ANÁLISE COMPARATIVA BAHIA-BRASIL DA INTRODUÇÃO DAS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO MERCADO A PARTIR DOS DADOS DA PINTEC NO PERÍODO DE 2009 A 2014, SOB A ÓTICA DA TEORIA EVOLUCIONÁRIA

Severiano José Mota Neto

Resumo


Este artigo busca apresentar inicialmente a contribuição da abordagem neoschumpeteriana a partir da concepção da evolução das espécies de Spencer, Lamarck e Darwin, analisando a quebra dessa tipificação e como foi desenvolvido o pensamento mais recente, apontando os contrapontos e congruências com a teoria neoclássica. Assim, apresentam-se as características básicas da teoria neoschumpeteriana: paradigma, aprendizagem e o sistema nacional de inovação no Brasil e sua nova percepção. Nesse sentido, o objetivo do trabalho foi analisar a introdução das inovações tecnológicas no mercado a partir dos dados da Pintec de 2009 a 2014, para tanto se utilizou uma metodologia de análise qualitativa, com abordagem exploratória descritiva. Os resultados do trabalho apontam para necessidade de haver maiores investimentos por parte das empresas no que tange ao objeto de estudo da pesquisa e que a relação das abordagens evolucionárias são condizentes com a evolução dos indicadores analisados.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMAS, Rondinaldo; GUERRA, Oswaldo. Sobre o conceito de cluster industrial. (artigo) 2004.

AMARAL FILHO, Jair do. A Endogeneização do desenvolvimento econômico, Revista Planejamento e Políticas Públicas, n. 23 (2001).

CARDOSO, Larry C.; FAÇANHA, Luís Otávio. Uma introdução à teoria dos jogos. In: KUPFER, David; HASENCLEVER, Lia (Orgs.). Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002. Cap.8.

CASSIA, Adalberto de Ramos; ZILBER, Silvia Novaes. Orientação estratégica e atividades inovativas: uma análise a partir dos dados da PINTEC no período de 1998 a 2011. Gest. Prod., São Carlos , v. 23, n. 3, p. 447-458, Sept. 2016 . Available from . access on 17 Apr. 2017. Epub July 14, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/0104-530x2333-15.

CAVALCANTE, Luiz Ricardo Dantas. Produção Teórica em Economia Regional: Uma proposta de sistematização. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, .v 02, p. 09-32 (2008).

FIANI, R. Cooperação e conflito. Instituições e desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

GUIMARÃES, Eduardo Augusto de Almeida. Organização Industrial: a necessidade de uma teoria. Política e planejamento econômico. Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, 1979.

IGLIORI, Danilo Camargo. Economia dos clusters industriais e inovação. Iglu. São Paulo (2001).

KUPFER, D. Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticos no Brasil. Rio de Janeiro. 13ª Reimpressão. Elsevier, 2002.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Disponível em: . Acesso 13 de Março de 2012.

MIRA, E. C. O desenvolvimento econômico além do mainstream: institucionalismo e outras perspectivas. In: 2ª Conferência do Desenvolvimento CODE/IPEA, 2011. Brasília. 2ª Conferência do Desenvolvimento. 2011. Acessado em dezembro de 2014. Disponível em: .

NAKANO, Davi Noboru. Uma comparação entre tipos de estratégia tecnológica de oito empresas brasileiras. Escola Politécnica de São Paulo, 1997.

NELSON, Richard; WINTER, Sidney. An Evolutionary Theory of Economic Change, Cambridge: Harvard University Press, 1982.

OKIMURA, Rodrigo Takashi. Estrutura de propriedade, governança corporativa, valor e desempenho das empresas no Brasil. São Paulo: USP (Dissertação – Mestrado em Administração), 2003.

POSSAS, Mario Luiz. Estruturas de mercado em oligopólio. São Paulo: Editora Hucitec, 1990.

POSSAS, Mario Luiz. Organização das grandes corporações. In: KUPFER, David; HASENCLEVER, Lia (Orgs.). Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002. Cap. 17.

RAPINI, Marcia. Instrumentos Financeiros de Apoio à Inovação: Como é a participação das empresas mineiras. Instituto de economia/UFRJ: 2010.

ROSENBERG, Nathan. The direction of technological change. Inducement mechanisms and focusing devices. Economic Development and Cultural Change, v.18, n.1, p. 1-24, october 1969.

SANTOS, Milton. Economia Espacial: Críticas e Alternativas. Editora Universidade de São Paulo. 2011, p.47.

SCHUMPETER, Joseph A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997. 237 p.

SHIKIDA, Periz Francisco Assis; LOPEZ, Ortiz. A questão da mudança tecnológica e o enfoque neoclássico. Teor. Evid. Econ., Passo Fundo, v. 5, n. 9, maio 1997, p. 81-92.

SMITH, Adam. A riqueza das nações: uma investigação sobre sua natureza e suas causas. v.1. São Paulo: Nova Cultural. 1996. 479 p.

SOLOW, Robert Merton. El cambio técnico y la función de producción agregada. 1979.

TIGRE, Paulo Bastos. Gestão da Inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro, Campus, 2006.

TREVIÑO, Leonel Corona. Teorías Económicas de la Tecnología. Editora: Jus, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i3.23050

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)