LITERATURA, GÊNERO E RESISTÊNCIA UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE ISABEL ALLENDE E MIA COUTO

Beatriz Evangelista de Oliveira, Evandro Figueiredo Candido

Resumo


O presente artigo visa a traçar um paralelo entre O Fio das Missangas – de Mia Couto – e La Casa de los Espíritus – de Isabel Allende –, no que tange à resistência “feminina” diante da “opressão”. O objetivo de tal paralelo é demonstrar que a representação da resistência das mulheres na literatura apresenta elementos distintos, já que tratamos de personagens localizados em contextos diversos. Busca-se ainda evidenciar o papel muitas vezes submisso e servil sancionado às mulheres que naturaliza situações de violência, dificultando a resistência desses sujeitos em um universo opressor. Faz-se necessário conhecer mais profundamente esses papéis sociais e em que medida eles estão arraigados à cultura e intrinsecamente a serviço de uma sociedade patriarcal. O presente estudo se justifica, pois lidamos com autores que abordam uma temática semelhante em contextos diferentes. Quais as estratégias de resistência utilizadas pelos personagens ambientados no contexto da África e da América Latina? Contextos tão diferentes demandariam soluções diferentes? Entendemos que tal comparação vai ao encontro dos pressupostos da Teoria Queer (aqui utilizada como base de análise) no que tange ao caráter heterogêneo do gênero e sua dimensão discursiva.

 

 


Palavras-chave


Gênero; Resistência; Mia Couto; Allende.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLENDE, Isabel. A Casa dos Espíritos. Trad. Carlos Martins Pereira. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro, 2005.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Trad.: Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do livro, 1970.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CHAULHOUB, Sidney. Visões da liberdade: Uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo. Companhia das Letras, 1990.

COUTO, Mia. O Fio das Missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos Vaga-lumes. Trad. Vera casa Nova; Márcia Arbex. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Um Corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 1 Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MACHADO, Lia Zanotta. Masculinidades e Violências: Gênero e mal-estar na sociedade contemporânea. Em: SCHPUN, Mônica Raisa (Org.) Masculinidades. São Paulo: Boitempo Editorial; Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2004.

ROSA, Susel Oliveira da. Mulheres, ditaduras e memórias: não imagine que precise ser triste para ser militante. São Paulo: Intermeios; Fapesp, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).