Máquinas de visão: O MAHKU – Movimento dos Artistas Huni Kuin em suas práticas de experimentação visual

amilton pelegrino mattos

Resumo


O texto trata dos Laboratórios de Arte e Percepção (LAP), visando situa-los entre outras práticas do MAHKU – Movimento dos Artistas Huni Kuin como máquinas de visão. Máquinas de visão é o conceito de que lanço mão para uma compreensão das práticas visionárias do MAHKU, tais como desenhos, pinturas, murais e práticas de criação coletivas (LAP), em continuidade com diversas práticas que caracterizam os huni kuin como um povo que valoriza as experiências visuais liminais e os processos de transformação visual em suas práticas de conhecimento e corporalidade, tais como nixi pae (ayahuasca), cantos, danças, kene (grafismo), sonhos entre outras. Os LAP são a principal atividade desenvolvida pelo coletivo MAHKU visando o intercâmbio de saberes entre seu centro de pesquisas, o Centro MAHKU Independente, e instituições não-indígenas como universidades, museus e escolas de arte. 


Texto completo:

PDF

Referências


CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado – Pesquisas de antropologia política. Trad. Theo Santiago. São Paulo: Cosac Naify, [1974] 2003.

___________. Entre silêncio e diálogo. In: Lévi-Strauss. L’Arc Documentos. São Paulo: Editora Documentos, 1968.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O Anti-Édipo. Capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, [1972] 2011.

____________. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 4. Trad. Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, [1980] 1997.

____________. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 1. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, [1980] 1995.

____________. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 5. Trad. Peter Pal Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, [1980] 2012.

____________. Kafka: por uma literatura menor. Tradução Cintia Vieira da Silva. Belo Horizonte: Autêntica Editora, [1975] 2014.

FOUCAULT, M. O que é um autor? In: Ditos e Escritos, Vol. 3, Estética: Literatura e pintura, música e cinema. Org. Manoel Barros da Motta. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

___________. A história da loucura. Trad. José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.

GUATTARI, F. A paixão das máquinas. In: Cadernos de Subjetividade – PUC – SP, Vol. 1, nº. 1. São Paulo: Editora Hucitec, 1993

KEIFENHEIM, B. Nixi pae como participação sensível no princípio de transformação da criação primordial entre os índios kaxinawa no leste do Peru, In: LABATE, B. C.; ARAUJO, W. S. (orgs.). O Uso Ritual da Ayahuasca. Campinas: Mercado de Letras/São Paulo: Fapesp, 2002.

LAGROU, E. M. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

____________. No caminho da miçanga: um mundo que se faz de conta. Rio de Janeiro: Museu do Índio/FUNAI, 2016.

LÉVI-STRAUSS, C. O cru e o cozido – Mitológicas I. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. Rio de Janeiro: Cosac & Naify, [1964] 2004.

STENGERS, I. No tempo das catástrofes – resistir à barbárie que se aproxima. Trad. Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Cosac Naify, [2009] 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Metafísicas canibais: Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

VIRILIO, P. A máquina de visão. Trad. Paulo Roberto Pires. Rio de Janeiro: José Olympio, [1988] 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.