I FESTIVAL DE CINEMA IRLANDÊS

Fernando Biagini Junior, Noélia Borges de Araújo

Resumo


O cinema nacional irlandês como indústria é uma máquina recente. Cresceu a partir do fomento da Screen Ireland, cuja meta era estimular a produção cinematográfica nacional e o uso da Irlanda como local para a produção de filmes internacionais. Os primeiros filmes com o investimento e apoio da instituição vieram a partir do início da década de 80. No cerne das produções estão aspectos econômicos e a identidade nacional. Até então, Irlanda e irlandês eram representados em obras britânicas e hollywoodianas de forma estereotípica. Buscou-se, então, a exposição da cultura irlandesa a partir de uma ótica interna e da representação da irlandesidade na era pós-moderna, que, hoje, com a abertura econômica do país, faz-se cada vez mais presente. O objetivo geral do I Festival de Cinema Irlandês foi exibir semanelmente filmes irlandeses aos alunos do nono ano da Escola Municipal Santa Rita, visando disseminar saberes e estimular debates acerca da temática dos filmes. A escolha de filmes foi baseada principalmente na viabilidade linguística (dublagem), classificação etária e tempo disponível. Buscou-se favorecer a reflexão dos alunos acerca de outras arenas cinematográficas, além das tradicionais, transferindo a lente pela qual os alunos enxergariam a cultura irlandesa, engendrando em um público habituado as produções brasileiras, americanas e inglesas outras estéticas cinematográficas, além de apresentar as questões identitárias e culturais do país, que, em comparação e contraste com a realidade baiana, pode estimular um entendimento mais amplo das possibilidades e papéis que tem o estudante do ensino público no cenário mundial contemporâneo.


Palavras-chave


Irlandesidade, cinema irlandês, ensino público, diálogo multicultural, festival de cinema

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Eliane Marchetti Silva. Os imigrantes e as ressignificações identitárias: ambivalência da brasilidade. Ponto e Vírgula, Revistas PUC-SP, n. 20, p. 06-22. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2016. Disponível em . Acesso em: 20 ago. 2018.

FERREIRA, Rafaela. Os filmes de maior público em 2019 no Brasil (até agora!). Adoro Cinema, São Paulo, 07/07/2019. Disponível em . Acesso em 16/11/2019.

MAGASIC, Michelangelo. Learning through watching: Streaming video in L2 English. The JALT CALL Journal, Vol. 3, N. 3, p. 199-209. Curtin University, 2017. Disponível em . Acesso em: 19 ago. 2018.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 1990.

MAZZARI, Mascurs Vinicius. Labirintos da Aprendizagem. São Paulo: Editora 34, 2012.

LONERGAN, Jack. Video in language teaching. Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press. 1984.

OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisa, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

PLAZA, Julio. Tradução Intersemiótica. São Paulo, Editora Perspectiva S.A., 1985.

RODRIGUES, Sara Cristina Ferreira. A Representação da Irishness no Cinema Nacional Irlandês. Universidade de Lisboa, 2011.

SANTAELLA, Lúcia. Arte & Cultura. São Paulo, Cortez Editora, 1982.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).