GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO E MAPEAMENTO DO POTENCIAL DO LABORATÓRIO NACIONAL DE COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA – LNCC/MCTI NA GERAÇÃO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Marcelo Luiz Mendes da Fonseca

Resumo


O objetivo do artigo é mapear o potencial de inovação e proteção intelectual para gerar negócios no LNCC. A análise se concentra em questões relativas à importância da propriedade intelectual no cenário globalizado e competitivo, no qual o conhecimento e a capacidade de inovar têm papel importante no desenvolvimento de uma nação. O estudo, de natureza exploratória, foi realizado por meio do levantamento de informações secundárias, disponíveis em trabalhos acadêmicos (dissertações, teses, artigos e livros) da área de economia da tecnologia e bases de dados do INPI, CNPq e LNCC e entrevistas. Conclui-se que os projetos de pesquisas do LNCC atendem à sua função básica de pesquisa científica, e há um esforço em alinhar suas ações com as diretrizes governamentais de desenvolvimento tecnológica e incremento de pesquisas aplicadas. Os resultados indicam que há uma maior concentração de linhas de pesquisas com potencial de aplicação na indústria e na área de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSUMPÇÃO, F. C.; TRZECIAK, D. S.; CORAL, E; PEREIRA, G. L. (Orgs.) Estrutura e planejamento de Núcleos de Inovação Tecnológica. Organizadores. Florianópolis: Inventta. IEL/SC; PRONIT, 2010.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR ISO/IEC 27002 – Tecnologia da informação. Técnicas de segurança. Código de prática para a gestão de segurança da informação. Brasília, 2005.

AMADEI, José Roberto Plácido e TORKOMIAN, Ana Lúcia Vitale. As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas. Ciência da Informação, vol. 38, nº 2. Brasília May/Aug 2009.

ARAÚJO, E. QUEIROGA, E. GROENNER, L. Política de Propriedade Intelectual e Inovação: a gestão nas universidades, o contrato de autores e inventores, termo de sigilo e a transferência de tecnologia. In: ADOLFO, L.G.S.; MORAES, R. Propriedade Intelectual em perspectiva (Orgs.). Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2008.

ASSAFIM, J. A Transferência de Tecnologia no Brasil (Aspectos Contratuais e Concorrência da Propriedade Industrial). Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

ABES, Mercado Brasileiro de Software: panorama e tendências, 2015 = Brazilian Software Market: scenario and trends, 2015 [versão para o inglês: Anselmo Gentile] - 1ª. ed. - São Paulo: ABES - Associação Brasileira das Empresas de Software, 2015

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2016

BRASIL. MCTI. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2019. Brasilia, 2016.

BOCCHINO, L. O.; OLIVEIRA, M. C. C; MAIA, M. S.; VON JELITA, R. R. R; MACHADO, R. F.; PENA, R. M. V. (eds.). Propriedade intelectual: conceitos e procedimentos. Publicações da Escola da AGU. Brasília: Advocacia-Geral da União, 2010

CARVALHO, P. E.; GARDIM, N. Boas práticas em cessão de licenças e publicação de edital para licenciamento de tecnologia com exclusividade, p. 287-304. In: M. E. R. Santos, P. T. M. Toledo, R. A, Lotufo (orgs.). Transferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Editora Komedi, Campinas, 2009

COTA JÚNIOR, M. B. G. Gestão da propriedade intelectual nas Instituições de Ciência e Tecnologia: o papel da Fapemig no fomento à inovação. Perspectivas em Pol. Públicas, Belo Horizonte, v. V, n. 9, pp. 103-149, 2012.

DIAS, J. Propriedade intelectual e os dez anos da lei de inovação: conflitos e pespectivas. 1. ed. Rio de Janeiro: Gramma Livraria e Editora ltda., 2014.

FUJINO, A.; STAL, E. Gestão da propriedade intelectual na universidade pública brasileira: diretrizes para o licenciamento e comercialização. Revista de Negócios, Blumenau, v. 12, n. 1, pp. 104-120, janeiro/março 2007

KOTLER, P.; KELLER K. Administração de Marketing. Ed 12. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

MCTI – Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil: relatório FORMICT 2012. Brasília: 2013.

RODRIGUES, H.M.S.S.; DORREGO, P.F.F.; JARDÓM-FERNÁNDEZ, C.M.F. en la capacidad de innovación de las empresas del sector de automoción de la Eurorregión Galicia norte de Portugal. Universidade de VIGO, 2009.

SALLES-FILHO, S.; BONACELLI M. B. M. Trends in the organization of public research organizations: lessons from the Brazilian case. Science and Public Policy, v. 37, pp. 193-204, 2010.

SEVERINO, A. Metodologia do trabalho científico. 23º ed. São Paulo: Cortez Editora, 2007.

SILVA, F. G.; HARTMAN, A; REIS, D.R, Avaliação do nível de inovação tecnológica nas organizações: desenvolvimento e teste de uma metodologia. Florianópolis: Revista Produção. v3, nº4. 2008.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

YIN. R. K. Estudos de caso: planejamento e métodos. 3. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v10i2.17496

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)