A AUTOTEORIZAÇÃO LITERÁRIA EM AMOR DE PERDIÇÃO E A HORA DA ESTRELA: UMA PONTE POSSÍVEL

William Fernandes de Oliveira

Resumo


Neste artigo, é nosso objetivo criar pontos de diálogo entre as obras literárias Amor de perdição (1862), de Camilo Castelo Branco, e A hora da estrela (1977), de Clarice Lispector, através da conceituação do que seja autoteorização literária. A partir disso, consideramos a literatura como forma auto reflexiva, ponto que também Jonathan Culler (1999) vem a corroborar. A autoteorização literária, embora não necessariamente um conceito fixo, pressupõe a literatura como meio já auto reflexivo, em que o texto se apresenta como texto, quebrando assim a verossimilhança da narrativa, levando, consequentemente, o leitor a um grau mais elevado de consciência com relação ao texto. Teoricamente, também apoiam nossas postulações Karin Volobuef, Sérgio Rouanet, Luiz Costa Lima e Zygmunt Bauman. Dessa forma, esperamos demonstrar que, através da autoteorização literária, mesmo existindo um grande período de tempo entre a publicação de cada narrativa escolhida, pode existir uma ponte em que as obras supracitadas convergem.

Palavras-chave


Autoteorização literária; Amor de perdição; A hora da estrela.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, M. de. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Martin Claret, 2003.

BAUMAN, Z. Sobre a verdade, a ficção e a incerteza. In: O mal-estar da pós-modernidade. Tradução de Mauro Gama, Cláudia Martinelli; revisão técnica de Luís Carlos Fridman. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998, p.142-159.

CASTELO BRANCO, C. Amor de perdição. São Paulo: Editora Galex, 2000.

CULLER, J. O que é teoria. O que é literatura e tem ela importância. In: Teoria literária: uma introdução. Tradução de: Sandra Vasconcelos. São Paulo: Beca, 1999.

LIMA, L. C. A questão do controle. In: O controle do imaginário & a afirmação do romance: Dom Quixote, As relações perigosas, Moll Flanders, Tristam Shandy. São Paulo: Cia das Letras, 2009, p.178-210.

LISPECTOR, C. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

ROUANET, S. P. (2007). A forma shandiana. Hipertrofia e subjetividade. In: Riso e Melancolia: a forma shandiana em Sterne, Diderot, Xavier de Maistre, Almeida Garrett e Machado de Assis. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p.17-33; p.46-59.

VOLOBUEF, K. Ironia romântica. In: A prosa de ficção do romantismo na Alemanha e no Brasil. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).