Na floresta da cidade: experiências de mapeamentos sociais de indígenas na Amazônia urbana

Ana Maria Lima Daou

Resumo


O artigo discute experiências de mapeamentos participativos ou de mapeamentos sociais elaborados por populações tradicionais, indígenas em particular, que utilizam novas tecnologias de mapeamento na produção de cartografias sociais. O material analisado é parte das atividades realizadas no âmbito do Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia – PNCSA, consolidadas em fascículos que sintetizam o processo de elaboração e apresentam os mapeamentos produzidos por distintos grupos ou comunidades. Foram escolhidas para a análise as experiências de mapeamentos realizados por indígenas inseridos em cidades da Amazônia. As oficinas de mapeamentos sociais com atuação dos indígenas trazem elementos significativos para o entendimento de sua inserção na cidade, de sua apreensão do espaço urbano, bem como de estratégias de reprodução social que a vida em cidades ensejam. Resultam da elaboração dos automapeamentos reivindicação por terra e territórios bem como de outros direitos, especialmente no contexto urbano em que demandas de afirmação identitária emergem. Assim, processos de automapeamento tem promovido praticas de reconhecimento e políticas públicas para demandas de grupos específicos. As oficinas de automapeamentos dos indígenas apontam para usos inéditos das tecnologias de mapeamento social, para seu potencial de elaboração e reforço de identidades étnicas e para o reconhecimento da heterogeneidade que as cidades amazônicas encerram.

Palavras-chave


mapeamento participativo, mapeamentos social, auto mapeamento, indígenas em contexto urbano, Amazônia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. ISSN: 2237-7840