A PATENTE DE MODELO DE UTILIDADE COMO FERRAMENTA DE ESTÍMULO AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NACIONAL

Sonia Cristina Sequeira Gama, Edimilson Junqueira Braga, Ricardo Carvalho Rodrigues

Resumo


Em países em desenvolvimento como o Brasil, nos quais o perímetro médio do potencial inovativo de modo geral se localiza a certa distância aquém do limiar tecnológico dos países desenvolvidos, a grande maioria de novos desenvolvimentos situa-se mais na esfera dos modelos de utilidade do que no campo das invenções. A questão é: no Brasil as patentes de modelo de utilidade efetivamente ajudam a promover o desenvolvimento tecnológico local? Assim sendo, o objetivo do presente trabalho é analisar a participação de residentes/nacionais no cenário patentário brasileiro – em especial nos depósitos de modelos de utilidade - e verificar como essa modalidade de proteção é utilizada em outros países do mundo. A conclusão do estudo aponta a necessidade de repensar e readequar o regime de modelo de utilidade no marco legal nacional para transformá-lo em efetiva ferramenta de desenvolvimento da indústria Brasileira.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Denis Borges. Proteção dos Modelos de Utilidade e dos Designs. 2002. Disponível em . Acesso em 21 set. 2015.

BARCELOS, Vivian et. al. The use of intelectual property in Brazil. Economic Research Working Paper No. 23. WIPO. 2014.

BRAGA, Edimilson Junqueira. Um breve histórico da propriedade industrial no Brasil e o papel do Modelo de Utilidade como desenvolvedor da indústria nacional. Prova didática para especialista Sênior em Propriedade Intelectual - INPI. Rio de Janeiro. 2013.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Disponível em . Acesso em 11 jul. 2008.

DING, Yuan. Should China keep the present Utility Model System? A Look at the Experiences of Germany, Japan, and the United States and the Prospect in China. Agosto, 2012. MIPLC Master Thesis Series 2010/11. Disponível em . Acesso em 29/09/2015.

IDS - Instituto Dannemann Siemsen de Estudos Jurídicos e Técnicos. Comentários à lei de propriedade industrial. 3ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2013.

KARDAM, J. S. Utility Model – a tool for economic and technological development: a case study of Japan. Setembro, 2007. Final report in fulfilment of the long term fellowship sponsored by WIPO. Disponível em: . Acesso em 29/09/2015.

MARTINS, Eliane Maria Octaviano. Da OMC e a aplicabilidade do acordo TRIPS no Brasil. Revista Jurídica Eletrônica UNICOC, out 2002. Disponível em: . Acesso em 18 jul 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. 14/05/1996. Casa Civil – Subchefia para Assuntos Jurídicos – Lei No 9.279 de 14 de maio de 1996. Disponível em . Acesso em 10 jul. 2008.

RICHARDS, John. Utility model protection throughout the world. Boletim Ladas & Parry LLP. 2010.

SUTHERSANEN, Uma. Utility Models and Innovation in Developing Countries. London: United Nations Conference on Trade and Development (UNCTAD), 2006.

TEECE, David. J. Profiting from Technological Innovation: Implications for Integration, Collaboration, Licensing and public Policy. Research Policy, vol. 15, p. 285-305, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v9i4.17938

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)