ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DISCURSOS MIDIÁTICOS ACERCA DA RUPTURA DA BARRAGEM DA MINA CÓRREGO DO FEIJÃO NO MUNICÍPIO DE BRUMADINHO (MG), OCORRIDA EM 25 DE JANEIRO DE 2019

Juliana Cabral Junqueira de Castro

Resumo


Este artigo pretende mostrar como um determinado evento – no caso a ruptura da Barragem da Mina Córrego do Feijão no município de Brumadinho (MG), ocorrida em 25 de janeiro de 2019 – pode assumir diferentes realidades em função dos discursos que o constroem dependendo de quais formações discursivas eles são pertencentes. Para tanto, analisamos e comparamos dois textos midiáticos, um retirado do jornal online O Estado de S. Paulo e o outro, do jornal Brasil de Fato, também online. A nossa proposta de trabalho está pautada principalmente nos pressupostos teóricos da linha de Análise do Discurso Francesa, a partir dos trabalhos de Charaudeau, Culioli, Dahlet, Orlandi e Pêcheux. Nosso foco de análise é o processo de designação/nomeação como uma das categorias responsáveis pelo efeito de real criado pelo discurso e como cada texto utiliza esse processo como estratégia discursiva na fabricação de seus referentes. A comparação entre os textos evidencia as diferentes posições assumidas por cada um dos jornais.

Palavras-chave


Analise do discurso; Nomeação; Designação; Discurso midiático, Barragem Brumadinho

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL DE FATO. Não foi acidente, é crime! O rompimento da barragem em Brumadinho (MG), no Brasil. Disponível em: < https://www.brasildefato.com.br/2019/02/01/nao-foi-acidente-e-crime-o-rompimento-da-barragem-em-brumadinho-mg-no-brasil/>. Acesso em 10/02/2019.

CHARAUDEAU, P. Identité sociale et identité discursivele fondement de la compétence communicationnelle. Revista Gragoatá, n.21, p.339-354, 2º semestre 2006.

CHARAUDEAU, P. Les stéréotypes, c’est bien. Les imaginaires, c’est mieux. In: BOYER H. (dir.), Stéréotypage, stéréotypes: fonctionnements ordinaires et mises en scène. Paris: L’Harmattan, 2007.

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. São Paulo: Contexto, 2009.

CULIOLI, C. Pour une linguistique de 1'énonciation: opérations et representations. Paris: Ophrys, 1990.

DAHLET, Patrick. Leitura e construção do sentido: a perspectiva enunciativa. In: A formação do leitor: o pape l das instituições de formação do professor para a educação fundamental. Brasília: MEC, 1994. p. 104-129.

DAHLET, Patrick. Apagar as divisões, celebrar o consenso: a governança discursiva na era neoliberal. Todas as Letras. São Paulo, 2014.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GONAC’H, Jeanne. Pratiques de redénomination des rues à Vitrolles. In: CISLARU,

Georgeta ; GUERIN, Olivia; MORIN, Katia; NEE, Emilie ; PAGNIER, Thierry;

VENIARD, Marie. L ‘Acte de nommer. Une dynamique entre langue et discours.

Paris: Presses Sorbonne Nouvelle, 2007. p. 101-114.

MICHAELIS MODERNO DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA. . Acesso em 10/02/2019.

O ESTADO DE S. PAULO. Brumadinho: o que já se sabe sobre o rompimento da barragem da Vale. Disponível em: . Acesso em 10/02/2019.

ORLANDI, Eni. Análise de discursos: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni Orlandi. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).