ALINHAMENTO E VISÃO DA INDÚSTRIA NA PAUTA DOS ATORES DE INOVAÇÃO: O CASO DO RIO DE JANEIRO

Kelyane Silva, Gabriela Ichimura, Giselia Brito de Menezes Cibillo, Fabricius Nascimento Garcia Neto, Carlos de Mello Rodrigues Coelho

Resumo


Dada a relevância do setor industrial para a economia Fluminense, a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) entende que a Inovação é um catalisador do desenvolvimento econômico e busca, de forma estratégica e sinérgica, a atuação conjunta no Sistema de Inovação. O objetivo desse artigo é apresentar o modelo de interação e alinhamento dos interesses da indústria fluminense à pauta de desenvolvimento dos outros agentes do Sistema Regional de Inovação para o horizonte 2016-2026. Foram utilizados métodos criativos e a abordagem do Design Thinking no processo para incentivar a colaboração, engajamento, velocidade e efetividade do trabalho na coleta de informações e verificação da sinergia entre os atores. Como resultado, verificou-se que os atores do sistema de inovação do Rio de Janeiro não atuam em completa dinâmica sistêmica quando se trata em convergência de ações em prol da Inovação, principalmente para o tema de Direitos de Propriedade Intelectual. No entanto, está alinhado para a importância de fomentar ações voltadas ao fortalecimento de novas tecnologia. A continuidade do trabalho poderá proporcionar um ambiente de sinergia das ações e informações que cada instituição tem proposto para o tema de inovação dos próximos anos.

Texto completo:

PDF

Referências


CASSIOLATO, J. E., & LASTRES, H. M. (2008). Discussing innovation and development: Converging points between the Latin American school and the Innovation Systems perspective?, GLOBELICS, 2008.

CASSIOLATO, J. E.; SZAPIRO, M. H. S. Os dilemas da política industrial e de inovação: os problemas da Região Sudeste são os do Brasil. Leal, C.; Linhares, L.; Lemos, C, p.284-317, 2015. Acessado em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/7053

CNI – Perfil dos Estados até 2013, Acessado em: http://perfilestados.portaldaindustria.com.br/estado/rj

DE NEGRI, F., CAVALCANTE, L.R., Análise dos dados da PINTEC 2011 (Nota Técnica No. 15). Brasília, 2013.

GEM, Global Entrepreneurship Monitor Empreendedorismo no Brasil Relatório Executivo, 2014.

GII, The Global Innovation Index 2015: Effective Innovation Policies for Development, 2015.

LUNDVALL, B. National Innovation Systems—Analytical Concept and Development Tool. Industry & Innovation v.14, p. 95–119, 2007.

LYNN L. and M. REDDY. Linking technology and institutions: the innovation community framework, Research Policy, v.25 (1), p. 91–106, 1996.

OCDE, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Tradução da Financiadora de Estudos e Projetos. Paris, 2005.

OCDE. The OCDE Jobs Study, Paris, OCDE, v.I e II, 1994.

TIGRE, P.B. Gestão da Inovação: A Economia da Tecnologia no Brasil. Elsevier Brasil, V.1. 7ª tiragem, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v9i4.17736

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)