Cotas Raciais em Concursos Públicos e a Perspectiva do Racismo Institucional

Lucas Mateus Gonçalves Bulhões, Dyego de Oliveira Arruda

Resumo


Este artigo objetiva compreender possíveis práticas de racismo institucional que podem ocorrer na aplicação da lei 12.990/2014, que regulamentou as cotas raciais em concursos públicos. Parte-se da perspectiva de que o racismo institucional se refere à um conjunto de atitudes e práticas organizacionais que fazem, de modo intencional ou não, com que as pessoas negras sejam estigmatizadas e inferiorizadas em função do seu pertencimento racial. Em suma, foram analisados editais para cargos administrativos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), de 2014 até 2018, a partir de uma abordagem metodológica qualitativa e crítica. Constatou-se que a UFRJ incorre em racismo institucional, mesmo que de modo não intencional, quando: não convoca cotistas negros no percentual definido pela legislação; pratica a segmentação de cargos, que impede com que vagas sejam destinadas para as cotas raciais; não contempla a convocação de cotistas em vagas excedentes e; permite com que as bancas de heteroidentificação sejam mais exigentes com determinados cargos. Em suma, as inferências do estudo sugerem um esforço de se (re)pensar a aplicação da lei 12.990/2014, tendo como propósito garantir a necessária reparação às pessoas negras historicamente subalternizadas no Brasil, em paralelo à possibilidade de estimular com que o serviço público seja um espaço racialmente mais inclusivo.


Palavras-chave


Ação Afirmativa; Sistema de Cotas; Racismo Institucional; Concurso Público

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Silvio Luiz. Racismo estrutural. São Paulo, SP: Pólen, 2019.

ANDERSON, Luvell. Racist humor. Philosophy Compass, v. 10, n. 8, p. 501-509, 2015. https://doi.org/10.1111/phc3.12240

AZEVEDO, Celia Maria Marinho de. A luta contra o racismo e a questão da identidade negra no Brasil. Contemporânea: Revista de Sociologia da UFSCar, v. 8, n. 1, p. 163-191, 2018. https://doi.org/10.4322/2316-1329.055

BONILLA-SILVA, Eduardo. Rethinking racism: toward a structural interpretation. American Sociological Review, v. 62, n. 3, p. 465-480, 1997. https://doi.org/10.2307/2657316

BRASIL. Instrução Normativa nº 3, de 1 de agosto de 2016. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 02 ago. 2016.

BRASIL. Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 jul. 2010.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 30 ago. 2012.

BRASIL. Lei nº 12.990, de 9 de junho de 2014. Reserva aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 jun. 2014.

CAMPOS, Gustavo de Aguiar; SILVA, Flávia Maria Soares Pereira da. Polícia e segurança: o controle social brasileiro. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 38, núm. esp. 2, p. 208-222, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703000213541

CAMPOS, Luiz Augusto. Racismo em três dimensões: uma abordagem realista-crítica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 95, p. 1-19, 2017. http://dx.doi.org/10.17666/329507/2017

DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas? Rio de Janeiro: Ed. Difel, 2018.

DEPEN – Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – ano de 2017. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, 2019.

DUARTE, Evandro Piza; FERREIRA, Gianmarco Loures. Sub-representação legal nas ações afirmativas: a lei de cotas nos concursos públicos. Revista de Direito Administrativo & Constitucional, v. 17, n. 70, p. 199-235, 2017. http://dx.doi.org/10.21056/aec.v17i70.494

FONSECA, Igor Ferraz da. Inclusão política e racismo institucional: reflexões sobre o Programa de Combate ao Racismo Institucional e sobre o Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial. Planejamento e Políticas Públicas – PPP, n. 45, p. 329-345, 2015.

GOMES, Irene; MARLI, Mônica. As cores da desigualdade. Retratos: a revista do IBGE, n. 11, p. 14-19, mai. 2018.

GUIMARÃES, Reinaldo da Silva. Considerações sobre um passado presente: o racismo no Brasil. O Social em Questão, v. 10, n. 15, p. 28-44, 2006.

HESSE, Barnor. Im/Plausible Deniability: Racism’s Conceptual Double Bind. Social Identities: Journal for the Study of Race, Nation and Culture, v. 10, n. 1, p. 9-29, 2004. https://doi.org/10.1080/1350463042000190976

JACCOUD, Luciana. (Org.). A construção de uma política de promoção da igualdade racial: uma análise dos últimos 20 anos. Brasília: IPEA, 2009.

LEÃO, Natália et al. Relatórios das desigualdades de raça, gênero e classe. Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA), n. 1, p. 1-21, 2017.

MARQUES JR., Joilson Santana. Políticas de ação afirmativa para negros no Brasil: elementos para uma reflexão inicial no serviço social. O Social em Questão, v. 20, n.37, p. 37-54, 2017.

MELLO, Luiz; RESENDE, Ubiratan Pereira de. Concursos públicos para docentes de universidades federais na perspectiva da lei 12.990/2014: desafios à reserva de vagas para candidatas/os negras/os. Revista Sociedade e Estado, v. 34, n. 1, p. 161-184, 2019.

MOEHLECKE, Sabrina. Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 117, p. 197-217, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742002000300011

MOREIRA, Adilson José. Racismo recreativo. São Paulo: Ed. Pólen, 2019.

MPF – Ministério Público Federal. MPF move ação contra a UFRJ por infringir sistema de cotas em concurso. 2019. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2019.

MUNANGA, Kabengele. Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas. Sociedade e Cultura, v. 4, n. 2, p. 31-43, 2001. https://doi.org/10.5216/sec.v4i2.515

NUNES, Georgina Helena Lima. Autodeclarações e comissões: responsabilidade procedimental dos/as gestores/as de ações afirmativas. In: DIAS, Gleidson Renato Martins; TAVARES JUNIOR, Paulo Roberto Faber. Heteroidentificação e cotas raciais: dúvidas, metodologias e procedimentos. Canos, RS: IFRS campus Canos, 2018, p. 11-31.

OLIVEIRA, Luís R. Cardoso de. Racismo, direitos e cidadania. Estudos Avançados, v. 18, n. 50, p. 81-93, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000100009

PALMA, Vanessa Cristina Lourenço Casotti Ferreira da. Educação, democracia e inclusão racial: análise da efetividade da lei de cotas para negros em concursos docentes de universidades federais. 2019. 334f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados-MS, 2019.

PARANÁ. Lei Estadual nº 14.274, de 24 de dezembro de 2003. Reserva vagas a afrodescendentes em concursos públicos. Diário Oficial do Estado do Paraná, Poder Executivo, Curitiba, PR, 24 dez. 2003.

RIO DE JANEIRO. Lei Estadual nº 4151, de 4 de setembro de 2003. Institui nova disciplina sobre o sistema de cotas para ingresso nas universidades públicas estaduais e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, Poder Executivo, Rio de Janeiro, RJ, 4 set. 2003.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à lava-jato. 1ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Estação Brasil, 2019.

STF – Supremo Tribunal Federal. Ação Declaratória de Constitucionalidade nº 41 – Distrito Federal. 2017. Diário de Justiça Eletrônico, 08 de junho de 2017. 186p.

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Edital nº. 293, de 10 de agosto de 2016 - Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos. In: BRASIL. Diário Oficial da União (DOU), n. 165, 2016.

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Edital nº. 390, de 21 de outubro de 2014 - Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos. In: BRASIL. Diário Oficial da União (DOU), n. 205, 2014.

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Edital nº. 455, de 17 de julho de 2017 - Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos. In: BRASIL. Diário Oficial da União (DOU), n. 145, 2017a.

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Edital nº. 861, de 22 de dezembro de 2017 - Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos. In: BRASIL. Diário Oficial da União (DOU), n. 247, 2017b.

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Graduação em números – Dados de alunos e cursos de graduação presenciais e a distância. 2017. Disponível em: . Acesso em 20 nov. 2019a.

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pró-Reitoria de Pessoal (PR-4). Disponível em: . Acesso em 20 de nov. 2019c.

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Quadro de referência dos servidores técnico-administrativos e quadro de docentes. 2019b. Disponível em: . Acesso em 18 nov. 2019b.

VITORELLI, Edilson. (2017). Implementação de cotas raciais em universidades e concursos públicos: problemas procedimentais e técnicas para sua superação. Revista de Direito Administrativo, 275, 95-124.

WERNECK, Jurema. Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde e Sociedade, v. 25, n. 3, p. 535-549, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-129020162610




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/ns.v11i20.35672

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 NAU Social

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. ISSN: 2237-7840