UMA INOVADORA INTERAÇÃO ENTRE INPI, APEX-BRASIL E O MERCADO: AS MARCAS COLETIVAS “SETORIAIS”

Pablo Regalado, Christiano Braga, Danièle Hervé, Patricia Barbosa, Paulo Vinhaes

Resumo


O presente trabalho visa mostrar a interação existente entre Marcas Coletivas requeridas no Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI e os Projetos Setoriais promovidos pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – Apex-Brasil, evidenciando sua aplicabilidade e importância para alavancar as exportações de produtos brasileiros. Para este estudo foram selecionados dois projetos setoriais de segmentos específicos do agronegócio: o apícola e o vitivinícola. Realizou-se uma análise quantitativa das empresas envolvidas em cada projeto, das divisas resultantes das exportações e, principalmente, da propensão a se registrar a marca de natureza coletiva no INPI. Por fim, destacou-se como resultado desta interação o conceito inovador das Marcas Coletivas “Setoriais”.

Palavras-chave


Inovação; Propriedade Intelectual; Marcas

Texto completo:

PDF

Referências


APEX-BRASIL. Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (2009).Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais: Branding. Disponível em: . Acesso em: abr. 2015.

APEXBRASIL. Portal da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

BARBOSA, P. M. S.; REGALADO, P. F. Determinação de origem, empoderamento dos produtores, redução de custos, riscos e desenvolvimento local: os múltiplos usos da marca coletiva no mercado de café. VIII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil, 25 a 28 de novembro de 2013, Salvador. Disponível em:. Acesso em: abr. 2015.

BRASIL. Instrução Normativa INPI/PR n° 19/2013 que dispõe sobre a apresentação e o exame do regulamento de utilização referente à marca coletiva. Disponível em: . Acesso em: abr. 2015.

BRASIL. Lei n°. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: . Acesso em: abr. 2015.

CAPELLARO, A. F. O desenvolvimento de marcas setoriais no Brasil: uma análise comparativa. 2013. 110f. Dissertação (Mestrado em Administração de Organizações). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, SP, 2013.

IBRAVIN. Instituto Brasileiro do Vinho. Avaliação Setorial (2013). Disponível em: . Acesso em: abr. 2015.

IBRAVIN. Instituto Brasileiro do Vinho. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

INPI. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Disponível em:

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

PORTAL DO BRAZIL LET´S BEE. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

TREGEAR, A.; GORTON, M. (2009), The challenges of sharing: brands as club goods. EuropeanJournalof Marketing, v. 43, n. 5/6, p. 826-842 apud CAPELLARO, A. F. O desenvolvimento de marcas setoriais no Brasil: uma análise comparativa. 2013. 110f. Dissertação (Mestrado em Administração de Organizações). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, SP, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/s.cprosp.2015.008.074

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)