CENÁRIO TECNOLÓGICO RELACIONADO À UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS PARA PRODUÇÃO DE BEBIDAS ALCOOLICAS

Emanuela Monteiro Coelho, Luciana Cavalcanti Azevedo

Resumo


Frequentemente, a geração de resíduos industriais tem sido um tema de debate em vários setores econômicos. Por ser caracterizada como uma das maiores geradoras de resíduos orgânicos, a indústria alimentícia tem se dedicado a encontrar alternativas para o destino de seus resíduos, sendo a elaboração de bebidas alcoólicas uma delas. O levantamento realizado em bancos de patentes revela que nos últimos 40 anos, os países que se destacam com tecnologias de bebidas são: Estados Unidos, Alemanha e Japão, cujas patentes são registradas em maior numero pelas empresas privadas e cujos inventores também estão ligados a elas. No entanto, essas patentes estão relacionadas às tecnologias desenvolvidas para novas formulações que utilizam ingredientes funcionais, novos produtos e novas formas de apresentação (como em pó). O aproveitamento de resíduos para elaboração de bebidas alcoólicas ainda não é uma realidade nas indústrias de bebidas, mas já começa a despontar entre as tecnologias protegidas. Este novo nicho de mercado pode promover uma grande abertura comercial, já que envolve novas matérias-primas de baixo custo e que retiram do ambiente grandes volumes de resíduos orgânicos.

Palavras-chave


Resíduo sólido; bebidas; tecnologia

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, E. L. de; LIMA, L. C.; BORGES, V. T. N.; MARTINS, R. N.; BATALINI, C. Elaboração de licor de casca de tangerina (citrusreticulatablanco), variedade ponkan, com diferentes concentrações de casca e tempos de processamento. Revista Alimentação e Nutrição, Araraquara, v. 23, n. 2, p. 259-265, abr./jun. 2012.

ANDRADE, P. F. de S. SEAB – Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. DERAL - Departamento de Economia Rural. 2010.

BRASIL, I. M; MAIA, G. A; FIGUEIREDO, R. W. DE. Mudanças físico-químicas durante a extração e clarificação de suco de goiaba ( PsidiumGuajava L. Var. Pomifera). Pesquisa Agropecuária Brasileira. Brasília. V 30, n 8 RECCS. Fortaleza. p.1097-1106. 1995.

BRASIL. Lei n. 8.918 de 14 de julho de 1994. Decreto n. 2.314, regulamentada pelo Decreto n. 6.871, de 4 de junho de 2009. Dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 5 set. 1997. Seção 1. p. 19549 -19555.

BERGAMASCHI, K. B. Capacidade antioxidante e composição química de resíduos vegetais visando seu aproveitamento. Dissertação de Mestrado – Universidade de São Paulo: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Piracicaba. 2010.

COELHO, L. M.; WOSIACKI, G. Avaliação sensorial de produtos panificados com adição de farinha de bagaço de maçã. Revista Ciências e Tecnologia de Alimentos, Campinas, 30(3): 582-588, jul.-set. 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial 2013. V. 32., n.2; 2013.

Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/informacao/busca-de-patentes. Acesso em 11/08/2016.

MARTINELLI, O. Documento Setorial:Indústria de Alimentos e Bebidas. Instituto de Economia da UFRJ e Instituto de Economia da UNICAMP. 2009.

MOREIRA JR., S. Regulação da publicidade das bebidas alcoólicas. I CONEG, Brasília, fevereiro/ 2005. Disponível em: http://www12.senado.gov.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de-estudos/textos-para-discussao/td-20-regulacao-da-publicidade-das-bebidas-alcoolicas. Acesso em: 05/01/2014.

MONTEIRO, B. DE A. Valor nutricional de partes convencionais e não convencionais de frutas e hortaliças. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - Faculdade de Ciências Agronômicas. - Campus de Botucatu. Botucatu-SP. 2009.

MUSTAFA S. M.Caracterização química do licor de Vangueria infausta. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Eduardo Mondlane. 2012.

NEILSEN. Tendências o consumo de bebidas alcoólicas. 2008. Disponível em: http://pt.nielsen.com/news/20080819_Bebidas_Alcoolicas.shtml. 2008. Acesso em: 05/01/2014.

NOGUEIRA, A., SANTOS, L. D., WIECHETECK, F. V. B., GUYOT, S., WOSIACKI, G. Efeito do processamento no teor de compostos fenólicos em suco de maçã. Publ. UEPG Exact Soil Sci., Agriculturae Science Enginer, Ponta Grossa, 9 (3): 7-14, dez. 2003.

ROSA S. E. S. da; COSENZA J. P.; LEÃO L. T. de S. Panorama do setor de bebidas no Brasil. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 23, p. 101-150, mar. 2006.

TEIXEIRA L. J. Q., ROCHA C. T. da, SARAIVA S. H., PEÑA W. E. L., SARTORI M. A. Comparação da cinética de extração em licores de café utilizando diferentes fontes alcoólicas: álcool de cereais e cachaça. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011.

TEIXEIRA L. J. Q.; RAMOS A. M.; CHAVES J. B. P.; SILVA P. H.A. DA; STRINGHETA, P. C. Avaliação tecnológica da extração alcoólica no processamento de licor de banana. B.CEPBP. v. 223, , p. 322,9 jul./dez. 2005.

UENOJO M., PASTORE G. M. Pectinases: aplicações industriais e perspectivas. Revista Química Nova, Vol. 30, No. 2, 388-394, 2007.

VIERA V. B.; RODRIGUES J. B.; BRASIL C. C. B.; ROSA C. S. da. Produção, caracterização e aceitabilidade de licor de camu-camu (myrciaria dúbia h.b.k.)mcvaugh). RevistaAlimentação e Nutrição, Araraquara v. 21, n. 4, p. 519-522, out./dez. 2010.

WHO. World Health Organization. Global Status Report on Alcohol and Health 2014. Disponivel em: http://www.who.int/substance_abuse/publications/global_alcohol_report/en/ Acesso em: 11/08/2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v9i3.12687

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)