OS IMPACTOS DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO NA PRODUÇÃO DE UVA, NOS MUNICÍPIOS DOS VALES DA UVA GOETHE - SC

Michele Domingos Schneider, Julio Cesar Zilli, Adriana Carvalho Pinto Viera

Resumo


A região de Urussanga é reconhecida pelo cultivo da uva Goethe, produto com características únicas e reconhecido com a implantação da Indicação de Procedência Vales da Uva Goethe, em 2012. Desta forma, este artigo tem por objetivo analisar os impactos da IPVUG e as contribuições para o desenvolvimento socioeconômico para os produtores de uva Goethe. A metodologia de pesquisa é descritiva, documental com abordagem qualitativa. Utilizou-se fontes secundárias disponíveis no IBGE cidades, considerando a variável temporal de 2004 a 2014, nas cidades pertencentes a IG. Os dados apontam que houve pequeno crescimento da área plantada de uvas. A produção de uvas apresenta variações positivas. Os valores da produção ampliaram consideravelmente. O valor pago pela uva apresenta notória a agregação de valor ao produto, principalmente a partir de 2012. Neste sentido, novos estudos devem ser delineados considerando as contribuições técnicas aos produtores e estender as análises para produção e comercialização do vinho Goethe.

Texto completo:

PDF

Referências


ARBAGE, A. P. Fundamentos de economia rural. 2. ed Chapecó, SC: Argos, 2012.

BARCELLOS, N. R. Aspectos Jurídicos das Indicações Geográficas no Setor Vitivinícola Brasileiro. 2012. 20 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Jurídicas e Sociais, Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2016.

BATALHA, M. O. Gestão agroindustrial. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BOSERUP, E. The conditions of agricultural growth: the economics of agrarian change under population pressure. New Brunswick; London: Aldine Transaction, 1965. 124 p.

BRUCH, K.L. Signos distintivos de origem: entre o velho e o novo mundo vitivinícola. Tese de Doutorado, PPDG/UFRGS, Porto Alegre, 2011.

CASABIANCA, F.; SYLVANDER, B.; NOËL, Y.; BÉRANGER, C.; COULON, J.B.; RONCIN, F. Terroir et typicité : deux concepts-clés des Appellations d’Origine Contrôlée. Essai de définitions scientifiques et opérationnelles. Communication au Symposium International Territoires et enjeux du développement régional. Lyon, 9-11 mar. 2005.

COSTA, A. J. de O. O poder da agricultura empresarial. São Paulo: Saraiva, 2007.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed Bookman, 2007.

______. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed Porto Alegre: Artmed, 2010.

ECOAGRO – Disponível em: http://www.ecoagro.agr.br/agronegocio-brasil. Acesso em: 10 Set. 2016.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA. Concentração geográfica da agricultura familiar no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 10 Set. 2016.

ESTEVAM, D. de O.; MIOR, L. C. (Org.) (). Inovações na agricultura familiar: as cooperativas descentralizadas em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 2014.

FACHIN, O. Fundamentos de metodologia. 4.ed São Paulo: Ed. Saraiva, 2003.

GONÇALVES, M. F. W. Propriedade Industrial e a Proteção dos Nomes geográficos - Indicações geográficas, indicações de procedência e denominações de origem. Curitiba: Juruá, 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Censo Agropecuário 2006. Disponível em: . Acesso em: 17set2016.

Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI. Guia Básico – Indicação Geográfica. Disponível em: . Acesso em: 16 de abril de 2016.

JUNIOR, S. S. et al. Padronização de produtos das agroindústrias rurais e a inserção nos mercados. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 18, n. 2, p. 155-176, jun. 2013. ISSN 1982-6745. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2016. doi:http://dx.doi.org/10.17058/redes.v18i2.2933.

MAESTRELLI, S. R. Do parreiral à taça: o vinho através da história. Urussanga: EPAGRI, 2011.

MAPA – Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/ Acesso em: 10 Set. 2016.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7. ed São Paulo: Atlas, 2008.

PEREIRA, L.C.; VIEIRA, A.C.P. O Desenvolvimento regional a partir do enoturismo na região delimitada pela indicação de procedência dos Vales da Uva Goethe (IPVUG) – SUL DE SANTA CATARINA, In: Seminário de Ciências Sociais Aplicadas, IV, UNESC, Resumo, Criciúma, 2014.

PROGOETHE, Associação de produtores da uva e do vinho Goethe. Disponível em: http://www.progoethe.com.br/. Acesso em: 20 Set. 2014.

SILVA, J. F. G.; GROSSI, M. E. Del; CAMPANHOLA, C. O que há de realmente novo no rural brasileiro. Cadernos de Ciência e Tecnologia, EMBRAPA - Brasília, v. 19, jan/abril, p. 37-67, 2002.

VELLOSO, C. Q. Indicação Geográfica e desenvolvimento territorial sustentável: a atuação dos atores sociais nas dinâmicas de desenvolvimento territorial a partir da ligação do produto ao território (um estudo de caso em Urussanga, SC). 2008. 168 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

VIEIRA, A.C.P.; WATANABE, M.; BRUCH, K.L. Perspectivas de desenvolvimento da vitivinicultura em face do reconhecimento da Indicação de Procedência dos Vales da Uva Goethe. Revista Geintec. Vol.2. 2012. Disponível em: . Acesso em: 17set2016.

VIEIRA, A.C.P.; BRUCH, K.L.; NETO, R..J.; FELISBERTO, Z. A Indicação Geográfica como instrumento de promoção para o desenvolvimento econômico: caso da indicação de procedência dos Vales da Uva Goethe – SC., In: Seminário de Ciências Sociais Aplicadas, IV, UNESC, Resumo, Criciúma, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i2.17928

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)