PROSPECTANDO INFLUÊNCIAS ENTRE O CUSTO-BRASIL E INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO À LUZ DO MODELO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA

Antônio Suerlilton Barbosa Silva, Ana Clara Barbieri

Resumo


O Custo-Brasil implica em perda de competitividade no mercado internacional, representando um grande entrave para o crescimento do país. As empresas que aqui operam têm de conviver com a carga tributária excessiva, com a logística deficiente, com a burocracia onerosa, com a rigidez da legislação trabalhista, entre outros fatores. Segundo Silva (2013), o custo-país foi um dos fatores responsáveis pela retração do Investimento Direto Estrangeiro (IDE) direcionado ao Brasil após a crise de 2008, prejudicando o setor produtivo. Este artigo tem como objetivo geral evidenciar as componentes do Custo-Brasil e verificar se estas influenciaram a recepção do Investimento Direto Estrangeiro (IDE) no País, para o período 1996-2009. Nas análises decorrentes lançou-se mão do modelo de regressão linear múltipla, baseado no método dos mínimos quadrados ordinários (MQO). Os resultados encontrados mostraram que é preciso que o governo brasileiro trate dos gargalos da economia de maneira sistêmica para que o Custo-Brasil seja, a princípio, reduzido e, posteriormente, eliminado.

Palavras-chave


Custo-Brasil; Investimento Direto Estrangeiro (IDE); Modelo de Regressão Linear Múltipla.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, L. M. F.; AMARAL, G. L.; OLENIKE, J. E. Carga tributária brasileira 2012. Curitiba: Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2013.

ARAÚJO, C. A. L. O investimento direto estrangeiro chinês no Brasil e os determinantes para a escolha de setores pelas empresas investidoras. 2012. Dissertação (Mestrado Profissional em Desenvolvimento e Comércio) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2012.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Investimento estrangeiro direto. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2013.

BANCO MUNDIAL. Brasil: o custo Brasil desde 1990-92. Relatório n. 15663, Brasília, 10 dez. 1996.

BITENCOURT, M. B.; TEIXEIRA, E. C. Impacto dos encargos sociais na economia brasileira. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 53-86, 2008.

CNI. Cartilha custo Brasil. São Paulo: Confederação Nacional da Indústria, 1995.

CNI. Conclusões do 3º Encontro Nacional da Indústria. Brasília: Confederação Nacional da Indústria, 2008.

DECOMTEC. Encargos trabalhistas sobre folha de salários e seus impactos no Brasil e no mundo. FIESP, São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2013.

DECOMTEC. “Custo Brasil” e taxa de câmbio na competitividade da indústria de transformação brasileira. FIESP, São Paulo, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2013.

DOING BUSINESS. Reforming through difficult times. Banco Mundial, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2013.

DOING BUSINESS. Doing business in a more transparent world. Banco Mundial, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2013.

DOING BUSINESS. Smarter regulations for small and medium-size enterprises. Banco Mundial, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2013.

FERRETTI, R. C.; FUNCHAL, B. Efeito da regulação trabalhista e tributária nos investimentos no Brasil. Revista de Administração Mackenzie. São Paulo, v. 12, n. 4, 2011.

FRISCHTAK, C. R. O investimento em infra-estrutura no Brasil: histórico recente e perspectivas. Pesquisa e Planejamento Econômico. Brasil, v. 38, n. 2, 2008.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria básica. 5. ed. Porto Alegre: AMGH Editora, 2011.

HADDAD, E. A.; HEWINGS, G. Transportation costs and regional development: an interregional CGE analysis. In: European Congress of the Regional Science Association, 38., 1998, Austria. Disponívelem: . Acesso em: 12 abr. 2013.

HADDAD, E. A.; SANTOS, R. A. C. Eficiência relativa dos portos brasileiros: uma análise regionalizada. In: Encontro Nacional de Economia, 35., 2007, Recife. Anais..., Recife, 2007. Disponível em: < http://www.anpec.org.br/encontro_2007.htm>. Acesso em: 12 abr. 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Séries históricas e estatísticas. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2013.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Monitor da percepção internacional do Brasil. IPEA, ano 3, n. 7, jun. 2012.

LAPLANE, M. F.; SARTI, F. Investimento direto estrangeiro e a retomada do crescimento sustentado nos anos 90. Economia e Sociedade, Campinas, v. 6, n. 1, p. 143-181, 1997.

MANCUSO, W. P. O lobby da indústria no Congresso Nacional: empresariado e política no Brasil contemporâneo. Dados, Rio de Janeiro, v. 47, n. 3, 2004.

MARQUES, J. C. Business and diplomacy in the age of globalization: Brazilian multinational corporations. In: Brazilian Studies Programme, Oxford, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2013.

MONTES, G. C.; REIS, A. F. Investimento público em infraestrutura no período pós-privatizações. Economia e Sociedade, Campinas, v. 20, n. 1, p. 167-194, 2011.

OLIVEIRA, M. A. S.; TEIXEIRA, E. C. Aumento da Oferta e Redução de Impostos nos Serviços de Infra-Estrutura na Economia Brasileira: uma Abordagem de Equilíbrio Geral. Revista Brasileira de Economia, v. 63, n. 3, 2009.

PASTORE, J. A dimensão tributária dos encargos sociais. In: MARTINS, I. G. (Coord.). Desafios do Século XXI. São Paulo: Pioneira, 1997. p. 146-159.

SILVA, A. S. B. Condicionantes da investibilidade em cidades brasileiras selecionadas: um estudo à luz do modelo de regressão linear de efeito misto para o período 2002-2010. Tese (Doutorado em Gestão) – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Vila Real (Portugal), 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/s.cprosp.2015.008.073

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)