Pandemia e Política

Maria Elisabete Pereira dos Santos, Renata Alvarez Rossi

Resumo


Este texto passeia por alguns dilemas da nossa política em tempos de pandemia. Recorre a Albert Camus e a pensadores clássicos no campo do liberalismo, como Bernard Mandeville, Adam Smith e Friedrich Hayek, para discutir o significado, em tempos idos e nos dias de hoje, da exacerbação da tese da liberdade individual, em contextos de crise sanitária. Hannah Arendt, Richard Sennett e Wilhelm Reich, com Zé Ninguém, ajuda-nos a refletir sobre a complexa associação entre pandemia, autoritarismo e neofascismo. O texto recorre ainda a Lilia Schwarcz e a Jessé de Souza, com o objetivo de explicitar as raízes escravistas e autoritárias da sociedade brasileira. A discussão estrutura-se a partir da recorrência a textos dos referidos autores e conclui pela necessidade, no atual contexto de esquecimento da política, ataque à democracia liberal burguesa e hegemonia de forças políticas de extrema direita, nestes tempos de Zé Ninguém, de reinventar a esfera pública, a politica e o futuro.


Palavras-chave


Pandemia; Politica; Crise.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

CAMUS, Albert. La peste. Paris: Gallimard, 1972.

CHAUÍ, Marilena. Contra a Servidão Voluntária. Belo Horizonte: Autêntica Editora; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2013.

COASE, Ronald. The Nature of the Firm. Economica, New Series, v. 4, n. 16, n. 1937.

______. The Problem of Social Cost. The Journal of Law & Economics, v. III, 1960.

DUPAS, Gilberto. Tensões Contemporâneas entre o Público e o Privado. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2003.

HABERMAS, Jürgen. Mudança Estrutural da Esfera Pública. São Paulo: Tempo Presente, 1984.

HAYEK, Friedrich. O Caminho para a Servidão. Portugal: Edições 70, 2009.

HAYEK, Friedrich. Os Erros Fatais do Socialismo. Barueri: Faro Editorial, 2017.

KEYNES, J M. Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. São Paulo: Atlas, 1982.

MANDEVILLE, Bernard. A fábula das abelhas: ou Vícios Privados, Benefícios Públicos. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

MOUNK, Yascha. O povo contra a democracia: Porque nossa liberdade corre perigo e como salvá-la. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

NOBREGA, Mailson da. Imprimir dinheiro pode ser uma medida eficaz na Crise. Disponível em: http://mailsondanobrega.com.br/blog/imprimir-dinheiro-pode-ser-uma-medida-eficaz-na-crise/. Acesso em 10 de abril de 2020.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

OLIVEIRA, Nelson de. Neocorporatismo e Estado: A Construção do Espaço de Dominação Setorial. Revista O&S, Salvador, v.6, n. 15, mai./ago., 1999.

REICH, Wilhelm. Escute, Zé-Ninguém. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

SMITH, Adam. A Riqueza das Nações: Investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1996.

SANTOS, Boaventura de Souza. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Edições Almedina, 2020.

SCHWARCZ, Lilia. Sobre o Autoritarismo Brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SENNETT, Richard. O Declínio do Homem Público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SOUZA, Jessé. A Elite do Atraso. Rio de Janeiro: Edição Brasil, 2019.

WILLIAMSON, Oliver. Transaction Cost Economics and Organization Theory. Journal of Industrial and Corporate Change, n.2, p. 107-156, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/ns.v11i20.36632

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 NAU Social

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. ISSN: 2237-7840