As vantagens de ser independente: inovação e criatividade na indústria brasileira de jogos digitais e suas influências no processo produtivo

Pedro Santoro Zambon

Resumo


Com consolidação tardia, a indústria brasileira de jogos digitais é constituída majoritariamente por empresas independentes, cujo processo produtivo é diretamente afetado por esta lógica. No tensionamento entre as grandes publicadoras de jogos digitais e os estúdios de desenvolvimento, o advento destas produtoras “indie” se transforma em uma alternativa ao processo de racionalização que suprime a criatividade em nome da estabilidade do retorno de investimento. Quando a subjetividade da demanda de um produto cultural influi na inovação de narrativas e mecânicas, uma cadeia produtiva com menos pressão de investimentos tem a possibilidade de promover rupturas com maior liberdade. Este artigo procura construir historicamente os motivos para a emergência de um cenário de produtoras independentes de jogos digitais no Brasil e refletir o impacto deste tipo de processo produtivo nos jogos gerados por elas.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, P.; TUSHMAN, M. L. Technological Discontinuities and Dominant Designs: A Cyclical Model of Technological Change. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 4, p. 604–633, 1990.

BENDASSOLI, P. F.; WOOD JR, T. Indústrias criativas e a “Virada Cultural”. [s.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 6 maio. 2013.

CARVALHO, J. M. de; ANDRADE, S. S.; ZAMBON, P. S. Crowdfunding para jogos digitais: estratégias de financiamento e a reconfiguração da cadeia produtiva. 2015. Disponível em: .

CAVES, R. Creative industries. Harvard: Harvard University Press, 2000.

CHAGAS, C. J. R.; ZAMBON, P. S.; MAGNONI, A. F. Estratégias de marketing e distribuição digital de games independentes no Brasil. In: III Congresso Internacional Red INAV / V Encontro Ibero-americano de Narrativas Audiovisuais, Bauru, SP. Anais... Bauru, SP: 2016.

COSTA, T. O mercado de games no Brasil existe? ACI Games Magazine, v. 1, n. 2, 2012.

CUCUEL, Q. The Innovation Process in the Video Game Industry. OTAGO MANAGEMENT GRADUATE, v. 10, p. 9–25, 2012.

DESIGNER X. Scratchware Manifesto - Phase One: Prelude to RevolutionHome of Underdogs, 9 maio 2000. . Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2016.

FLASHBACK. Entrevista com Cristóvão Remédios. Revista Flashback, v. Ed. Abril, n. 1, ago. 2004.

FLEURY, A.; NAKANO, D.; CORDEIRO, J. Mapeamento da Indústria Brasileira e Global. [s.l.] GEDI Games, 2014. .

GARRETT, M. 1983: o ano dos videogames no brasil. São Paulo: Edição do autor, 2011.

JAHN-SUDMANN, A. Innovation NOT Opposition: The Logic of Distinction of Independent Games. Eludamos. Journal for Computer Game Culture, v. 2, n. 1, p. 5–10, 2008.

KERR DE OLIVEIRA, J. Uma análise crítica do edital JogosBR 2004 para a compreensão do mercado brasileiro de jogos eletrônicos. Revista GEMInIS, v. 0, n. 2 Ano 3, p. 121–153, 2012.

LIPKIN, N. Examining Indie’s Independence: The Meaning of “Indie” Games, the Politics of Production, and Mainstream Cooptation. Loading..., v. 7, n. 11, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2016.

MARTIN, C. B.; DEUZE, M. The Independent Production of Culture: A Digital Games Case Study. Games and Culture, v. 4, n. 3, p. 276–295, 1 jul. 2009.

SANTOS, R. N. Reserva do mercado de informática:a experiência brasileira de 1971 a 1992. 2008. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: .

SOFTEX. Tecnologias de Visualização na Indústria de Jogos Digitais. Campinas: Softex, 2005. . Disponível em: .

SUPERDATA RESEARCH. Brazil digital games market report 2014. New York: SuperData, 2014. . Disponível em: .

TAPIA, J. R. B. A trajetória da política de informática brasileira. [s.l.] Papirus, 1995.

TSCHANG, F. T. Balancing the Tensions Between Rationalization and Creativity in the Video Games Industry. Organization Science, v. 18, n. 6, p. 989–1005, 2007.

WESTECOTT, E. Independent Game Development as Craft. Loading..., v. 7, n. 11, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2016.

ZALLO, R. La economía de la cultura (y de la comunicación) como objeto de estudio. Zer-Revista de Estudios de Comunicación, v. 12, n. 22, p. 215–234, 2007.

ZAMBON, P. S. Entrando na partida: a formulação de políticas de comunicação e cultura para jogos digitais no brasil entre 2003 e 2014. 2015. 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2016.

ZIMMERMAN, E. Do Independent Games Exist? In: Game On: The History and Culture of Videogames. [s.l: s.n.]p. 120–129.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.