A IMPORTÂNCIA DAS PATENTES NO CENÁRIO DA ESTRATÉGIA COMPETITIVA DOS BRICS

Marcelo De Melo Silva, Carla Gomes Beuter Diogenes

Resumo


O Objetivo deste artigo é fornecer uma visão estratégica do cenário de gestão no processo decisório do registro de patentes, relacionado ao BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), incluindo adicionalmente a Coréia do sul. Os BRICS são cada vez mais importantes no Cenário Global, e a pesquisa apresenta diversos cenários competitivos, como Patentes, Macroeconomia, Disponibilidade de Capital, Jurídico, Inovação, Educação, Investimento em P&D, onde a Coréia do Sul é destaque com desenvolvimento acima da média; o método de interpretação foi o dedutivo, com abordagem exploratória, de natureza qualitativa e teve como instrumento de coleta de dados a pesquisa bibliográfica, na Internet, em artigos, publicações em revistas eletrônicas e outras fontes; onde as Considerações Finais possuem recomendações futuras, como a agilidade dos exames de patentes no Brasil, a melhoria na relação entre Universidades e Empresas, evidenciando a possibilidade do aprofundamento estratégico das soluções encontradas

Palavras-chave


Patentes; BRICS; Brasil

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, J. J. F. Como Fazer Uma Pesquisa Bibliográfica; Universidade Federal do Ceará. Disponível em: <200.17.137.109:8081/xiscanoe/.../Como%20fazer%20pesquisa%20bibliografica. pdf>. Acesso em: 03 maio 2017; BARBIERI, José Carlos. Álvares, Antonio Carlos Teixeira. Estratégia de Patenteamento e Licenciamento de Tecnologia; Conceitos e Estudo de Caso. Revista Brasileira de Negócios – FECAP, Ano 7, Número 17, Abril 2005.

CANDELIN-PALMQVIST, H., Sandberg, B., & Mylly, U.-M. (2012). Intellectual property rights in innovation management research: a review. Technovation, 32(9-10), 502-512. doi: 10.1016/j.technovation.2012.01.005.

CARVALHO, M. M. de. Inovação: Estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas, 2009. 161 p.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Competitividade Brasil 2016 : comparação com países selecionados. – Brasília CNI, 2016. 93 p. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2017;

CORNELL UNIVERSITY, INSEAD, and WIPO (2016): The Global Innovation Index 2016: Winning with Global Innovation, Ithaca, Fontainebleau, and Geneva; Disponível em: https://www.globalinnovationindex.org/. Acesso em: 15 mar. 2017;

CORNELL UNIVERSITY, INSEAD, and WIPO (2017): The Global Innovation Index 2017: Innovation Feeding the World, Ithaca, Fontainebleau, and Geneva; Disponível em: https://www.globalinnovationindex.org/. Acesso em: 15 mar. 2017;

FLEURY, A. C. C.; FLEURY, M. T. L. Estratégias Competitivas E Competências Essenciais: Perspectivas Para A Internacionalização Da Indústria No Brasil; Revista Gestão e Produção, v.10, n.2, p.129-144, ago 2003.

GRIESINGER, D. Brics procuram consenso na Rússia sobre Propriedade Intelectual, Moscou. 2016. Disponível em:

HANEL, P. (2006). Intellectual property rights business management practices: a survey of the literature. Technovation, 26(8), 895-931. doi:10.1016/j.technovation.2005.12.001

HADZIMA, JR, How To Tell What Patents Are Worth, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2017.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de Metodologia Científica 1. 5.ª ed. - São Paulo: Atlas 2003, 291 p.

LOIOLA, E.; MASCARENHAS, T. Gestão de Ativos de Propriedade Intelectual: um Estudo sobre as Práticas da Braskem S.A. ANPAD, Rio de Janeiro, Jan./Fev. 2013, n.1, art.3, pp. 42-63. Disponível em: < http://www.anpad.org.br/rac >. Acesso em: 14 mar. 2017.

LUECKE, R. Estratégia. Rio de Janeiro: Record, 2009. 195 p.

LEI Nº 9.279 - Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI, 1996.

MACEDO, Maria Fernanda Gonçalves; BARBOSA, A. L. Figueira. Patentes, Pesquisa & Desenvolvimento: um manual de propriedade industrial./ Maria Fernanda Gonçalves e A. L. Figueira Barbosa. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000. 64 p.

PINTEC 2008. Pesquisa de inovação tecnológica: 2008 / IBGE, Coordenação de Indústria. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. 164 p.

PINTEC 2014. Pesquisa de inovação: 2014 / IBGE, Coordenação de Indústria. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. 105 p.

PROENÇA, A. et al. Gestão da Inovação e Competitividade no Brasil. Porto Alegre: Bookman, 2015. 243 p.

ROSSI, J. L. J, et. al. Relação entre a estratégia de inovação da empresa e a sua decisão de patentear: evidência de empresas pertencentes ao sector da indústria transformadora colombiano. Estudios Gerenciales, Vol. 29 Nº.128, Jul/Set. 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2017.

SILVEIRA, N. Propriedade Intelectual: propriedade industrial, direito do autor, software, cultivares. 3. ed. rev. e ampl. Barueri, SP: Manole, 2005.

UNINTER. CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER. Panorama sobre o Ambiente Empresarial. Curitiba, 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2017.

UNINTER. CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER. Formas de Entender a Estratégia. Curitiba, 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2017.

UNISANTA. UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA. A Pesquisa E Suas Classificações. Santos, 2017. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

WIPO. Global Patent Applications Rose to 2.9 Million in 2015 on Strong Growth From China; Demand Also Increased for Other Intellectual Property Rights. Geneva, November 23, 2016 PR/2016/802. Disponível em: Acesso em; 19 abr. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i3.22949

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)