Os valores no cuidado em saúde de mulheres do campo

Bianca Rückert, Antônia Vitória Soares Aranha

Resumo


Este trabalho objetivou investigar os valores que atravessam a atividade do cuidado em saúde de mulheres do campo. Trata-se de uma pesquisa qualitativa envolvendo um grupo de cinco mulheres da região do Vale do Rio Doce, Minas Gerais, Brasil. A produção dos dados ocorreu através de observação participante e entrevistas semiestruturadas. O referencial teórico fundamentou-se na abordagem ergológica sobre o trabalho como atividade humana em diálogo com a Saúde Coletiva. Para análise dos dados, utilizou-se análise de conteúdo construtiva interpretativa. O estudo aponta para valores relacionados ao cuidado como relação intersubjetiva, ao reestabelecimento da dimensão normativa do ser, à integração homem-natureza e à solidariedade entre as mulheres cuidadoras. Ressalta-se o desafio de se incorporar as especificidades dos modos de fazer saúde das mulheres camponesas nas políticas públicas de saúde.

Palavras-chave: Conhecimentos, Atitudes e Práticas em Saúde; Cuidado Informal, População Rural; Terapias Complementares.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, João Tadeu; COSTA, Liduina Farias Almeida. Medicina Complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia Médica. Saúde Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 497-508, 2010.

AYRES, José Ricardo Carvalho de Mesquita. Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface – Comunic. Saúde Educ., Botucatu, v. 8, n. 14, p. 73-92, fev. 2004a.

AYRES, J. R. C. M. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 16-29, dez. 2004b.

BARROS, Maria Elizabeth Barros de. Seria possível uma prática do cuidado não reflexiva? O cuidado como atividade. In: PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Ruben Araujo (org). Razões públicas para a integralidade em saúde: o cuidado como valor. Rio de Janeiro, IMS/UERJ: CEPESC: ABRASCO, 2007. p. 113-126.

BOFF, Leonardo. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p. 27-96

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

_________. Escritos sobre a Medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

_________. Meio e normas do homem no trabalho. Pro-posições, v. 12, n. 2-3, (35-36), jul-nov, 2001.

DONNANGELO, Maria Cecília Ferro. Saúde e Sociedade. DONNANGELO, Maria Cecília Ferro; PEREIRA, Luiz. 2 ed. São Paulo: Duas Cidades, 1979. p. 13-28.

FREITAS, Taís Viudes. O Cenário atual da Divisão Sexual do Trabalho. In: Sempreviva Organização Feminista - SOF. Trabalho, corpo e vida das mulheres: crítica à sociedade de mercado. Maria Lúcia Silveira e Taís Viudes de Freitas (org). São Paulo: SOF, 2007. 96 p.

GOMES, Luciano Bezerra; MEHRY, Emerson Elias. Compreendendo a Educação Popular em Saúde: um estudo na literatura brasileira. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 7-18, jan, 2011.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena; LABOIRE, Françoise; LE DOARE, Hélène; SENOTIER, Danièle. Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora da Unesp, 2009. p. 67-75.

LIMA, Ângela R. A. et al. Ações de mulheres agricultoras no cuidado familiar: uso de plantas medicinais no sul do Brasil. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 365-72, abr-jun, 2014.

LUZ, Madel Terezinha; BARROS, Nelson Filice. Racionalidades Médicas e Práticas Integrativas em Saúde: Uma análise sócio-histórica e suas relações com a cultura atual. In: CAMPOS, Gastão Wagner et al. Tratado de Saúde Coletiva. 2. ed. rev. aum. São Paulo: Hucitec, 2012. p. 317-340.

LUZ, Madel Terezinha. Contribuição do conceito de racionalidade médica para o campo da saúde: estudos comparativos de sistemas médicos e práticas terapêuticas. In: LUZ, Madel Terezinha; BARROS, Nelson Filice. (Org.). Racionalidades e práticas integrativas em saúde: Estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: UERJ / IMS / LAPPIS, 2012a. p. 15-24.

LUZ, Madel Terezinha. Estudo comparativo de racionalidade médicas: medicina ocidental contemporânea, homeopática, chinesa e ayruvédica. In: LUZ, Madel Terezinha; BARROS, Nelson Filice. (Org.). Racionalidades e práticas integrativas em saúde: Estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: UERJ / IMS / LAPPIS, 2012b. p. 25-47.

MARQUES, Flávia Charão; BENVEGNÚ, Vinícius Cosmos; ERICE, Adriana Samper; DE CARLI, Ana Paula. As mulheres e as plantas medicinais: reflexões sobre o papel do cuidado e suas implicações. Revista Retratos de Assentamentos, v.18, n.1, 2015, p. 155-182.

MINAYO, Maria Cecília Souza. Saúde e doença como expressão cultural. In A. A. Filho, & M. C. G. B. Moreira (Orgs.). Saúde, trabalho e formação profissional. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1997. p. 31-39.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2014-2023. Ginebra: OMS, 2013.

PEDROSA, José Ivo dos Santos. Cultura popular e identificação comunitária: práticas populares no cuidado à saúde. In: MARTINS, Carla Macedo; STAUFFER, Anakeila de Barros (Org.) Educação e saúde. Rio de Janeiro: EPSJV / Fiocruz, 2007, p. 71-100.

PEREIRA, Isabel Brasil. A educação dos trabalhadores: valores éticos e políticos do cuidado em saúde. In: PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Ruben Araújo. Razões públicas para o cuidado em saúde: o cuidado como valor. Rio de Janeiro. IMS/UERJ: CEPESC: ABRASCO, 2007. p. 144-164

PINHEIRO, Roseni. Cuidado em Saúde. In: PEREIRA, Isabel Brasil; FRANÇA LIMA, Júlio César (org.). Dicionário de Educação Profissional em Saúde. 2 ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: EPSJV, 2009. p. 110-114.

PULGA, Vanderléia L. Contribuições do movimento de mulheres camponesas para a formação em saúde. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v.11, n. 3, p.573-590, set-dez. 2013.

REY, Fernando Luis González. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. Tradução de Marcel Aristides Ferrada Silva; Revisão técnica de Fernando Luis González Rey. São Paulo: Pioneira Thonson Learning, 2005. 188p.

RÜCKERT, Bianca; CUNHA, Daisy Moreira; MODENA Celina Maria. Saberes e Práticas de cuidado em saúde da população do campo: revisão integrativa da literatura. Interface Comunicação, Saúde, Educação. 2018; v. 22, n. 66, p. 903-14.

SCHWARTZ, Yves. DURRIVE, Louis (Org.). Trabalho e Ergologia: Conversas Sobre a Atividade Humana. Coord. da tradução e revisão técnica: Jussara Brito e Milton Athayde, 2° edição, Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2010. 318p.

SCHWARTZ, Yves. Trabalho e valor. Tempo Social. Revista de Sociologia. USP, São Paulo, p. 147-158, outubro de 1996.

TEIXEIRA, Iraí Maria de Campos; OLIVEIRA, Maria Waldenez. Práticas de cuidado à saúde de mulheres camponesas. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 18, supl. 2, p. 1341-1354, 2014.

THUM Moara A. et al. Saberes relacionados ao autocuidado entre mulheres da área rural do sul do Brasil. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 32, n. 3, p. 576-82, set 2011.

TRINQUET, Pierre. Trabalho e Educação: o Método Ergológico. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p. 93-113, ago. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.