública, v. 45(5), p. 1485-1516, Rio de Janeiro.

IPIRANGA, A. S. R.; FREITAS, A. A. F.; PAIVA, T. A. (2010). O empreendedorismo acadêmico no contexto da interação universidade–empresa–governo. Cadernos Ebape, v. 8(4), p. 676-693.

KUHL, M. R. (2012). Interdependência entre a colaboração para inovação e o desempenho sustentável na indústria brasileira de eletroeletrônicos. Tese de Doutorado, Curitiba, Universidade Federal do Paraná.

KUNZ, I. (2003). Relação universidade-empresa: uma análise a partir da interação Unicamp empresas no período 1996-2001. Dissertação de Mestrado. Campinas, UNICAMP.

LOPÉZ-MARTINEZ, R. E.; MEDELLÍN, E; SCALON, A. P. & SOLLEIRO, J. L. (1994). Motivations and obstacles to university industry cooperation (UIC): a Mexican case”. R & D Management, v. 24, n. 1, p. 1731.

MATEI, A. P.; ECHEVESTE, M. E.; CATEN, C. S. TEN.; ZOUAIN, R. N. A. (2012). Avaliação da qualidade demandada e diretrizes de melhoria no processo de interação universidade-empresa. Produção. v. 22, n. 1, p. 27-42, jan./fev. Porto Alegre.

MOTA, T. L. N. G. (1999). Interação universidade-empresa na sociedade do conhecimento: reflexões e realidade. Ciência da Informação, 28(1), 79-86.

NOVELI, M. (2006). Cooperações tecnológicas universidade-empresa em parques tecnológicos: estudo de casos múltiplos no Tecnopuc. Dissertação de Mestrado. Curitiba.

OCDE, ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO. (2005). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. [S.l.]: OCDE.

PLONSKI, G. A. (1999). Cooperação universidade-empresa: um desafio gerencial complexo. Revista de Administração. v. 34, n. 4, p. 5-12, out/dez. São Paulo.

PORTO, G. S. (2000). A decisão empresarial de desenvolvimento tecnológico por meio da cooperação universidade-empresa. Tese Doutorado em Administração, São Paulo: Universidade de São Paulo.

PUFFAL, D. P; RUFFONI, J.; SCHAEFFER. P. (2012). Características da interação universidade empresa no Brasil: motivações e resultados sob a ótica dos envolvidos. Gestão Contemporânea. Edição especial. Porto Alegre.

SBRAGIA, R.; STAL, E.; CAMPANÁRIO, M.; ANDREASSI, T. (COORD.). (2006). Inovação: como vencer esse desafio empresarial. São Paulo: Editora Clio.

SEGATTO, A. P. (1996). Análise do Processo de Cooperação Tecnológica Universidade-Empresa: um estudo exploratório. Dissertação de Mestrado. São Paulo.

SEGATTO-MENDES, A. P. (2001). Teoria da agência aplicada à análise de relações entre os participantes do processo de cooperação tecnológica universidade-empresa. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

SEGATTO-MENDES, A. P.; SBRAGIA, R. (2002). O processo de cooperação universidade empresa em universidades brasileiras. Revista de Administração. v. 37, n. 4, p. 58-71, São Paulo.

SHIMA, W. T.; SCATOLIN, F. D. (2011). Uma comparação das universidades/institutos de pesquisa e das empresas sobre o processo de interação. Revista de Economia, v. 37, n. especial, p. 213-238.

STAL, E.; FUJINO, A. (2005). Aprimorando as relações universidade-empresa-governo no Brasil: a Lei de inovação e a gestão da propriedade intelectual. Anais XI Seminários Latino Iberoamericano de Gestión Tecnológica, ALTEC. Salvador.

TARTARI, V.; SALTER, A.; D’ESTE, P. (2012). Crossing the rubicon: exploring the factors that shape academics’ perceptions of the barriers to working with industry. Cambridge Journal of Economics, v. 36, n. 3, p. 655-677.

VEDOVELLO, C.; PLONSKI, G. A. (1990). Cooperação universidade-empresa no campo da Física. Revista de Administração, v. 25 (1), p. 151-156, jan./mar. São Paulo.

WEBSTER, A. J; ETZKOWITZ, H. (1991). Academic-industry relations: the second academic revolution? A framework paper for the proposed workshop on academic-industry relations. Science Policy Support Group. v. 12. London.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i4.23090

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)