O PAPEL DA MARCA COMO INSTRUMENTO DE APROPRIAÇÃO DA INOVAÇÃO NO MERCADO DE MEDICAMENTOS

Fernando Previdi Motta, Marcello do Nascimento Souza, Marcos Eduardo Pizetta Palomino

Resumo


A possibilidade das empresas tirarem proveito de suas inovações sofre influência direta do regime de apropriabilidade e da posição de seus ativos complementares. Na indústria farmacêutica não é diferente. A marca exerce um papel fundamental nesse processo, a partir do momento em que, concisa e diretamente, transmite uma mensagem ao mercado, reduzindo os custos de transação no momento de identificar produtos inovadores. Nesse prisma, discute-se de que forma a marca permite um aumento do nível de exclusão dos demais agentes e garante uma proteção extra após o prazo de vigência conferido às patentes de medicamentos ou enquanto dure o segredo industrial. Questiona-se também se a proteção trazida pelos instrumentos de propriedade intelectual, que garantem exclusividade sobre as inovações, é ou não suficiente para garantir o retorno dos investimentos realizados no desenvolvimento de fármacos, além de otimizar o lucro do investidor, questões essas que se encontram cada vez mais atuais.

Palavras-chave


Marcas. Medicamentos. Genéricos. Apropriabilidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/s.cprosp.2015.008.027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Rede NIT-NE - Cadernos de Prospecção ISSN:1983-1358 (impresso) / ISSN: 2317-0026 (on-line)