Mitos do Desenho Quase-experimental na Avaliação de Programas

Paulo de Martino Jannuzzi

Resumo


Embora a tese da natureza contingencial e humana da produção científica e tecnológica já seja de largo conhecimento de pesquisadores com formação nas Ciências Sociais, a vivência na Administração Pública revela que o positivismo comteano está ainda muito entre equipes técnicas envolvidas nos processos de formulação, avaliação e controle de Políticas e Programas Sociais. Tal postura é particularmente intensa entre pesquisadores que advogam que os desenhos experimentais e quasi-experimentais constituem o “padrão-ouro” de avaliação de políticas e programas, no que são referendados por manuais de órgãos multilaterais de fomento. Valendo-se de referenciais clássicos – e não tão clássicos - da Ciência e da Avaliação, este texto procura contrapor-se aos mitos das pretensa objetividade absoluta e da superioridade técnica dos desenhos experimentais e quasi-experimentais. Aponta-se os limites éticos e operacionais dessa abordagem, desnuda-se as estratégias de auto-referenciamento e legitimação empregados. Por fim advoga-se por uma perspectiva mais plural e socialmente reconhecida de Avaliação de Políticas e Programas, que o Campo de Públicas oferece na produção do conhecimento nessa área temática.

Palavras-chave


Palavras-chave: Avaliação; Quasi-experimento ; Positivismo; Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. ISSN: 2237-7840