CLASSIFICAÇÃO, IDENTIDADE E MATÉRIAS ESTRANHAS DE FARINHA DE MANDIOCA COPIOBA: CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E CONTRIBUIÇÃO A INDICAÇÃO GEOGRÁFICA

Augusto César Martins Souza da Silva, Lorena Silva Pinho, Luciane Santos Sousa, Lídia Eloy Moura, Carolina Oliveira de Souza, Janice Izabel Druzian

Resumo


A farinha de mandioca Copioba tem potencial para Indicação Geográfica (IG) por ser um produto com grande notoriedade. Neste contexto, o estudo fez a classificação da farinha de mandioca Copioba, e avaliou os parâmetros de identidade, matérias estranhas e conformidade com a Legislação Brasileira, como contribuição a Indicação Geográfica.Um total de 10 amostras de farinhas de mandioca do Vale do Copioba/Recôncavo Baiano/BAfoi avaliado e os parâmetros comparados aos das Legislações Brasileiras (IN52/2011). As farinhas são do grupo “Seca”, classe “Fina”, Tipo 1(20% das amostras), 2 (40%) e 3 (40%), e 100% de “acidez baixa”.Os valores de umidade (80%) e fibra bruta (≤2,3%), 20% e 10%, respectivamente, estão não conformes. Todas as amostras apresentaram sujidades, destacando-se grãos de areia (100%), fios de nylon (90,48%) e fragmentos de insetos (90,48%), indicando a necessidade de aplicação das Boas Práticas de Fabricação.

Palavras-chave


Granulometria; Sujidades; Parâmetros de Identidade e Qualidade/PIQ

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/s.cprosp.2015.001.022

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)