Notas de um diário | Uma pequena coleção de epígrafes | Dois trabalhos de arte produzidos em Estados totalitários

Lara Ovídio

Resumo


Para resistir à vigilância, à opressão e silenciamento impostos pelos Estados totalitários, Ai Weiwei e Tania Bruguera experimentam diversas estratégias de trabalho. Provocados, os Estados entram no jogo, não para jogar, mas para impedir de alguma forma os jogadores e seus artifícios. Em meio a essa tensão, os espectadores são convocados a ocupar novos papéis porque a separação entre realidade e ficção já não faz sentido. Arte e vida são uma coisa só. Vou tomando notas de tudo que possa parecer útil, enquanto o Brasil flerta com um estranho fascismo liberal: estratégias de denúncia, estratégias de sobrevivência, mas, sobretudo, estratégias para não perder a esperança. Percebo que o jogo nunca acaba e também vou falar disso.

 

Palavras-chave: Arte e vida, Ai Weiwei, Tania Bruguera, Arte e política.


Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, Kristen. Chinese artist gets emergency brain surgery in Munich. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2009.

AZEVEDO, José Fernando. Eu, um crioulo. In: Caixa de Pandemia. São Paulo: n-1 Edições 2017/2018. p. 3-30.

BRANIGAN, Tania. Ai Weiwei ordered to switch off studio webcams. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2012.

_____, Ai Weiwei under house arrest. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2010.

BRUNO, Fernanda, BARRETO, Paola and SZAFIR, Milena. 2012. Survaillence aesthetics in Latin America: Work in progress. Surveillance & Society Vol 10(1): 83-89

BUTLER, Judith. “Levante”. In: LEVANTES. São Paulo: Edições SESC São Paulo, 2017. p. 23-36.

COMITÊ INVISÍVEL. Aos meus amigos: Crise e insurreição. São Paulo: n-1 edições, 2018.

DIDI-HUBERMAN, George (Org). Levantes. São Paulo: Edições SESC São Paulo, 2017.

GROYS, Boris. Arte, poder. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2015.

FISCHER-LICHTE, Erika. “Fundamentos para una estética de lo performativo” In: Estética de lo performativo (Madrid: Abada Editores, 2013), p.23-46.

HOBY, Hermione. Tania Bruguera: the more the secret police torture me, the better my art gets. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2015.

LEPECKI, André. Coreopolítica e coreopolícia. In: ilha v.13 n.1. Santa Catarina, UDESC, 2012. p. 41-60.

MOSQUERA, Gerardo. Cuba in Tania Bruguera’s work: the body is the social body. Tania Bruguera: on the political imaginary, Ed. Charta, Milán, Italia, 2009. Em espanhol: “Cuba en la obra de Tania Bruguera: El cuerpo es el cuerpo social”. Disponível em: http://www.taniabruguera.com/cms/210-1-Cuba+en+la+obra+de+Tania+Bruguera+El+cuerpo+es+el+cuerpo+social.htm

PELBALT, Peter Pál. Por uma arte de instaurar modos de existência que não existem. In: Laboratório de sensibilidades, 2014, p. 250-265. Disponível em: https://laboratoriodesensibilidades.wordpress.com/2017/05/02/por-uma-arte-de-instaurar-modos-de-existencia-que-nao-existem-peter-pal-pelbart/

RICUPERO, Cristina. Suspicious Minds. Disponível em: . Acesso em: 13.dez. 2018.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Fronteira, 2008.

______, Paula. O universo doméstico na era da extimidade: Nas artes, nas mídias e na internet. Revista Eco Pós. Arte, Tecnologia e Mediação. V.18 / N.1/2015.

SCHULLER. Tania Bruguera, a artista que desnudou a ditadura cubana. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2018.

WEIWEI, Ai. Ai Weiwei: The artwork that made me the most dangerous person in China. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.