“O MAIS MONSTRUOSO DOS MONSTROS É O MONSTRO COM SENTIMENTOS NOBRES”: O ETERNO MARIDO, DE DOSTOIÉVSKI, E A TRADIÇÃO ROMANESCA

Amanda Naves Berchez

Resumo


O objetivo deste estudo é fazer uma investigação, de cunho crítico, histórico e teórico, sobre algumas das propriedades mais caras à tradição do romance enquanto gênero literário, a partir de uma perspectiva que leve em conta, por exemplo, as reflexões sobre a carnavalização da literatura de Mikhail Bakhtin, sobre a mistura de estilos de Erich Auerbach, sobre a seriedade cotidiana oitocentista de Franco Moretti, sobre a mediação do desejo de René Girard e sobre o humorismo moderno de Milan Kundera. Para tanto, a obra O eterno marido de Dostoiévski deve ser tomada como cenário emblemático e privilegiado para investigar, principalmente do ponto de vista histórico do gênero narrativo em prosa, as feições, as disposições, os questionamentos mais pertinentes ao estudo do romance, em especial o do século XIX.

Palavras-chave


Romance; O eterno marido; Dostoiévski; Teoria literária; Literatura ocidental.

Texto completo:

PDF

Referências


AUERBACH, Erich. Mimesis (A representação da realidade na literatura ocidental). São Paulo: Editora Perspectiva, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoievski. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

BARTHES, Roland. Introdução à análise estrutural da narrativa. In: BARTHES, Roland [et al]. Análise estrutural da narrativa. Introdução à edição brasileira de Milton José Pinto, tradução de Maria Zélia Barbosa. Petrópolis: Editora Vozes, 2011, p. 19-62.

______. O efeito de real. In: BARTHES, Roland [et al]. Literatura e Semiologia. Petrópolis: Editora Vozes, 1972, p. 35-44.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. O eterno marido. Tradução, notas e posfácio de Boris Schnaiderman. São Paulo: Editora 34, 2016.

GIDE, André. Dostoïevski. Paris: Gallimard, 1970.

GIRARD, René. Mentira romântica e verdade romanesca. Tradução de Lilia Ledon da Silva. São Paulo: É Realizações, 2009.

KUNDERA, Milan. A arte do romance. Tradução de Teresa Bulhões de Vera Mourão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

______. O dia em que Panurge não fará mais rir. In: ______. Os testamentos traídos. Tradução de Maria Luiza Newlands e Teresa Bulhões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. Tradução, notas e posfácio de José Marcos Macedo. São Paulo: Editora 34, 2000.

______. Nota sobre o romance. In: ______. Georg Lukács. Organização de José Paulo Netto. São Paulo: Ática, 1981.

MORETTI, Franco. O século sério. In: ______. A cultura do romance. São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 823-863.

______. O romance: história e teoria. Novos estudos (CEBRAP - Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). São Paulo, n. 85, p. 201-212, 2009. Disponível em: https://bit.ly/2JedqVq. Acesso em 24 de outubro de 2018.

ROBERT, Marthe. Romance das origens, origens do romance. Tradução de André Telles. São Paulo: Cosac Naify, 1979.

WATT, Ian. A ascensão do romance (Estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding). Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).